Dividas e o seu pagamento – 1

Win or lose, though, begging for scraps at the tables of the rich is a sucker’s game.  In social change as in every other aspect of life, who pays the piper calls the tune, and the rich—who benefit more than anyone else from business as usual—can be counted on to defend their interest by funding only those activities that don’t seriously threaten the continuation of business as usual. Successful movements for social change start by taking effective action with the resources they can muster by themselves, and build their own funding base by attracting people who believe in their mission strongly enough to help pay for it

John Michael Greer

⊗⊗

Em 380 A.C, Platão descreve no livro I da sua obra “A república”, um diálogo onde participa Sócrates e debate inicialmente com Céfalo e Polemarco (filho de Céfalo) qual deve ser a moralidade aplicável ao pagamento de dividas.

Céfalo, um mercador e herdeiro de terceira geração define qual é a linha de pensamento típica e a ética dos mercadores no que diz respeito a este assunto: que é justo e correcto pagar a divida que se tem ou o reembolso do empréstimo que se fez.

Sócrates contra argumenta:

Se alguém recebesse armas de um amigo em perfeito juízo, e este, tomado de loucura, lhas reclamasse, toda a gente diria que não se lhe deviam entregar, e que não seria injusto restituir-lhe, nem tão pouco consentir em dizer toda a verdade a um homem nesse estado…”

Fornecer armas a um homem que endoideceu (por analogia: um repagamento de uma divida…) e que caso as usasse no estado de loucura em que está, as consequências não serão nem correctas nem justas. (o devedor ficar sem nada, passando a viver na indigência…)

Na realidade, quer Sócrates com isto dizer que existem excepções aos repagamentos de dividas e essas excepções devem ser aplicadas e devem ser transformadas em lei numa sociedade justa.

(Numa nota lateral, e especulativamente, deveremos suspeitar que a hostilidade dos adeptos e claques de apoio ao neoliberalismo e ao capitalismo selvagem aos filósofos; radicam em posicionamentos como este; acaso os neoliberais conheçam os filósofos e saibam quem são ou quem foram.)

Debt-Bonds jpg

“Debt is a mistake between lender and borrower, and both should suffer. ” Nassim Nicholas Taleb

O primeiro argumento explanado por Sócrates acerca do repagamento de dividas não dever ser feito em todas as circunstancias não é o argumento primário aqui.

Existe um sub argumento baseado numa lógica de micro moralidade – este; e existe um sub argumento de macro moralidade ou macro estrutura da sociedade implícito na analise.

Que é o seguinte: como é que obrigar devedores que estão impossibilitados de repagar más dividas/divida tóxica) afecta toda a sociedade?

Parafraseando a ideia de Sócrates: se um doido tem intenções de cometer assassínio e provocar o caos, devolver-lhe a arma que o possibilita fazer tal irá facilitar o seu cometimento de mais actos injustos e as consequências serão mais sofrimento ou mais mortes nos que forem as suas vitimas.

Significa que de um ponto de vista de justiça, a moralidade de repagar todas as dividas falha em significar que justiça esteja a ser feita, porque as consequências gerais e estruturais para uma dada sociedade tem que ser levadas TODAS em conta e não só aquelas que interessam à micro moralidade do credor….

Uma “analise custo beneficio” tem que ser feita relacionada com o que a sociedade ganha com isto e o que perde.

Oligarcas e mercadores; os que propõem uma forma musculada de fazer as coisas tem feito força – continuadamente – favorecendo as “soluções” que foram aplicadas recentemente aos países europeus com este tipo de problemas de divida e à forma de resolver a recente crise infindável…, enquanto não manufacturam outra nova crise infindável para justificar ainda mais a imposição deste modelo teocrático financeiro de resolução de problemas.

E de imposição de mais injustiça selectiva como forma de condicionamento de partes significativa da sociedade onde isto aconteça.

Utilizam um sub argumento escondido. No óptica oligárquica-mercadora defende-se que deve ser salvo; primeiro,os interesses dos credores ricos – a sua salvação de perdas financeiras, em muitos casos por si mesmos criadas.

