Dividas e o seu pagamento – 2

“For a country, everything will be lost when the jobs of an economist and a banker become highly respected professions”.

Charles de Secondat, Barão de Montesquieu.

⊕⊕

Em 380 A.C, Platão descreve no livro VIII da sua obra “A República”, um diálogo de Sócrates com Glaucon. Aponta-se aí a negligencia, a ganancia e o encorajamento da irresponsabilidade; (o que nos dias de hoje se chama narcisismo, indiferença social e sociopatia) das oligarquias atenienses.

Explica Sócrates que esta cultura de ganancia funciona como a picada de um insecto parasítico e o veneno que resulta da picada é o dinheiro injectado no que ainda restar imaculado na sociedade.

Afirma Sócrates:

“Ora esses usurários de cabeça baixa, sem parecer vê-los, ferem com o seu dinheiro, injectando-lhe, quem se lhes submeter dentre os restantes, e, multiplicando vezes sem conta os filhos nascidos desse pai, fazem pulular os zangãos e os mendigos na cidade”…
(…)
Seja como for – disse eu – , não estão dispostos a extinguir esta espécie de maldade, quando começa a querer ficar em chamas, por aquele processo de impedir que se disponha dos bens como se quiser, ou por este, de resolver esta situação por meio de uma outra lei.

– Por qual?

– Por uma que fosse a melhor alternativa da primeira, e que forçasse os cidadãos a preocupar-se com a virtude. Efectivamente, se se estabelecesse que os contratos voluntários, na maior parte dos casos, se fizessem à conta do próprio, os cidadãos transaccionariam com menos falta de vergonha, e haveria entre eles um numero menor daqueles males de que há momentos falamos”…

Os efeitos práticos descritos nestes fragmentos do dialogo criaram dívida impagável para muitos atenienses. As consequências foram as esperadas.

Perda de terras e casas, destituição de quaisquer bens que possuíssem, pobreza extrema e mendicidade. A aplicação cega e absoluta das regras em favor dos credores cria um pequeno exército de pobres e ociosos que doravante viverão suportados pelo Estado Ateniense.

Desequilibrando a sociedade desta maneira; pelo aumento da injustiça e dos deserdados da terra, o fermento da alternativa surge na população. As pessoas, quer queiram, quer não queiram, quer gostem quer não gostem começam a conspirar (e justamente) contra os adquirentes de fortuna, os credores, os legatários e herdeiros, os que tem poder. A  vontade de revolução fica a uma ténue linha de distancia.

Sugere Sócrates, que a maneira de evitar este desastre potencial (a usura associada à especulação…mais a posse dos bens do devedor…), consiste em fazer aprovar uma lei proibindo um homem de fazer o que quer com o que é seu ou à sua maneira irrestrita e uma segunda lei que limita esses abusos.

Esta ideia atribui uma “obrigação“ de os credores partilharem também, o risco de não pagamento e cumprimento de contratos (quando é manifesto que não se podem pagar)  que é o que verdadeiramente estava em causa à 2400 anos e actualmente.

2400 anos depois, a situação repetiu-se sob a forma de tragédia amplificada. O correctivo que deveria ser aplicado aos bancos comerciais e demais entidades que tivessem concedido empréstimos claramente para lá da capacidade do devedor de os repagar e claramente  com clausulas nos mesmos que só podem ser classificadas como fraudulentas; não foi aplicado e esta mesma lógica manteve-se.

Continua por aplicar o correctivo, até à próxima crise.

“Debt is a mistake between lender and borrower, and both should suffer. “
Nassim Nicholas Taleb

Duas “morais” confrontam-se numa batalha mortal.

São exemplificadas pelas citações abaixo transcritas.

A primeira baseia-se em  solidariedade e cooperação social. Um conceito de sociedade decente.

“Man is born in society, and there he remains.” To survive, people need to cooperate in a system of mutual aid. “Man is, by nature, the member of a community; and when considered in this capacity, the individual appears to be no longer made for himself. He must forego his happiness and his freedom, where these interfere with the good of society.”

Charles de Secondat, Bãrao de Montesquieu, O Espírito das Leis.

A segunda baseia-se em egoísmo, narcisismo, e egocentrismo, numa atitude de “salve-se quem puder” baseada na negação da existência da comunidade.

“Greed, for lack of a better word, is good. Greed is right. Greed works. Greed clarifies and cuts through to the essence of the evolutionary spirit.”

 Gordon Gekko (Michael Douglas) Wall Street 1987

ou :

“There is no such thing as a society”

Margaret tatcher

Merchants have no country. The mere spot they stand on does not constitute so strong an attachment as that from which they draw their gains.
Thomas Jefferson

Onde antes a economia era definida como uma “filosofia moral”, depois foi sabotada e subvertida para ser operada a transformação em individualismo extremo.

As tentativas constantes das elites neoliberais e das remoras  que com eles viajam de apagar o passado ou omiti-lo visam fazer esquecer dois mil anos de filosofia e moral, que insistiram em comportamentos de auto controlo, generosidade, tratar dos fracos e dos pobres. Filósofos, movimentos religiosos, igrejas, regimes políticos, dinastias instituíram regras que limitavam a indiferença luxuosa emanada das elites.

Actualmente pretendem estas elites apagar o passado para que este seja excluído do espaço público e da conversa social e se desconheça qual o legado civilizacional.

O objectivo é a sua substituição por uma nova filosofia de teor revolucionário chamada neoliberalismo.

Promover a inversão da atitude moral de repulsa pelas atitudes descontroladas e sem limites que os credores e quem tem poder (muitas vezes um destes estados confunde-se com outro e são ambos o mesmo…) , é o objectivo e é um objectivo contra o resto da sociedade.

Isto fundamenta a luta que as modernas elites financeiras fazem contra as restrições feitas por governos democráticos que lhes pretendam limitar a sua obtenção de riqueza. As elites financeiras recusam a taxação progressiva e forçam “flat taxes”, recusam perdões de divida e tentam retirar o controlo democrático dos governos eleitos que ainda existe sobre as velhas elites rurais recicladas em capitalistas financeiros ou industriais ou os grandes hub´s bancários com as adjacências offshore.

São pequenos em numero estes grupos de interesses investidos na aquisição de mais poder e maior lucro, mas detém muito poder e escondem-se nas sombras.

Declinam sempre exercer o poder directamente, mas exigem receber os frutos derivados da influencia que exercem por detrás dos bastidores. Não tendo legitimidade nem autoridade formal, nem apoio visível na população pela sombra movem-se subvertendo.

O tempo presente tem que ser – para estas correntes de erradicação da história – extremamente censurado. O passado tem que ser reescrito, com a nova história que elas próprias criaram e que é falsa.

Irão falhar.

Dividas e o seu pagamento – 1

Win or lose, though, begging for scraps at the tables of the rich is a sucker’s game.  In social change as in every other aspect of life, who pays the piper calls the tune, and the rich—who benefit more than anyone else from business as usual—can be counted on to defend their interest by funding only those activities that don’t seriously threaten the continuation of business as usual. Successful movements for social change start by taking effective action with the resources they can muster by themselves, and build their own funding base by attracting people who believe in their mission strongly enough to help pay for it

John Michael Greer

⊗⊗

Em 380 A.C, Platão descreve no livro I da sua obra “A república”, um diálogo onde participa Sócrates e debate inicialmente com Céfalo e Polemarco (filho de Céfalo) qual deve ser a moralidade aplicável ao pagamento de dividas.

Céfalo, um mercador e herdeiro de terceira geração define qual é a linha de pensamento típica e a ética dos mercadores no que diz respeito a este assunto: que é justo e correcto pagar a divida que se tem ou o reembolso do empréstimo que se fez.

Sócrates contra argumenta:

Se alguém recebesse armas de um amigo em perfeito juízo, e este, tomado de loucura, lhas reclamasse, toda a gente diria que não se lhe deviam entregar, e que não seria injusto restituir-lhe, nem tão pouco consentir em dizer toda a verdade a um homem nesse estado…”

Fornecer armas a um homem que endoideceu (por analogia: um repagamento de uma divida…) e que caso as usasse no estado de loucura em que está, as consequências não serão nem correctas nem justas. (o devedor ficar sem nada, passando a viver na indigência…)

Na realidade, quer Sócrates com isto dizer que existem excepções aos repagamentos de dividas e essas excepções devem ser aplicadas e devem ser transformadas em lei numa sociedade justa.