Defende-se a primazia que seja (1) a moralidade de que todas as dividas devam ser repagadas vs (2) a economia real e a sociedade estrutural em toda a sua extensão, com os problemas de desemprego, emigração e miséria levando à emigração, piores condições de saúde e de vida para a generalidade da população e menor tempo de vida que resultem da aplicação da forma musculada de fazer as coisas – a prevalecer.

Estas duas lógicas confrontam-se, mas o que está em causa verdadeiramente é o comportamento abusivo, egoísta, criminoso, ganancioso dos credores que criaram uma * narrativa e uma prática que os isenta de responsabilidades, passando-as para os devedores na sua inteira totalidade.

*… by funding only those activities that don’t seriously threaten the continuation of business as usual. …

(continua)

Anúncios

Gravy train, ou os parasitas do politicamente correcto na comunicação social (política)

gravy-train

O gravy train portugues…

Num recente episódio de um programa de televisão onde os intervenientes fingem que debatem a situação política nacional; uma das pessoas que intervém fez uma tirada tão pseudo espectacular como estúpida. Verdadeiramente e sem querer, revelou o que verdadeiramente pensava sob o assunto ” austeridade”.

Sentindo pânico pelo que chama de “o avançar do populismo” e pretendendo atacar a actual solução de governo em Portugal, correlacionar isso com a Europa e o deprimente estado político da mesma, e ao mesmo tempo, aviar o recado vindo dos seus amos, segundo o qual “tudo” o que acontece de mau na Europa seria única e exclusivamente culpa da Alemanha, esta insigne criatura declarou que a má gestão da crise europeia por parte da Alemanha teria dado origem ao Brexit, à aproximação da Alemanha à Rússia, à crise do Médio Oriente e especificamente no que aos partidos políticos europeus diz respeito e respectivas afinidades tal má gestão teria originado o fim da social democracia europeia.

Este programa televisivo é de orçamento reduzido, devemos ter isso em conta, quando pessoas pagas para analisar e debater politicamente, apenas conseguem produzir uma má conversa de café, mesmo que inclua alusões ao The economist ou ao Finantial Times ou a qualquer outra falsa bíblia.

A criatura televisiva, courtier de segunda classe, com esta proclamação do fim da social democracia europeia, argumentava a seguir que isto tinha originado o fim dos partidos da tribo da esquerda política de vertente social democrata na Europa. Tal desastre tinha originado o aparecimento de “todos estes partidos de extrema esquerda”, que eram – pasme-se – contra a austeridade.

Infere-se segundo esta criatura que os partidos da social democracia “normais” e sem desvios à norma serão a favor da austeridade…?

É este o nível da argumentação estúpida, preconceituosa, que avia recados dos superiores hierárquicos oligarcas.

É esta a disseminação verbal da injustiça como forma de organização social.

SERVILISMO - PÉS

Esta criatura courtier tem sido um membro constante e sistemático da elite cortesã deste país durante os ultimo 30 anos.Cavalgou o Gravy train português, auto colando-se à tribo da esquerda política.

O método cientifico para obter esse selo de qualidade e garantia de “normalidade social democrata” consiste em manifestar um acentuado anti comunismo, patente em declarações públicas e privadas, em paralelo com uma inclinação cultural imensa (supostamente um feudo exclusivo da tribo da esquerda política…) que leva a que se pense nos circulos bem pensantes dos cortesãos e dos que lavam mais branco que a pessoa é aceitável, uma compincha pró valores”de social democracia de acordo com o livro de regras.

Estas pessoas obtiveram inicialmente os cursos universitários certos nos lugares certos, ocuparam os empregos “de pluma vistosa” do regime, os estandartes supostamente meritocráticos do mercado de trabalho das artes, letras e ideias (especialmente nas administrações da tribo da esquerda política e especialmente nas administrações da direita política…) e obtiveram elevados lucros quer na gentrificaçao material do regime (obtenção de bens materiais e estatuto financeiro), quer nas áreas gentrificadas habitacionais do regime, onde habitualmente vivem e criaram casulos e bolhas de classe “bem”.

A vida tem sido boa.

Estas pessoas arranjaram um emprego em ” sítios” onde é inexistente a necessidade de trabalhar.

São apenas pagos para nada fazer, servindo de veículos que passam a mensagem que agrada as elites e aos oligarcas.

São apenas pessoas que existem num emprego durante um dia inteiro e são pagas para falar.

Falam muito, mas a substancia do que dizem é zero.

Exactamente…, qual é o valor social, politico, profissional, cívico, de cidadania que estas pessoas tem entregue à sociedade, como retorno, pelo que a sociedade lhes tem permitido ser?

Reorientando momentaneamente este texto.

Portugal transformou-se num local em que é muito estúpido o acto de se procurar ajudar as pessoas.

Como regra geral, as pessoas traem quem as ajuda, traem a cidadania que deveriam defender, traem-se a si próprias. Filosoficamente, e com muita paciência  deve responder-se que o problema principal não reside na constatação que as pessoas irão trair, mas sim que as pessoas irão trair por um preço próximo de nada.

É inexistente qualquer capacidade por parte da generalidade da população em fazer uma correcta avaliação custo – beneficio do valor de qualquer coisa.

Numa nota ingénua, deve-se fazer o esforço de ajudar, mas há limites de paciência e de preço próximo de nada.

Com o acima escrito em mente é necessário dizer que quem paga a existência dos parasitas do politicamente correcto, como discurso público próprio de um sistema de cortesãos inserido no arco da governação, recuse pagar este preço por algo que não traz valor.

Com  acima escrito em mente é necessário dizer que os cortesãos que põe uma cara alegre afirmando serem pró justiça social, pró pobres, pró “social democracia” tem lucrado a nível pessoal com as injustiças e a pobreza que derivam dos ataques que são feitos aos membros da sociedade com problemas.

Com acima escrito em mente é necessário dizer que os cortesãos estão com verdadeiros problemas.

Num mundo com internet, cidadãos despolitizados, sem dinheiro institucional para os manter acima ou no patamar em que estão, sem acrescentarem qualquer valor de mercado aos oligarcas e as elites, quem precisa deles?

O chão foge-lhes debaixo dos pés.

Devemos ajudá-los a terminar a sua carreira de mercadores aleivosos com a maior indignidade possível.

Panamá Leaks ou apenas uma operação de manipulação de percepções

Desde 2008, quando a bolha especulativa da economia mundial foi rebentada, a oligarquia mundial que manipula estes assuntos especialmente a facção económica/política que controla os Estados Unidos e as respectivas instituições que estes influenciam; decidiu que seria necessário trazer de novo para a economia mundial uma parte das vastas somas de dinheiro que habitam nos offshores mundiais.(entre 21 e 32 triliões de dólares, segundo dados do Banco mundial, bancos centrais, Fmi e Onu)

Sobre o propositadamente nebuloso mundo dos offshores, paraísos fiscais e similares foi aplicado este novo paradigma. Como consequência, desencadeou-se a questão cipriota em 2013 promovendo-se artificialmente uma crise de liquidez … (a Europa “Merkelizada” foi usada como proxy para o fazer…) sobre os bancos cipriotas/Estado cipriota. Com esta manobra pensava-se poder atingir duramente, na área geopolítica e financeira, os interesses da Rússia (Brics), e punha-se em marcha a reengenharia mundial que visava também criar oportunidades de mercado para os novos players oligárquicos e elevar da sua quota neste mercado emergente de remodelação geográfica de quais os offshores “aceitáveis”.

E assim adicionais vantagens comerciais seriam criadas para a oligarquia mundial. Os offshores que “não interessavam” existir como concorrentes começavam a sentir o bafo nas costas quando são marcados para abater. Chipre foi o tiro de partida e o benchmark.