(Numa nota lateral, e especulativamente, deveremos suspeitar que a hostilidade dos adeptos e claques de apoio ao neoliberalismo e ao capitalismo selvagem aos filósofos; radicam em posicionamentos como este; acaso os neoliberais conheçam os filósofos e saibam quem são ou quem foram.)

Debt-Bonds jpg

“Debt is a mistake between lender and borrower, and both should suffer. ” Nassim Nicholas Taleb

O primeiro argumento explanado por Sócrates acerca do repagamento de dividas não dever ser feito em todas as circunstancias não é o argumento primário aqui.

Existe um sub argumento baseado numa lógica de micro moralidade – este; e existe um sub argumento de macro moralidade ou macro estrutura da sociedade implícito na analise.

Que é o seguinte: como é que obrigar devedores que estão impossibilitados de repagar más dividas/divida tóxica) afecta toda a sociedade?

Parafraseando a ideia de Sócrates: se um doido tem intenções de cometer assassínio e provocar o caos, devolver-lhe a arma que o possibilita fazer tal irá facilitar o seu cometimento de mais actos injustos e as consequências serão mais sofrimento ou mais mortes nos que forem as suas vitimas.

Significa que de um ponto de vista de justiça, a moralidade de repagar todas as dividas falha em significar que justiça esteja a ser feita, porque as consequências gerais e estruturais para uma dada sociedade tem que ser levadas TODAS em conta e não só aquelas que interessam à micro moralidade do credor….

Uma “analise custo beneficio” tem que ser feita relacionada com o que a sociedade ganha com isto e o que perde.

Oligarcas e mercadores; os que propõem uma forma musculada de fazer as coisas tem feito força – continuadamente – favorecendo as “soluções” que foram aplicadas recentemente aos países europeus com este tipo de problemas de divida e à forma de resolver a recente crise infindável…, enquanto não manufacturam outra nova crise infindável para justificar ainda mais a imposição deste modelo teocrático financeiro de resolução de problemas.

E de imposição de mais injustiça selectiva como forma de condicionamento de partes significativa da sociedade onde isto aconteça.

Utilizam um sub argumento escondido. No óptica oligárquica-mercadora defende-se que deve ser salvo; primeiro,os interesses dos credores ricos – a sua salvação de perdas financeiras, em muitos casos por si mesmos criadas.

Defende-se a primazia que seja (1) a moralidade de que todas as dividas devam ser repagadas vs (2) a economia real e a sociedade estrutural em toda a sua extensão, com os problemas de desemprego, emigração e miséria levando à emigração, piores condições de saúde e de vida para a generalidade da população e menor tempo de vida que resultem da aplicação da forma musculada de fazer as coisas – a prevalecer.

Estas duas lógicas confrontam-se, mas o que está em causa verdadeiramente é o comportamento abusivo, egoísta, criminoso, ganancioso dos credores que criaram uma * narrativa e uma prática que os isenta de responsabilidades, passando-as para os devedores na sua inteira totalidade.

*… by funding only those activities that don’t seriously threaten the continuation of business as usual. …

(continua)

Como a opus dei chegou onde queria chegar (à Cgd) e os partidos políticos portugueses permitiram

Em Portugal, quem é colocado fora do acesso aos benefícios do sistema político, social e económico português tem uma identidade. Essa identidade económica, política e social e partilhada com todos os outros membros da sociedade que estão na mesma situação, quer pareçam ser pessoas colocadas num patamar económico acima, quer não o sejam efectivamente.

O desempregado branco dos subúrbios, o exilado rural que vive perto da indigência na província, o precário urbano que coexiste entre apelos pueris que o fazem pensar que é pós moderno e o desemprego de recibo verde mascarado de emprego dinâmico e moderno estão todos no mesmo barco.

A profissão liberal ou publica na área tecnica como o professor ou o médio quadro bancário estão todos no mesmo barco. O trabalhador emigrante indocumentado e o emigrante documentado oriundo de locais bizarros também está no mesmo barco.

Julgam que não, mas estão.

Importante: as elites de poder portuguesas investem muito tempo e dinheiro a mascarar e iludir estas pessoas e os problemas sociais políticos e económicos que existem.

Importante: uma certa forma peculiar de corrupção é mantida e aperfeiçoada pelas elites de poder portuguesas, que investem no controlo de muitas pessoas feito por um numero relativo de poucas pessoas.

Importante:  esta milícia de tipo casta é perigosa para todos e altamente corrosiva.

Importante: deve-se evitar deixar chegar estas pessoas a lugares de poder e responsabilidade, especialmente na esfera pública.

Na caixa geral de depósitos, banco 100% público os partidos políticos chamados PSD e CDS – meras extensões da oligarquia corrupta e decadente que queima lentamente Portugal, apostaram na política de terra queimada.

Lamentavelmente quem diz que se lhes opunha favoreceu isso.

Colocados perante a oportunidade de quebrar o controlo, nada fizeram.

opus-dei-efficient-machine

Quando no governo, (2011-2015) o PSD e o CDS permitiram que existisse uma política de desvalorização do banco, com o objectivo de:

a) baixar o preço para o potencial comprador;

b) justificar privatizar;

Quando comprasse, o potencial comprador herdaria o direito de cobrar os créditos que a Caixa tem sobre dividas de terceiros.

O Estado português tem mais de 100 mil milhões de euros em dividas à CGD.(*)

2016-12-04-15_44_25-demonocracy-info-european-superhighway-of-debt

( * dados da infografia correspondem ao ano de 2013. )

Quem comprasse, mal o fizesse iria exercer o seu direito a cobrar.

Um justificação perfeita para um governo em funções ( um governo PSD-CDS…) justificar cortes de despesa pública e aumentos de impostos.

Em 2015 a paisagem do cenário mudou (o cenário é o mesmo, infelizmente…) e uma nova experiência política começou a governar.

Esta definiu que:

a) era necessário recapitalizar a CGD;

b) sanear as contas do banco e admitir perdas;

c) racionalizar a gestão (despedir pessoas) e fazer com que o banco voltasse a financiar empresas e particulares, dado que a ” boa gestão” dos privados feita em anos passados nos seus próprios bancos resultou em estarem impossibilitados de fazer tal… actualmente…

Os representantes dos oligarcas (PSD-CDS) perceberam o perigo. E movimentam-se para impedir que a recapitalização da caixa (4 mil milhões de euros), que serviriam na sua grande parte para por dinheiro a circular e reactivar a economia especialmente nas pequenas e medias empresa fosse parada.

Sabem que se isso arranca, não voltam a chegar ao poder antes de 10,12 anos.

Isto é patriotismo de alto coturno.

Inicia-se o bloqueio, sobre a nova administração. Contando com a preciosa ajuda de todos os partidos incluindo o que está no governo.

Qual a solução, se a administração não fosse empossada como veio a suceder?

Uma nova administração inatacável.

E recusa-se ou não se sabe, arranjar uma administração inatacável.

Do outro lado, manipula-se através dos seus lacaios na imprensa para colocar na CGD, um membro da Opus dei.

Parece ser seguro afirmar que este candidato a administrador seria melhor do que aquele que foi actualmente escolhido para a Cgd..

Parece ser seguro afirmar que este candidato a administrador seria melhor do que aquele que foi actualmente escolhido para a CGD…

Com o novo candidato Paulo Macedo os velhos argumentos de que:

a) o ordenado do gestor principal da casa era demasiado alto

b) tinha destruído o SNS e feito um péssimo trabalho como director geral de impostos;

já não se aplicam.

Vários partidos políticos fizeram uma guerra sobre os rendimentos para afastarem o outro tipo e a solução é … Paulo Macedo…? A solução é  … a Opus dei…?

Um exemplo de uma estratégia negocial imbecil e um termo de comparação.

Mark Blith, economista escocês, deu uma entrevista em que criticava o SNP escocês, o partido que defende a independência da Escócia em relação ao Reino Unido.

Aquando dos resultados do brexit, o SNP queria demarcar-se politicamente dos resultados, porque eram contra os problemas eventuais que a saída da UE iria criar a Escócia pelo facto de a Inglaterra sair.