Entre 40 a 60% dos offshores mundiais são alvo de controlo directo ou indirecto pelos esquemas financeiros/legais cujos mestres titereiros são os EUA/Reino Unido,(as facções nestes dois países…) mais as adjacências coloniais designadas de “União europeia” e a sua pretensa independência estratégica e financeira em relação aos mestres titereiros.

Que importa, perguntarão os mais cínicos, se a criação propositada da falta de liquidez na zona cipriota e consequente avolumar do contágio financeiro à toda a zona euro vem criar problemas a populações de uma área económica como a Europa?

Que importa, perguntarão os mais cínicos, se estas novas startup´s de offshores, geograficamente recolocadas constituem novas oportunidades de mercado para as oligarquias mundiais e respectivas elites locais que os servem?

Neste paradigma de guerra económica a eliminação de um concorrente comercial (Chipre) que servia de porto de abrigo europeu relativamente neutral no que a abrigo financeiro diz respeito para uma parcela pequena de oligarcas e cidadãos abastados da Rússia mais algumas empresas (quase todos os oligarcas russos são pró atlantistas e pró Estados Unidos/Europa, note-se…) conjuntamente com o embaraço público sofrido pela Rússia, a relativa desestabilização interna que se esperava que daí adviesse; (reacção dos oligarcas e população russa contra Putin, que não se verificou…) tudo isto constituía um prémio geopolítico e comercial que merecia (segundo as opiniões das facções oligárquicas norte americanas) que se movesse as correctas peças do tabuleiro de xadrez para alcançar este resultado.

Fazer “regressar” ao circuito económico mundial dinheiro com donos específicos parqueado em ofsshores, atingir com uma facada comercial um offshore que começava crescentemente a captar dinheiro e investimentos, que assim não iriam parar às Mossacks-Fonsecas do outro lado do espectro político dos offshores, e pretender atingir e condicionar a capacidade de mover capital por parte de Russos oligarcas endinheirados (levando-os a exigir responsabilidades a Putin para que este cometesse um erro, desse um salto em frente, e aumentasse o nível do conflito…) para paraísos fiscais geograficamente perto do território russo foram metas estabelecidas.

Quando o concorrente não pode ser comprado comercialmente ou não se deixa comprar comercialmente, é necessário atacar a sua credibilidade comercial aos olhos dos potenciais clientes e neutralizá-lo tornando-o quase ou totalmente ineficaz para o percebido adversário.

Chipre tornou-se ineficaz, do ponto de vista comercial, para o percebido adversário. Politicamente a história já é outra…

O bónus adicional; a desestabilização ainda maior da já auto desestabilizada União europeia, surge como consequência destas manobras. Também ajudou ter sido potenciadas pela inépcia completa ( ou propositada?) dos pseudo lideres europeus em duas vertentes.

(1) Permitiu-se deixar a senhora Merkel e o resto dos bonzos políticos alemães divisarem uma estratégia para a Europa o que é e foi um erro de dimensão trágica.

(2) Permitir-se discutir este assunto estratégico enfeudado à grande estratégia de tabuleiro de xadrez dos EUA.

O que equivaleu a alinhar nos equívocos agressivos e perigosos da facção neo conservadora e na sua permanente tentativa de imposição de Pax americana” sobre o resto do planeta e gerou a demissão institucionalizada da Europa em assuntos que lhe diziam respeito ( o acompanhar da louca política de sanções à Rússia ricocheteou completamente e voltou para atingir todos os países europeus…).

Outro micro jogo está ser jogado neste tabuleiro: fazer recordar, aos europeus porque é que estes precisam dos EUA e porque é que acham que devem precisar.

Que importa, perguntarão os mais cínicos, se todas estas manobras apenas colocam em evidencia a lógica das grandes potencias e quando as coisas apertam os mais pequenos são deixados ao seu destino e devemos deixar assim estar?

Que importa, perguntarão os mais cínicos, se estes jogos da facção norte americana estão a colocar toda a humanidade olhando para o abismo, esperando não se tornar nele?