Mark Blith contrapunha e argumentava que a posição do SNP era “absurda” . Mas eles acham mesmo que ficam melhor com a austeridade do Sr Schauble?

Por contraposição à austeridade dos ingleses?

Um exemplo de uma estratégia negocial imbecil e um termo de comparação.

Fazer uma guerra acerca da nomeação de António Domingues para a CGD e obter a renunciai deste, para ser substituído por Paulo Macedo, membros da Opus dei é melhor…?

A apresentação de rendimentos e o alto ordenado do novo gestor da CGD já não constituem condição impeditiva para este ocupar o cargo…?

Mas eles acham mesmo que ficam melhor com o Sr Macedo na CGD….?

2016-12-04-15_43_39-demonocracy-info-european-superhighway-of-debt

Qual o significado real disto?

A maquinaria conhecida como “Geringonça” acabou, no momento em que esta sinistra personagem ocupou o cargo de gestor principal da CGD.

Com esta decisão?!?! o poder de controlar tudo na economia portuguesa foi dado de bandeja à pior organização de oligarcas à qual podia ter sido dada.

Esta decisão tem enormes repercussões e algumas delas são completamente invisíveis. O que o sector Opus dei sempre quis ter foi o controlo do dinheiro e o “controlo da informação” que lhes é providenciado pelo acesso ao que é a informação financeira que a CGD contém.

Mas o Sr Macedo vai congelar o investimento na CGD?

Em vez de congelar o investimento na CGD, o Sr Macedo vai fazer exactamente aquilo que o governo e o os partidos todos querem que seja feito.

Paralelamente vai adquirir toda a informação sobre o que a caixa é; a quem concedeu credito e onde se movimenta comercialmente. Essa informação será do conhecimento da Opus dei e dos seus amigos. Um fotocópia da economia e da sociedade será tirada. Isto virá a facilitar ainda mais o controlo de quem pode vir a ser rico ( os da cor…) e quem não pode.

Mais à frente, os que virão a ser excluídos serão quem é pobre ou quem  recusa alinhar com a corrupção.

Todos colaboraram com isto.  A Irmandade de Nemésis não e a Irmandade não perdoa nem esquece.

E ficaram 27

Apesar das pressões de última hora que foram colocadas sobre os cidadãos do Reino Unido o resultado do referendo sobre a sua permanência na União Europeia foi um “não”. As elites locais mediram muito mal o grau de agastamento das populações, daqueles que há pelo menos duas décadas têm visto as suas vidas piorar de ano para ano. A segurança laboral foi-se, os salários reais fora do sector financeiro encontram-se estagnados ou em baixa, o acesso à habitação nas grandes áreas metropolitanas é quase impossível, a educação superior tornou-se um luxo incomportável para muitas famílias e o sentimento de estarem abandonados dentro da sua própria comunidade tornou-se insuportável para muitos. E tudo isto pesou no voto. Pode-se argumentar que muitas destas questões derivam de como as autoridades nacionais e locais lidaram com as situações e que não reflectem qualquer má fé por parte da União Europeia. E em parte teriam razão. Mas apenas em parte. A lógica de especialização que está subjacente à globalização e em especial à organização económica da União Europeia quando não precipitou grande parte destes problemas pelo menos acelerou-os. Não se pode dentro de uma mesma unidade nacional manter duas realidades sociais paralelas em oposição – a das elites em que tudo é reluzente, há luxo, cuidados de saúde de primeira qualidade e acesso a tudo o que se possa desejar e a da maioria que é cada vez mais esquálida, decadente e excluída. A Europa tem sido surda aos dois mundos que estava a criar em cada país e pagou um preço por isso.

"Governments, if they endure, always tend increasingly toward aristocratic forms. No government in history has been known to evade this pattern. And as the aristocracy develops, government tends more and more to act exclusively in the interests of the ruling class -- whether that class be hereditary royalty, oligarchs of financial empires, or entrenched bureaucracy" - Frank Herbert

“Governments, if they endure, always tend increasingly toward aristocratic forms. No government in history has been known to evade this pattern. And as the aristocracy develops, government tends more and more to act exclusively in the interests of the ruling class — whether that class be hereditary royalty, oligarchs of financial empires, or entrenched bureaucracy” – Frank Herbert

E agora? Agora vamos caminhar para um caminho de cada vez maior tensão entre os dois polos de poder restantes no Continente. Uma França enfraquecida por imposições de um modelo económico que é estranho ao seu tecido social contra uma Alemanha hegemónica que quer secundarizar toda a Europa Ocidental e centrar-se nos seus protectorados orientais. Não há competição. Estamos perante o dilema para o qual a Irmandade de Némesis tem vindo a avisar há já algum tempo: ou teremos uma GrossDeutschland de realpolitik e esmagamento de toda a periferia Europeia ou iremos assistir ao colapso do todo o projecto Europeu à medida que mais membros saírem de livre vontade ou forçados pelas circunstâncias.

"I am not a man who believes that we Germans bled and conquered thirty years ago...in order to be pushed to one side when great international decisions call to be made. If that were to happen, the place of Germany as a world power would be gone for ever, and I am not prepared to let that happen. It is my duty and privilege to employ to this end without hesitation the most appropriate and, if need be, the sharper methods. " - Kaiser Guilherme II

“I am not a man who believes that we Germans bled and conquered thirty years ago…in order to be pushed to one side when great international decisions call to be made. If that were to happen, the place of Germany as a world power would be gone for ever, and I am not prepared to let that happen. It is my duty and privilege to employ to this end without hesitation the most appropriate and, if need be, the sharper methods. ” – Kaiser Guilherme II

É preciso ter noção que o jogo de poder a nível continental mudou a vários níveis. Em primeiro lugar irão cada vez mais aparecer disputas regionais que usarão a desculpa da pertença à UE como arma nas suas lutas independentistas (veja-se a Escócia, Catalunha, País Basco…) – isto vai ameaçar directamente a integridade territorial de muitos estados Europeus (e parte da culpa está também numa Europa “das regiões” que sempre incentivou a regionalização e maior poder local). Em segundo lugar, sendo a Alemanha o poder que rege todo o projecto é inevitável uma deriva oriental – para o que a Alemanha sempre considerou a sua área natural de influência e privilégio, deixando o Ocidente abandonado na posição de pedinte na corte Imperial Prussiana. E em terceiro lugar é preciso notar que foi aberto um precedente. Mais países irão, mais tarde ou mais cedo, ameaçar seguir o exemplo Britânico na expectativa de secessão ou simplesmente para conseguir acordos muito mais vantajosos – A Grécia irá usar o fantasma da desagregação para tentar sacudir o colonialismo financeiro, a Espanha será tentada a fazer ameaças nesse sentido se a União não der mostras claras de não reconhecer possíveis repúblicas independentistas, França e Itália irão tentar usar isto para relocalizar o poder mais a Ocidente e reduzir o peso das suas colossais dívidas. Quanto mais ameaças de saída existirem (quer se concretizem ou não) mais frágil todo o edifício se torna.

"As pessoas sabem o que querem porque sabem o que os outros querem" - Theodor Adorno

“As pessoas sabem o que querem porque sabem o que os outros querem” – Theodor Adorno

E Portugal como fica? Fica na mesma. Convém notar que Portugal é uma nação muito especial no sentido das suas elites não se reconhecerem nela, nem aliarem os seus interesses a um projecto comum. Assim vivemos num mundo de senhores mais ou menos feudais que só querem mesmo manter a sua coutada sem serem incomodados – politicamente isto traduz-se numa ausência total de desígnio nacional. O único projecto que existe é a Europa. Se esta começar a vacilar vai existir pânico e medo entre as lideranças políticas, económicas e sociais. Se a isso somarmos uma possível intransigência crescente por parte da Alemanha isto pode dar origem a um fenómeno de grande dissonância entre elites e subjugados, com as primeiras a defenderem o declínio nacional como preço de pertença à comunidade e os segundos a defenderem tudo menos isso à medida que se afogam num mar de dificuldades cada vez maior.

Némesis

Para quem vir o mesmo que nós, fica o convite da Irmandade de Némesis a não ficar quieto: não se resigne a ser um fantoche nas mãos de outros.

Os mentirosos são um exército internacional e Portugal tem a sua filial

Plunderers of the world, when nothing remains on the lands to which they have laid waste by wanton thievery, they search out across the seas. The wealth of another region excites their greed; and if it is weak, their lust for power as well.   Nothing from the rising to the setting of the sun is enough for them. Among all others only they are compelled to attack the poor as well as the rich. Robbery, rape, and slaughter they falsely call empire; and where they make a desert, they call it peace.”

Tacitus, Agricola

     "We run carelessly to the precipice, after we have put up a façade to prevent ourselves from seeing it.”     Blaise Pascal


“We run carelessly to the precipice, after we have put up a façade to prevent ourselves from seeing it.”
Blaise Pascal

Os mentirosos são um exército internacional.

A capacidade de internacionalizarem a mentira motiva-os para a promoção da expansão  das sucursais de mentirosos em vários países. Os ganhos de eficácia dessa opção permitem o alastrar da corrupção e da mentira financeira e económica e adicionalmente proporcionam  o enraizamento de alavancas regionais de poder.

Mesmo os pardieiros suburbanos periféricos europeus, como Portugal, são considerados como “aptos” a terem cá uma sucursal de pequenos mentirosos – a elite de pretores locais – que propaga a mentira, dissemina a injustiça, corrompe os pontos débeis do sistema político e social e destrói o valor destes.

Nos últimos 4 anos (2011-2015) a sucursal do pequeno exército de mentirosos de nacionalidade portuguesa, (mas só nisso tem nacionalidade portuguesa, dado que os chacais declinam nacionalidades) tem roubado ou promovido o roubo, destruído ou promovido a destruição, anarquizado este país de forma violenta e brutal.

Os custos estratégicos desta aventura neoliberal/neocleptocrata patrocinados localmente e directamente pela tribo da direita política e indirectamente pelas omissões constantes e “olhar para o lado” por parte da tribo da esquerda política são ainda maiores do que os custos sociais e económicos.

O pardieiro que dá pelo nome de Portugal foi declarado “no man´s land”, num qualquer laboratório de experiências sociais e económicas, e a política de terra queimada seguida tem mesmo como objectivo incapacitar de forma permanente este local.

É um “Trial run” oligárquico-internacional para verificar e monitorizar como se pode subverter e destruir um pequeno pardieiro periférico europeu e se isso gera reação oposta, de quem e de que tipo e por que meios.

Os aliados locais estrategicamente colocados no terreno, fazem o seu trabalho. Um conjunto geneticamente selecionado de traidores oriundos das classes sociais consideradas e declaradas como sendo as “certas” ajuda a promover esta agenda.

Isto é guerra de classe promovida contra a generalidade da população.

Existem enganos de apreciação sobre este assunto e condescendência nacional porreira sobre isto.

Os membros da Irmandade de Némesis recusam estar no negócio do nacional porreirismo e declinam a condescendência.

O leitor que ainda está ai, vive mesmo convencido que o radicalismo da linguagem deste texto e a dureza da mesma são desproporcionais em relação ao que se passa e passou nos últimos 4 anos?

Lamento escrever assim, mas está em negação. A seriedade da situação obriga a concluir que não vai ser o pensamento mágico dos mantras do crescimento exponencial prometido que virá a resolver problemas.

Apenas os conglomerados bancários verão os seus específicos problemas resolvidos, nunca a população.

A injustiça é irreparável dentro das regras deste sistema.

Pontos de não retorno foram quebrados.

O pequeno exercito de mentirosos locais formalmente de nacionalidade portuguesa tem apoiado tudo o que os overlords lhes prometem pagar em benefícios (imaginários) mais a frente.

Enquanto sociedade estaremos mesmo interessados em ajudar a promover interesses comerciais de conglomerados bancários aliados aos desejos gananciosos dos pequenos mentirosos das sucursais locais para nosso desfavor?

“One of the necessary accompaniments of capitalism in a democracy is political corruption.”

Upton Sinclair

realidade - coincidencia
As guerras à discrição e discricionárias promovidas pelas elites ocidentais são constantemente apoiadas de facto ou simbolicamente pelas elites de poder portuguesas, e pelos meios de comunicação social a soldo, sem que exista qualquer razão válida geo estratégica ou outra que o justifique. (a pequena sucursal de província, o pardieiro congelado no espaço e no tempo, segue acríticamente as ordens da sede mãe, até ao dia em que a sede mãe mandar fechar as portas da pequena sucursal de província…abandonando-a a sua sorte…)

Isto chama-se vassalagem.

A população nunca autorizou a que se falasse em seu nome para que esta aceitasse estes acordos de vassalagem. Estes ou outros.

Isto deve ser claramente afirmado!

Tratados secretos negociados em sítios escondidos por pessoas sem rosto são omitidos da discussão e debate públicos em Portugal, sem que as tribos políticas da esquerda e da direita se dignem a ficar incomodadas. (A situação é boa para ambas as partes, que assim podem brincar aos tratados de Tordesilhas tendo como objecto a dividir – a população portuguesa)

Compreende-se, se quisermos compreender…

Isto chama-se traição.

O acordo tácito é simples: será talvez melhor que não se fale destes assuntos, não vá dar-se o caso de a generalidade da população começar a perceber que está a ser traída da forma mais abjecta possível e verifique que os seus filhos e netos foram entregues para abate e venda no futuro mercado de gado para humanos…

 

Isto chama-se pulhice.

tratado tordesilhas - enclave

Duas correntes políticas supostamente opostas concordam com futuras formas de opressão a serem exercidas sobre a população e consideram que são donos da população e dos votos que esta deposita nas urnas.

Isto chama-se conluio para obter resultado pré determinado e favorável.

Bolhas gigantes especulativas assentes na criação artificial de papel moeda ou na manufacturação de bolhas especulativas nos mercados imobiliários e financeiros são saudadas como sendo “a recuperação da economia”, o “ crescimento” e a “criação de emprego”.

Hossanas na alturas. A bem da nação. Promulgue-se.

Nestas brincadeiras financeiras mascaradas de keynesinismo benigno são inexistentes quaisquer formas de crescimento verdadeiro, equiparado a crescimento real de coisas tangíveis, mas que importa?

O verdadeiro objectivo é manter a ilusão sobre os portugueses, que, de resto, vão atrás da onda e nem percebem que a onda está a formar uma nova tempestade maior que os vai afogar…

Basta reparar que, no mês de maio de 2015, a publicidade comercial oferecendo crédito ao consumo, ou crédito à habitação, ou a compra de novo carro está ai em força.

O lento aumento (totalmente artificial) do preço de casas de habitação e terrenos, demonstram que o circo da bolha especulativa chegou de novo à cidade sem que existam quaisquer fundamentais económicos que demonstrem que há mercado (isto é, consumidores reais com poder de compra real) que possam entrar de novo neste carrossel com capacidade de pagarem.

Entretanto, o valor real dos bens é desvalorizado, permitindo a quem tem capital, adquirido a juro baixo ou inexistente (juro zero ou próximo) a aquisição de bens por preços artificialmente baixos.

O controlo que dai advém sobre a população é óbvio.

Isto chama-se pulhice financeira.

carta monopolio 3- enclave

Mercados financeiros ou outros armadilhados para que os mesmos que os armadilham (os insiders) sejam sempre os vencedores.

Nestas ocasiões as cartilhas retóricas das tribos da esquerda política e da direita política entram em menopausa sabática.

Responsabilidades sobre capitalistas que causaram danos ao sistema são inexistentes. O menu “a la carte” para atribuir culpas é utilizado mediante os princípios do momento.

Como disse alguém famoso: eu tenho princípios, mas se não gostar dos que tenho,  arranjo outros.

Isto chama-se compadrio consciente e deliberado para criar uma nova geração de vitimas financeiras de um sistema pré viciado.

E aumentar sempre a dependência da população.

Quando os problemas, por mero acaso ou HUBRIS - CEREBRO - HALTEREShubris, emergem ou já não podem ser mais escondidos, perdões de divida simpáticos desenhados por políticos ou juízes amigos para ilibar de problemas uma certa classe social e económica que parasita desde o inicio dos tempos surgem como coelhos da cartola de um qualquer mágico.

Se a percepção da população sobre os perdões de divida simpáticos for negativa; a população é atacada e condicionada na sua cidadania e na formação das suas opiniões.

Surge o discurso judaico –  cristão da penitencia e da culpa para a população e o discurso “ foi azar, os mercados não foram favoráveis ” para justificar os perdões de divida simpáticos para os amigos e protegidos.