Depredadores do universo, e porque tudo falta a quem devasta, agora esquadrinham terra e mar; ávidos se é opulento o inimigo, sobranceiros se pobre, nem o oriente nem o Ocidente os podem saciar; são os únicos a desejar com igual paixão riquezas e poder. Pilhar , trucidar, roubar tomam eles com o falso nome de governo e chamam paz à solidão que criam.

Tácito, Agrícola.

2016-04-08 comunicacao social portuguesa.pdf - Foxit Reader

A comunicação social, a portuguesa incluída, iniciou o transe hipnótico chamado offshores – Panamá papers -Mossack Fonseca”.

Os mestres titereiros internacionais passaram as instruções e os lacaios locais estão a cumpri-las. Ninguém sabe verdadeiramente quem dá as ordens, mas elas cumprem-se.

Informação crucial é omitida, nomes nos ficheiros são omitidos, a filtragem desta informação supostamente vazada da Mossack Fonseca segue em linha com os interesses das agendas governamentais e do establishment anglo saxónico e respectivos interesses e lacaios.

O consorcio internacional de jornalistas independentes é organizado e financiado pelo Center for public integrity e pelo Usaid, ditas Ong´s independentes cujo dinheiro vem do orçamento de estado norte americano e das fundações e trustees pertencentes aos oligarcas americanos e europeus que financiam este grupo de interesses.

Os oligarcas portugueses detestam Portugal e apenas querem fazer uma colheita

No século 5 antes de Cristo, um homem chamado Tucídides, considerado um traidor pela sua classe social, escreveu um livro chamado a “História da Guerra do Peloponeso”.

O livro conta a historia da guerra entre Atenas, uma democracia para os padrões daquele tempo, mas uma democracia cencitária e elitista em numero de população em vários aspectos, e Esparta, uma ditadura aristocrática militarista, baseada exclusivamente nos códigos de guerra utilizados pelos guerreiros. (O sonho húmido de qualquer oligarca que se preze, porque é o modelo ansiado que permite o controlo com punho de ferro da terra, dos seus recursos e da população).

Atenas, mesmo como democracia cencitária era alvo de constantes tentativas de subversão dos oligarcas atenienses, o que desde logo demonstra que o oligarca nunca foge à sua natureza. Tal como o escorpião da fábula da rã que decide pedir a esta que o transporte no dorso para atravessar o rio prometendo não a matar porque  ambos morreriam afogados, mas acaba por o fazer dizendo, “é a minha natureza”, também o oligarca nunca foge à sua natureza e subverte sempre o regime que o tolera e fecha os olhos à sua presença.

Em Atenas, segundo conta Tucídides existiam oligarcas e estes odiavam Atenas. Não a consideravam como sendo a sua terra, nem concordavam com a democracia fortemente cencitária da cidade estado. Parecia-lhes demasiado pouco e demasiado mau.

No livro, existe uma personagem criada por Tucídides, presumivelmente ficcionada pelo próprio para explicar qual a mentalidade subjacente ao oligarca médio  e este personagem é um achado. O “velho oligarca” de Tucídides regurgita ódio a tudo o que lhe imponha limites ao poder que deseja ilegitimamente exercer.

Lamentavelmente, para os interesses da oligarquia, esta está enganada e vai perder e perder muito e com graves danos.

Lamentavelmente, para os interesses da oligarquia, esta está enganada e vai perder e perder muito e com graves danos.

Odeia a marinha ateniense pelo facto de ser a marinha e ser ateniense, mas também por ser uma operação tecnológica de nível elevado, para os padrões da época. Essa “tecnologia” elevada permite a existência de uma mobilidade social e profissional entre os plebeus e os proletários das classes baixas. O alistamento na marinha faz obter competências técnicas (skills). A convivência de tantos atenienses cria sentimentos de união e espírito de corpo (actualmente chama-se a isto team building, expressão que permite a empresas privadas pressionarem os seus empregados a trabalharem contra os seus próprios interesses… e a serem despedidos após o terem feito. A colheita em favor dos oligarcas já foi colhida). Essa mobilidade social, esse espírito de corpo, essas competências técnicas ameaçam os privilégios ilegítimos da classe de oligarcas atenienses e ameaçam as fundações do seu poder.

Um oligarca ou uma classe de oligarcas sente-se incompleto e insatisfeito se não odiar mais do que só uma única coisa. O “velho oligarca” de Tucídides recusa fugir a esta regra e odeia de forma visceral as longas muralhas que foram construidas entre Atenas e o (porto) Pireu. Há 2400 atrás, estas muralhas permitiam proteger Atenas de possíveis ataques terrestres de Esparta, obtendo depois através da marinha uma vantagem estratégica significativa sobre Esparta e funcionavam como dissuasão.

O “velho oligarca” odeia tecnologia porque esta permite manter segurança e mobilidade social e deseja ardentemente que exércitos estrangeiros ataquem o seu país (a que, de resto, ele não sente como seu, mas sim como algo ao qual se pode fazer uma colheita de recursos e deitar fora quando já não interessar). Se exércitos estrangeiros atacarem o seu pais, ao velho oligarca e aos amigos oligarcas ser-lhe-a permitido manterem os seus privilégios ilegítimos e os privilégios ilegítimos da sua classe.

Marcel proust - oligarcas

No século 21 depois de Cristo, inúmeros lacaios e cortesãos ao serviço da sub espécie dos oligarcas portugueses desempenham o seu papel sórdido. Os lacaios e os oligarcas odeiam a mobilidade social, embora falem dela abundantemente, mas quando o fazem apenas se referem a mobilidade social para os seus próprios membros e amigos, e querem destruir todos os mecanismos democráticos que defendem essa mobilidade social, para todos os outros.

O conceito de escola pública é o primeiro alvo. Os plebeus e os proletários devem, segundo estas teorias desenhadas com base no mais puro mal, ser bloqueados no seu acesso social à mobilidade. Quer-se atingir a destruição de capacidades e talento das pessoas comuns. (Esta é a marinha ateniense actual…)

Isto é um conceito de guerra aberta feita à população.

O conceito de saúde publica é  segundo alvo. Os plebeus e os proletários devem, segundo estas teorias cheias de pura maldade, ser bloqueados no seu acesso à saúde. Que importa se estão doentes, se o numero de empregos disponíveis é pequeno e a mão de obra disponível excede largamente o disponível… Alguém sai por problemas de saúde, substitui-se por outro qualquer. Acaso os plebeus e proletários recusem isto como definição civilizacional, os oligarcas passarão a forçar a exigência de pagamento integral das despesas de saúde, receitas elevadas estas que vão ser directamente canalizadas para os oligarcas que dominam as estruturas que fornecem estes serviços. Subvertem para destruir e depois constroem a oportunidade sobre as ruínas humanas parasitando-as economicamente.( Esta é a tecnologia ateniense actual)

Isto é um conceito de guerra aberta feita à população.

O conceito de segurança social é o terceiro alvo. Tornar completamente insegura a velhice dos plebeus e dos proletários é o objectivo, impondo assim uma cultura de medo em relação ao futuro e ao presente. Criar pessoas que vivem os seus dias cheios de medo com o que lhes possa acontecer quando chegarem a velhos é mais uma ideia cheia de pura maldade que se pretende aplicar sobre a população deste país.(Estas são as muralhas de Atenas actuais)

Isto é um conceito de guerra aberta feita à população.

Ninguém tem a obrigação de obedecer aquele que não tem o direito de mandar. Cícero

Ninguém tem a obrigação de obedecer aquele que não tem o direito de mandar.
Cícero

Recentemente, grupos de oligarcas disfarçados e camuflados na tribo da direita política, ajudados por grupos de oligarcas disfarçados e camuflados na tribo da esquerda política decidiram promover um ataque à população portuguesa. Recorda-se o que antes foi escrito:

O “velho oligarca” odeia tecnologia porque esta permite manter segurança e mobilidade social e deseja ardentemente que exércitos estrangeiros ataquem o seu país (a que, de resto, ele não sente como seu, mas sim como algo ao qual se pode fazer uma colheita de recursos e deitar fora quando já não interessar). Se exércitos estrangeiros atacarem o seu pais, ao velho oligarca e aos amigos oligarcas ser-lhe-a permitido manterem os seus privilégios ilegítimos e os privilégios ilegítimos da sua classe.