Outra forma usada de penitencia sadomasoquista é a exigência feroz de austeridade “publica”, ad eternum, e paga pelo público…

Isto chama-se filosofia da expiação dos pecados próprios, dos outros e da Humanidade sem tempo temporalmente definido para terminar.

Isto chama-se “divida de gratidão eterna” nunca reembolsável e apenas existente para criar dependências entre uma maioria de pessoas para com uma minoria de pessoas.

Isto chama-se psicopatia e quanto mais cedo percebermos que há psicopatas em lugares de poder, melhor será, para assim nos livrarmos deles mais rápido.

Esta dependência é ilegítima. Para escrever o mínimo.

Venda de bens públicos para supostamente pagar dividas ilegítimas criadas com base num sistema demencial e ré subvertido e assim desarmar a população constituem outro ataque feroz à autonomia individual e colectiva do pardieiro local, patrocinada pela sucursal local dos exércitos de mentirosos.

Devemos deixar que traidores locais nos entreguem para abate,libertando-se a si próprios de culpas?

O leitor que ainda está ai, está mesmo convencido que o radicalismo da linguagem e a dureza da mesma são desproporcionais em relação ao que se passa e passou nos últimos 4 anos?

exercito mentirosos locais - enclave

O negócio dos cleptocratas oligáquicos, do exército de mentirosos, dos cortesãos associados é simples e é um ataque extremamente hostil contra a população portuguesa.

Quem é rico ou tem poder ou ambos, cria divida e não a paga.

Quem é pobre ou de classe média (a que ainda existe) paga a sua parte das dividas e a parte de quem é rico, num acordo imposto com base na chantagem social, na intimidação, na coaçcão a uma população que é traída e na sua grande maioria recusa perceber que foi traída.

Esta é a política económica da pilhagem e da transferência de riqueza de quem menos tem para quem mais tem.

Querem criar um deserto e chamar-lhe paz.

Nos cemitérios há paz.

A Irmandade de Némesis nunca morre!

“One of the necessary accompaniments of capitalism in a democracy is political corruption.”
― Upton Sinclair

Pessoas sem dividas: os piores inimigos da tirania e do Status Quo

 Umberto Calvini: [In explaining the “true” nature of banking in the world] The IBBC is a bank. Their objective isn’t to control the conflict, it’s to control the debt that the conflict produces. You see, the real value of a conflict, the true value, is in the debt that it creates. You control the debt, you control everything. You find this upsetting, yes? But this is the very essence of the banking industry, to make us all, whether we be nations or individuals, slaves to debt. 

A maquina de criação de conflitos artificiais assentes em pressupostos sociais e económicos requer que os cidadãos sejam escravos de dividas.

Consequentemente, qualquer cidadão que recuse ter dividas, isto é, que tenha uma política de convicções pessoais assente nesse principio, independentemente do sacrifício pessoal ou familiar que tenha que sofrer, faz com que, através dessa atitude, toda a maquina de criação de divida passe fome.

Ficam impossibilitados de controlar a divida e de controlarem tudo a ela associado.

Queremos mesmo, enquanto sociedade, permitir que forças sinistras criem conflitos para melhor controlarem a divida dai resultante e depois oprimirem-nos?

Inversamente, qualquer cidadão que tenha dividas, está a alimentar a maquina de criação de divida e a ser por ela controlado. Os seus direitos cívicos e políticos são postos em causa e negados. O controlo exercido sobre uma percentagem de cidadãos limita indiretamente a liberdade dos outros cidadãos que não estão debaixo de divida.

Todos perdem.

Queremos mesmo, enquanto sociedade, permitir que forças sinistras promovam a divisão social e económica, atacando a democracia, e neguem “por associação” de quem não tem divida a quem tem divida; os direitos de todos os cidadãos?

O cidadão que recusa ter dividas, esse “Ser estranho e inquietante”, segundo o paradigma vigente considera a divida como algo que nunca quer ter, ou caso a tenha,(hipoteca de casa onde vive, por exemplo) pensa sempre nela como um pequeno mal necessário.

A ser reembolsado  o mais rapidamente possível e com a menor transferência de dinheiro em penalizações (juros) possível para as entidades parasitas, as mesmas que tem trabalhado para organizar a sociedade desta forma iníqua.

Os cidadãos livres de dividas são criados pelas seguintes condições.

Razões culturais e familiares – pessoas cujos valores culturais e familiares abominam a ideia de pedir dinheiro emprestado e pagar juros de divida.
Razões de memoria e historia pessoal – pessoas que no passado já pediram dinheiro e ficaram negativamente marcados pela experiência que juraram nunca mais repetir.
Razões ideológicas – pessoas que encaram a divida como um instrumento opressivo, que favorece o atual status quo económico e social iníquo, interpretam a situação percebendo que a cultura de lançamento de créditos (divida) sobre a sociedade é uma arma camuflada de repressão e de opressão, de controlo e de exploração.
Razões de aquisição patrimonial e zero risco – pessoas que percebem que pagar divida e deixar de ter divida é a forma mais fácil de ganhar uma vida de zero risco financeiro e obter  retorno financeiro com o próprio dinheiro.

“[Credit is a system whereby] a person who can't pay, gets another person who can't pay, to guarantee that he can pay.” ― Charles Dickens, Little Dorrit

“[Credit is a system whereby] a person who can’t pay, gets another person who can’t pay, to guarantee that he can pay.”
― Charles Dickens, Little Dorrit

Quando paga 12% de juros pelo simples uso de um cartão de crédito ” oferecido” (o presente envenenado) por uma entidade financeira isso constitui o equivalente a que 12% do seu rendimento seja desviado para alimentar os parasitas do sistema e do status quo.

(Note-se, aliás, que há uns anos atrás, a taxa de juro era de mais de 30% e nunca se podia baixar, porque, garantiam os ” especialistas” que louvam este sistema, só assim se poderia cobrir os custos e gerar lucros. Com a recente crise o nível da parasitagem baixou,mas continua a existir).

Então, coloca-se a questão.

Porque é que os cidadãos livres de dividas não são louvados como exemplo a seguir?

Apresentar cidadãos sem dividas como sendo bons exemplos e como o comportamento a seguir, corta o “fluxo“ de bons relacionamentos entre a imprensa financeira mainstream e corta os lucros de toda esta gente.

Existem muitas canetas de aluguer à solta, muitos ventríloquos a fazer eco das mensagens que lhes são pagas, em géneros ou em dinheiro, que louvam os benefícios de se pedir dinheiro emprestado.

Dito de outra forma.

Como podem os bancos comerciais e outros parasitas financeiros fazer dinheiro com quem não pede empréstimos?

Não podem.

Esse é um dos problemas centrais por detrás da exigência absurda de que se mantenham as teorias da austeridade a funcionar – com o correspondente serviço de divida

O atual sistema, o status quo que está em vigor é mantido contra todas as razões lógicas para tal, mas para ser mantido tem que viver da divida extraída dos servos da divida  estes são na sua quase generalidade os cidadãos.

Os lucros da manutenção deste sistema parasítico e absurdo são posteriormente reciclados e reentram no sistema para beneficio ilegítimo dos próprios e aumento do seu poder e riqueza, e servem, adicionalmente, para pagar aos micro exércitos de lacaios  e sequazes – a comunicação social, academias e Universidades e demais lacaios que argumentam e defendem o reforço do poder dos bancos e dos derivados tóxicos deles.

Acaso se fale em reestruturar a divida. Em deixar de pagar, em mudar o sistema. Quer-se mesmo fazer isso?

Admitamos que sim, que a generalidade das pessoas quer fazer isso.

Uma das soluções poderosas para o fazer é ficar fora do esquema de dividas. Não pedir dinheiro emprestado e pagar as dividas que se tenha o mais depressa possível.

Em Portugal, as tribos políticas da esquerda e da direita, nunca falam deste assunto.

Retire-se conclusões em relação ao porquê desta “omissão”…

“In fact this is precisely the logic on which the Bank of England—the first successful modern central bank—was originally founded. In 1694, a consortium of English bankers made a loan of £1,200,000 to the king. In return they received a royal monopoly on the issuance of banknotes. What this meant in practice was they had the right to advance IOUs for a portion of the money the king now owed them to any inhabitant of the kingdom willing to borrow from them, or willing to deposit their own money in the bank—in effect, to circulate or “monetize” the newly created royal debt. This was a great deal for the bankers (they got to charge the king 8 percent annual interest for the original loan and simultaneously charge interest on the same money to the clients who borrowed it) , but it only worked as long as the original loan remained outstanding. To this day, this loan has never been paid back. It cannot be. If it ever were, the entire monetary system of Great Britain would cease to exist.”
David Graeber, Debt: The First 5,000 Years

O neo feudalismo neoliberal

A elite de poder portuguesa, entendida em sentido depreciativo, vive erradamente convencida que a ordem social depende da existência de classes sociais privilegiadas que auto definem essa mesma ordem e que mantém pela força e pela coação essa mesma ordem.

A elite de poder portuguesa, durante várias centenas de anos, tem assombrado este país com estes conceitos absurdos cuja legitimidade democrática é inexistente.

Tentou sempre impo-los  através do uso de força despótica direta ou através de manobras encobertas, visando, por um lado, aumentar o seu poder, e por outro, impregnar de  totalitarismo larvar e seminal toda a população, corrompe-la.

Se nas ordens sociais mais baixas existir “contaminação” pelos conceitos absurdos – as doenças que a elite de poder tem e despeja sobre a população – e a essa contaminação se juntarem os defeitos próprios das classes mais baixas temos o insulto e a injuria agregados num único problema mas em tamanho maior e o principal criador desses problemas são as elites de poder portuguesas.

Enquanto sociedade, queremos ter que lidar com menos problemas e menores, ou com mais problemas e maiores?

 Estratégias de Legitimação Organizacional Adaptado dos trabalhos de (Dowling e Pfeffer , 1975; Lindblom, 1994) “If individuals do not occupy their legitimate position, then it will be occupied by a god or a king or a coalition of interest groups. If citizens do not exercise the powers confered by their legitimacy, others will do so.


“If individuals do not occupy their legitimate position, then it will be occupied by a god or a king or a coalition of interest groups. If citizens do not exercise the powers confered by their legitimacy, others will do so.  – John ralston saul

 Esta contaminação tem como objetivo destruir quaisquer valores éticos exteriores àqueles que a elite de poder defende. Nada fora da  fossa séptica onde estão os podres valores próprios das classes sociais, políticas e económicas que constituem as elites de poder portuguesas deve subsistir.

Se algum acaso estranho ditar que alguém se lembre de questionar estas classes de parasitas oriundos da elite de poder, acerca da efetividade dos resultados da aplicação das suas teorias ilegítimas, ou, usando o jargão pseudo neo económico oriundo das diversas seitas e sub seitas dos padres da economia, dos abades da gestão e dos monges do coaching interpessoal que pululam por aí e estão sempre a soldo de alguém ou do bolso de alguém; qual é a “produtividade” e o “ganho de eficiência” pela adoção destas ideias pseudo estratégicas aplicadas ao país e à população do país, o que se verifica é que as supostas elites de poder cá do sitio ficam imbecilizadas e amuam, e nunca respondem à pergunta ou fogem de responder.

Enquanto sociedade, queremos permitir que existam classes sociais, políticas, profissionais, que se auto isentaram de assumir responsabilidades relacionadas com a porcaria que fazem e sobre as quais são inexistentes controlos políticos oriundos da população?

 Heaven cannot brook two suns, nor earth two masters. Alexander the Great

Heaven cannot brook two suns, nor earth two masters.
Alexander the Great

A razão para esta atitude de amuo das elites é simples e divide-se em duas partes.

A primeira é a ideia de responsabilidade/accountability que é uma ideia de controlo que só deve ser aplicada sobre a população, nunca sobre os vermes da suposta esfera superior da sociedade (auto isentam-se através da imposição de poder social, económico e político incontrolado pela população).

A segunda é a ideia de manter as aparências que é uma ideia de controlo das perceções da população que tem sido aplicada, mas cuja densidade e eficaz opacidade começam a ser difíceis de manter.  (A camuflagem que afirma  que esta maneira de fazer as coisas funciona está a dissipar-se e a porcaria começa a ver-se e ela é muita, é muito suja e difícil de limpar.)

A elite de poder portuguesa é estúpida e autocrática, vive auto centrada dentro dos condomínios habitacionais, sociais, políticos e económicos fechados onde se encerrou para evitar misturar-se com a população, não fosse dar-se o caso de a população se chatear a sério e começar a exigir que as formas de ilegitimidade existentes nesta sociedade fossem expostas, primeiro, e eliminadas, depois.

2014-12-12 -4 FORMAS DE LEGITIMIDADE - 2

Começando a perceber que este jogo de manipulação está a ser perdido, a elite social portuguesa decidiu há umas décadas atrás “modernizar-se.

Pedinchou subservientemente junto dos aliados externos do país e equivalentes elites rançosas ocidentais novos conhecimentos de marketing sociológico e político, para estar a “par” com o que se fazia lá fora e para prevenir o fim do sonambulismo cá dentro.

Ironicamente, podemos afirmar que se suspeita que o slogan turístico ” Vá para fora, cá dentro” tenha ramificações nesta forma de ver as coisas….

Indo para fora, para obter conhecimentos para ser cá dentro mais ilegítima e anti democrática a elite portuguesa (no sentido mais depreciativo possível do termo) decidiu, embrenhada que estava no mar de conselhos ilegítimos e subornos intelectuais e/ou em espécie, fazer localmente uma fusão de conceitos.

Ironicamente, podemos afirmar que se suspeita que o slogan vazio de significado” Pensar global, agir local ou vice versa” tenha ramificações nesta forma de ver as coisas…

Qual é a fusão de conceitos anti democráticos e ilegítimos?

Junta-se feudalismo, e faz-se uma “atualização” de uma teoria arcaica com pelo menos 600 anos de idade e decrepita e junta-se isto ao (neo) liberalismo. As piores derivações sociais e políticas de ambos os sistemas estão a ser fundidas e estão a começar a fundir-nos a quase todos.

O que temos atualmente em funcionamento, em Portugal, mas também no ocidente é um magnifico arranjo para alguns ( no sentido mais bordel depreciativo possível que se possa conceber) entre o neo feudalismo e o neo liberalismo, dois escarros ideológicos abjetos.

Qual é a posição semi oficial, meta oficial, pluridisciplinar oficial das tribos da política acerca deste assunto?

Quer a tribo da esquerda política, quer a tribo da direita política tem apoiado, de direito e de facto, por omissão ou gratidão, a implementação dos escarros ideológicos acima descritos com a convicção de obrigatoriedade e a estupidez normalizada que as caracteriza, misturadas com um sabor de corrupção ética muito própria.

Politicamente, dentro destas sub correntes políticas, ou lá o que são…há muitos lacaios com mentalidade de lacaio, há muitas pessoas que  foram compradas, adquiridas e pagas, há exércitos de medíocres narcisistas e ultra egocêntricos, logo e como tal, porque é que a elite de poder portuguesa, como boas marionetas que são de interesses exteriores ao país e à população, não deveriam ter contaminado também as tribos políticas?

The danger is not only that these austerity measures are killing the European economies but also that they threaten the very legitimacy of European democracies – not just directly by threatening the livelihoods of so many people and pushing the economy into a downward spiral, but also indirectly by undermining the legitimacy of the political system through this backdoor rewriting of the social contract.

HA-Joon-Chang

Como o neoliberalismo (ainda) tem – neste momento histórico em que vivemos – a supremacia cultural, vomita hegemonicamente os seus preceitos culturais abjetos.

A crença dos retardados que já foram adquiridos pagos e comprados ou estão na fila para o serem e defendem a imposição disto explica-se da seguinte maneira.

Parece que os mercados “são livres”. Como os mercados são livres quem neles participa também é livre. Nesta historia encantada também parece que a sociedade e a ordem social são livres. Tese – antítese – síntese.

Saindo uma pessoa do abrigo anti nuclear onde se refugiou para não ser esmagado com tanta liberdade, começa a reparar que os retardados  que defendem estas teorias e estão a soldo, esquecem-se sempre de mencionar que os “insiders” que dominam a sociedade “livre” tem – “numa sociedade livre” – acesso a credito, isto é a dinheiro e a informação sobre o que fazer com esse dinheiro, e usam-no para obter mais dinheiro e poder.