O exército estrangeiro que atacou ( a moderna Esparta) é um cerberus de 3 cabeças, o cão que guardava as portas do Inferno segundo a mitologia grega.

O cão do Inferno e os seus ajudantes oligarcas e cortesãos continuam por aí.

Como nação e como membros de uma comunidade politicamente organizada queremos mesmo ter que suportar tão indesejável proximidade com estas entidades?

A Irmandade de Némesis diz não.

Os oligarcas portugueses afirmam que a população portuguesa tem culpa. Devemos acreditar neles?

A culpa é um sentimento horrível. Cola-se às pessoas como um pesadelo interminável, nada produz de redenção eficaz e traz sempre más consequências para quem sente culpa.

É um sentimento que, na maior parte dos casos, é inútil e leva a que as pessoas ainda se sintam pior do que já estavam, sem que exista “de facto” qualquer justificação séria que o individuo deva apresentar a si próprio e que o ajude a sair deste mau estado de espírito.

Reagindo a este sentimento negativo os indivíduos tentam fugir das consequências negativas do aparecimento deste sentimento. As pessoas mentem acerca de si mesmos e de outros e escondem a culpa de si e dos outros. Algum código moral, ético ou imaginário, verdadeiro ou falso, humanamente realista e possível de realizar ou uma armadilha do ego verdadeiramente impossível e irrealista de obter são consideradas pelo individuo como tendo sido grosseiramente violadas, e pior ainda se o tiverem sido em sociedade e tal tenha sido visto. As pessoas sentem-se envergonhadas pelos seus sentimentos de culpa (exclusão ao comportamento dos psicopatas…).

Todas as empresas organizadas como religiões e todas as religiões organizadas como empresas imprimiram nos seus seguidores sentimentos de culpa.

À cabeça deste pequeno exército de notários que certificam culpas de acordo com os regulamentos criados para servir quem quer obter Poder, encontra-se a Igreja católica que inventou o dogma agostiniano. Segundo a doutrina do pecado original, quando nascemos somos pesados, certificados e carimbados para expedição pela empresa de serviço postal “santificado” que entrega pessoas para começarem a viver, como sendo já culpados dos pecados anteriores cometidos antes de nós, pelos nossos pais e pela humanidade.

A Humanidade chegou a horas ao sitio errado e comeu uma maçã. Uma serpente ficou aborrecida com isso e a Queda do Homem aconteceu.
Faz-nos pensar o que teria acontecido se o Homem tivesse comido a serpente e ignorado a maçã. A face da indústria agro pecuária mundial seria certamente diferente.

images

Da mesma maneira que na trilogia cinematográfica “Star Wars” a Força é forte numa família, em Portugal a “Força “ da culpa é forte nos portugueses. Aparenta ser a única coisa que é forte em Portugal, excepção à corrupção (e a necessidade que o país e a sua população sentem em continuar a conceder “credito moral e ético” às elites portuguesas e continuarem a seguir os projectos políticos e económicos baseados nas loucura desregrada das elites portuguesas, cujos prejuízos são depois enviados para a população pagar).

A “força da culpa” em Portugal apresenta características de doutrina do pecado original.
O cidadão português, quando nasce, assim o consideram os repelentes oligarcas que assombram este local, é considerado como sendo um pecado original, uma coisa que tem que carregar culpas.
Nem é cidadão, de resto, mas apenas vassalo ou súbdito e tem culpa.

Devemos acreditar neles? Devemos aceitar que somos coisas que carregam culpas?
Certamente que não.