Trata-se de um leilão social-económico viciado, onde as regras estão afixadas na entrada: todos podem concorrer ao leilão, mas chega a uma altura que os que tem acesso ao credito fácil, isto é, a serem financiados pela portas de trás deste sistema e como são “insiders” vencerão o leilão.

Os restantes que foram convidados, apenas o foram para servirem de figurantes e perderem e,em paralelo, servirem de validadores oficiais do sistema de liberdade da historia encantada descrita parágrafos acima.

     "We run carelessly to the precipice, after we have put up a façade to prevent ourselves from seeing it.”     Blaise Pascal


“We run carelessly to the precipice, after we have put up a façade to prevent ourselves from seeing it.”
Blaise Pascal

Neste conceito de “mercado falsamente livre”, uns podem obter vantagens totais por trabalharem em plena capacidade ( leverage) e podem assim ultrapassar todos os outros e investir vantajosamente. (deve ser a isto que os padres da economia, os monges da gestão  e os abades do coaching se referem como sendo ” capacidade competitiva…”).

Já os restantes (os outros) que dependem de rendimento que adquiriram (pouparam) para posteriormente o investirem estão e são bloqueados.

A capacidade de quem vive apenas do seu ordenado para adquirir bens que pressuponham rendas – arrendar casa, comprar terra arável, desenvolver projetos agrícolas ou industriais por iniciativa própria tornam-se bloqueios insuperáveis para os ganhadores de ordenado.

Os que vivem de ordenado ou poupanças descobrem estar a concorrer com “os uns” que vivem de terem vantagens totais por conseguirem trabalhar em plena capacidade…

Queremos mesmo viver numa sociedade onde se fala em “mercado e liberdade”, mas onde existem regras ocultas destinadas a favorecer sempre “insiders”; o contrário de liberdade económica?

Big oil, big steel, big agriculture avoid the open marketplace. Big corporations fix prices among themselves and thus drive out of business the small entrepreneur. Also, in their conglomerate form, the huge corporations have begun to challenge the very legitimacy of the state.

gore vidal

 

Os insiders, os lacaios , os associados, as elites tem os mecanismos que lhes permitem aceder a credito, isto é, a dinheiro em quantidades enormes, e esse dinheiro é móvel e incontrolável.

Foram “libertados”  – para usar o jargão neoliberal  – de terem que competir no mercado tal como todos os outros e usam essa adquirida liberdade para prejudicar todo o restante da sociedade.

Vivem colocados numa confortável posição de gestores de monopolios rentistas com rendimentos altos garantidos e poder económico e social indisputado e ilegítimo.

Monopólios rentistas esses cujo rendimento deles obtido não é derivado de qualquer atividade produtiva, mas sim pela arrendamento desses bens a terceiros.

Os terceiros são a população.

2014-12-12 - 4 FORMAS DE LEGITIMIDADE - 1

Quais são as consequências praticas disto?

A economia e a sociedade portuguesas estão a ser “desenvolvidas com o objetivo de controlar a população” e não com o objetivo de desenvolver esta sociedade.

Suponhamos que as elites financeiras começam a açambarcar massivamente todos os bens de que a população necessita. Agua, casas, terrenos, produção. (Algo que tem sucedido em massa desde o ano de 2011, algo que antes sucedia a ritmos menores…)

É  nesse contexto que se inserem os recentes incentivos ao arrendamento de casa e não à posse de habitação própria. Contudo, mesmo em profunda recessão nem sequer os salários baixos conseguem criar um controlo total e permanente desta situação.

Recorre-se a outra solução. Colocar a população em estado de divida permanente. Dessa forma elimina-se a possibilidade de a população se poder autonomizar e, caso o queira, conseguir sobreviver fora da alçada deste sistema.

É a economia de controlo das pessoas, orientada para que as pessoas sirvam as grandes corporações monopolistas e os interesses privados que capturaram o Estado. Acaso alguém saia deste sistema de controlo, é crescentemente atrofiado e bloqueado pela elite de poder e pelos lacaios arregimentados.

Deixou de ser o dinheiro que conta primariamente, mas sim o controlo de bens tangíveis dos quais o acesso a bens essenciais para a vida das pessoas são controlados por corporações.

Se a vida das pessoas for assim controlada e se as pessoas estiverem carregadas de dividas reais ou simbólicas, a população fica em estado de servidão e esses servos estarão demasiado ocupados a servirem o pagamento das dividas que tem, não podendo dessa forma questionarem este arranjo social-económico e não conseguirão resistir-lhe.

O feudalismo implica servidão ao senhor feudal. Agora quer-se o novo feudalismo: a servidão aos interesses corporativos e lacaios associados.

It is easier to resist at the beginning than at the end.” Leonardo Da Vinci

It is easier to resist at the beginning than at the end.”- Leonardo Da Vinci

A única forma de resistência das pessoas nas ordens baixas da sociedade ou de todos os que, não estando nessas ordens baixas abominem, sintam nojo e desprezo pela tirania que emana da elite de poder e dos lacaios arregimentados será através de auto-esforço, previsão, disciplina e planeamento no sentido de se defenderem e aos seus bens deste ataque insidioso feito pelas elites de poder.

O problema está, contudo, no facto de estas características estarem pouco espalhadas pela generalidade da população. Esta tem-se esquecido de quem é, e estas características tem sido algo que tem sido erodido e desgastado na economia de mercado apenas vocacionada para o consumo que glorifica e promove a gratificação instantânea. O curto prazo.

O ” Ser” e a noção de Ser são reduzidas a um ato de consumo. O cidadão é transformado em consumidor,(perdendo direitos nessa alquimia falsa), e depois, como consumidor, é alvo de uma lavagem ao cérebro. É assim colocado numa posição em que nem tem dinheiro, nem os recursos/ferramentas culturais necessárias para adquirir capital tangível e conhecimento/capital social.

A aplicação destas técnicas visando a promoção da glorificação instantânea assegura que o consumidor das ordens baixas da sociedade, (e das medias altas também)  nunca terá hipótese ou os meios de escapar a este ” esquema neofeudal – neoliberal.

Dai ser fundamental para a promoção desta tirania, a existência de uma sociedade onde existe divida baseada no  consumo orientado para a gratificação rápida.

O mecanismo psicológico da sociedade neo feudal – neoliberal pede a validação – só serás cool” (só serás reconhecido como alguém na nova ordem neo feudal – neoliberal) se consumires e te endividares para consumir.

 There is massive propaganda for everyone to consume. Consumption is good for profits and consumption is good for the political establishment. Noam Chomsky


There is massive propaganda for everyone to consume. Consumption is good for profits and consumption is good for the political establishment.
Noam Chomsky

Isto dura até ao próximo ciclo de novos produtos onde o jogo volta de novo a continuar.

É isto que explica por exemplo que estando este país e grande parte da sua população em profunda crise, se continue – nos estabelecimentos legalmente autorizados – a oferecer credito ou formas de credito  a consumidores que já esgotaram o anterior ciclo de produto e não tem sequer capacidade para entrar num novo.

Quando a população/consumidor é incapaz de consumir porque o seu credito dentro deste sistema faleceu, são ” desvalidados ” da sua aptidão para viverem nesta ordem neo feudal – neoliberal.

Os “desvalidados” que ainda tem dinheiro entram no ciclo de produto – psiquiatras-psicólogos-terapeutas – em si mesmo uma forma de consumo, um novo ciclo de produto psicológico, um novo mercado que explica o que se deve fazer para voltar ao sistema de validação do neo feudalismo – neoliberal  e ser reintegrado no novo ciclo de produto.

Alguns dos que não tem, ou encaixam pessoalmente o desaire e pensam em sair deste ciclo, (muito poucas pessoas) ou tornam-se criaturas mais politizadas e protestam ou resignam-se sabotando pela inação.

Outros que não tem, emigram para procurarem novas formas de validação do consumo noutro local para evitarem a fome e a miséria, mas também o desgaste psicológico e a vergonha familiar/de vizinhança que a recente situação de ” desvalidados” lhes trouxe.

Outros dedicam-se ao crime ou a atividades para ilegais.

Como sociedade, queremos mesmo ser escravos dos desvios psicopatas das elites de poder?