Um exercício mental e ético que todos os portugueses devem fazer consiste em recusar carregar culpas fabricadas ou inventadas ou aceitar diminuições no seu estatuto pessoal e político enquanto pessoa que nasceu e vive aqui.

Princípios de Némesis.

“Trabalharemos incansavelmente, até ao último irmão, para conservar aquilo que de bom existe. Para reconstruir o que já não existe. Para criar o que deveria existir. Tudo para manter viva a chama de uma cultura e civilização dignas desse nome, que os cidadãos sintam de novo orgulho em fazer parte. “”

 Better a serpent than a stepmother! Euripides (Nota Nemésis: parece ser claro que Eurípides tinha problemas familiares)

Better a serpent than a stepmother!
Euripides
(Nota Némesis: parece ser claro que Eurípides tinha problemas familiares)

Porque infelizmente dispõe de terreno fértil, os nossos repelentes oligarcas, plutocratas, Kakistocratas, “a ralé” que nos tenta degradar sempre que pode; semea e planta a culpa num local onde, infelizmente esse sentimento negativo já existe para dar e vender.

O efeito é óbvio.

A população portuguesa, cheia de complexos de culpa históricos, reais ou imaginários vive aterrorizada de forma subconsciente e move-se como um fantasma vivo que procura descansar sem nunca o conseguir.
O cidadão português é colocado num estado de confusão psicológica permanente, sempre mais diminuído e inferiorizado do que aquilo que na realidade é ou alguma vez foi (esta é uma das razões que ajuda a explicar porque é que qualquer português emigrante se sente” livre” e liberto destas grilhetas e produz mais e melhor fora deste ambiente putrefacto – os sentimentos de culpa fomentados pelas elites oligárquicas portuguesas não fazem os seus ramos chegar tão longe).

E geração após geração, milhões de pessoas em Portugal sentem culpas, próprias, de terceiros, de familiares, do céu estar azul ou nublado, de fazer Sol ou cair chuva, quer as culpas sejam verdadeiras ou falsas.
Um “mercado” da culpa é assim generosamente cultivado. As pessoas acordam de manhã e sentem culpa, um sentimento insidioso, que congela os ossos e petrifica a alma logo pela manhã, como um nevoeiro maldito que recusa afastar-se da cabeça das pessoas, à chegada dos primeiros raios de sol.

Entranha-se, estranha-se e detesta-se.

Vão almoçar e sentem culpa por causa do almoço ou de outra coisa qualquer, o pretexto não importa. Jantam e sentem culpa por terem almoçado. Ou por outra razão qualquer.

mercado da culpa portugues

Este ambiente putrefacto, pantanoso, psicologicamente terrível beneficia somente os inimigos da justiça e de uma sociedade como uma civilização da qual valha a pena fazer parte.

Devemos rejeitar a culpa por acções que nunca autorizamos que fossem feitas em nosso nome nem aceitar pagar por dívidas que nunca foram negociadas em nosso nome.

Sendo necessária em qualquer sociedade a existência de uma elite, constitui uma ofensa mortal a existência da actual elite política, social, económica, empresarial e as marionetas que controlam dentro do sistema político, fora dele e nas empresas.

A promoção destas putrefacções que as actuais elites portuguesas cultivam quase como uma religião e a sua disseminação por toda a sociedade portuguesa são perigosas.

Os lacaios da oligarquia trabalham a favor disto e são perigosos para o resto da população.

Alguns dos resultados?
Uma sociedade injusta, imoral, sem ética, com diferentes compartimentalizações e segmentos de ordem e justiça, consoante se é rico e poderoso ou não se está nessa categoria.

É só isto que os oligarcas, os plutocratas, os kakistocratas tem para oferecer. Culpa e diferentes graus de justiça/injustiça para a população e isenções para si próprios dos deveres de vida em comunidade.

Devemos acreditar neles? Certamente que não.

Devemos detestá-los? Certamente que sim.

Devemos aceitá-los? Certamente que não.

Devemos combate-los?  É um imperativo ético.