Como sociedade, queremos mesmo viver debaixo de um dualismo ilegitimo e anti democrático simbolizado pelo neo feudalismo – neo liberalismo?

A Irmandade de Némesis diz que não.

O novo normal

O mundo muda rapidamente e nas últimas décadas o processo parece estar em aceleração. Não porque o prometido mundo híper tecnológico nos tenha aberto novas portas mas precisamente porque falhou em cumprir as suas promessas de um futuro melhor. Qualquer pessoa que fosse um adulto nos anos 70 quase não consegue reconhecer a dimensão das mudanças ou dos problemas que parece que se multiplicam diariamente. Tais pessoas têm a tendência de ficar presas a modos de percepção e pensamento que já não coincidem com o mundo em que vivem, habitam em grande parte no passado apesar dos seus corpos estarem no presente.

“Construímos estátuas de neve e choramos ao ver que derretem” – Walter Scott

“Construímos estátuas de neve e choramos ao ver que derretem” – Walter Scott

Os fenómenos eleitorais no mundo ocidental (e falo deste canto do globo porque a) é onde vivemos e b) grande parte do resto mundo nunca chegou a ter democracias reais) têm-se degredado com o passar dos anos. Isto é mais visível nas taxas de abstenção crescentes em todos os países – ou seja, não se trata de algo isolado ou dependente de condições locais. É fácil para os comentadores integrados no sistema ignorarem esta situação limitando-se a falar de um desinteresse por parte dos cidadãos face à política. Assim arrumam o assunto e responsabilizam o eleitor por qualquer falha que apareça no funcionamento das instituições. Mas, como sempre, a realidade é mais complicada. Não só o interesse pela vida política está a desaparecer como as próprias lealdades daqueles que ainda votam estão a tornar-se mais voláteis. Criando padrões de governo cada vez mais erráticos e sem estratégia de longo prazo.

“A fé pode ser definida, em resumo, como uma crença ilógica na ocorrência do improvável” – Henry Mencken

“A fé pode ser definida, em resumo, como uma crença ilógica na ocorrência do improvável” – Henry Mencken

As instituições Europeias (e alguns dos principais países da União) têm estado muito atentas a este fenómeno sendo que na década de 90 chegaram a uma decisão final. Não iriam ficar dependentes de qualquer ordem política que pudesse emergir deste caos. Foram cortando os vários elos que as ligavam a uma legitimidade democrática e investiram na criação de um novo mito. O do perito. Consequentemente as suas decisões têm-se revestido cada vez mais de um carácter teoricamente “neutro” e técnico, de forma a poder afirmar a independência e validade seja qual for o resultado do caos democrático. Os que tiverem uma memória um pouco mais longa que a maioria conseguirão com certeza lembrar-se de debates de há uma década atrás em que desesperadamente se queria colmatar o défice democrático da União Europeia. Face a estes novos desenvolvimentos é fácil perceber que as instituições da UE não estavam verdadeiramente empenhadas na questão. Estavam apenas a comprar tempo. Enquanto os debates se arrastavam dentro e entre nações a UE já estava a restruturar a sua organização segundo um novo critério, o de uma suposta tecnocracia. Quando o processo ficou concluído havia compreensivelmente pouco interesse em continuar o debate sobre o défice democrático já que a prestação de contas perante o eleitorado tinha perdido quase toda a sua relevância.

Este processo não se deu apenas ao nível de uma burocracia europeia mas também dentro de todos os países centrais da União. À medida que a UE provava que conseguia estabelecer credibilidade baseando-se apenas no seu estatuto como supostos peritos os vários governos relevantes do continente foram replicando as mesmas ideias e estruturas dentro das suas fronteiras. O resultado foi um agravamento severo da apatia e volatilidade eleitoral (explicando a subida por toda a Europa de partidos extremistas e, ironicamente, profundamente antidemocráticos) levando a que o distanciamento entre o cidadão e o poder deixasse de ser um fosso para passar a ser um abismo. Fica assim mais claro porque é que nas últimas décadas temos vindo a assistir a um amalgamento das tendências e partidos políticos, tornou-se irrelevante saber o quadrante político das entidades partidárias porque as decisões verdadeiramente relevantes foram transferidas para entidades de “peritos” que não se sujeitam a qualquer escrutínio.

“The point is that we are among those who cannot get their mouths around all the little Yeses that add up to tacit acceptance of a world run by crackpot realists and subject to blind drift. And that, you see, is something to which we do belong; we belong to those who are still capable of personally rejecting. Our minds are not yet captive.” – C. Wright Mills

“The point is that we are among those who cannot get their mouths around all the little Yeses that add up to tacit acceptance of a world run by crackpot realists and subject to blind drift. And that, you see, is something to which we do belong; we belong to those who are still capable of personally rejecting. Our minds are not yet captive.” – C. Wright Mills

Os países da periferia apesar de também se irem adaptando ao novo sistema estão um pouco desfasados dos países centrais ou das instituições europeias, mas agora que os pânicos financeiros acalmaram um pouco (e os interesses dos credores foram assegurados de e transformados numa obrigação perpétua) começamos a sofrer pressão para acelerarmos o ritmo da adaptação. E na primeira linha desta transformação está a legalização do lobbying. Só a menção deste termo gera desconfiança no cidadão médio que vê nela apenas a legalização do que até então se fazia a portas fechadas. E em grande medida a sua desconfiança é justificada já que Bruxelas e Washington (os centros mundiais de lobbying) não são conhecidos pela sua transparência apesar da abundância de legislação a regular esta actividade. Mas as consequências são algo maiores do que apenas maquilhar o que hoje seria considerado pouco ético ou mesmo ilegal. No centro do lobbying está a ideia de que qualquer grupo (seja ele qual for, cidadãos, empresas, grupos religiosos, etc) pode e deve pressionar os governos e parlamentos a agir da forma que lhes é conveniente, mesmo que isso desrespeite completamente os direitos fundamentais de outros. Claro que isto abre uma verdadeira caixa de Pandora. Aceitar o lobbying como parte normal do processo político e social é escrever no contrato social que o dinheiro pode comprar acesso e influência. É admitir que nem todos somos iguais. É negar a ideia de justiça. É dizer que somos ouvidos apenas na medida do que podemos pagar. É organizar a sociedade como uma gigantesca entidade comercial que responde apenas aos seus accionistas.

“You read constantly that banks are lobbying regulators and elected officials as if this is inappropriate. We don’t look at it that way” – Jamie Dimon  (CEO da JP Morgan Chace)

“You read constantly that banks are lobbying regulators and elected officials as if this is inappropriate. We don’t look at it that way” – Jamie Dimon (CEO da JP Morgan Chase)

O que acontece a quem não tiver dinheiro para comprar acções deste projecto? Ainda fará parte do contrato social? Em que medida? Será que mesmo aqueles grupos que representam causas legítimas (direitos humanos, luta contra a pobreza, acesso à justiça, entre outras), e que têm disciplina organizacional e fundos suficientes para ter voz, acreditam por um segundo que conseguem reunir os meios para igualar ou superar qualquer grande empresa ou sector económico?

Como é normal num sistema com graves deficiências de funcionamento, e com um grau de apoio popular cada vez mais estreito, as decisões mais importantes são remetidas para acordos mais ou menos secretos e comissões políticas e jurídicas labirínticas de forma a que o resultado seja ou ocultado ou incompressível. Algo que tem o poder de restruturar por completo o equilíbrio de poder entre os cidadãos e que de facto voltar a introduzir critérios de voto censatários (voto cuja existência ou peso depende do rendimento do eleitor) tal como existiam no século XIX pode ser aprovado sem que o cidadão médio compreenda 10% das consequências que tal acarreta a longo prazo. De facto seguindo o retrocesso lógico os próximos passos seriam a permissão de compra de votos (afinal tratar-se-ia apenas de uma troca económica e não de algo político) e o estabelecimento de “votos especiais” (com mais peso) para determinados actores que sejam considerados como “especialmente relevantes” para a sociedade. Podemos esperar uma feroz campanha nos corredores do poder por parte dos nossos “liberais”, ao serviço dos seus empregadores, e se não houver qualquer reacção popular a esta reclassificação dos cidadãos em categorias económicas podemos ter certeza que irão sempre pressionar para que se vá mais longe. Até onde perguntarão? Até onde os deixarem.

“Arrependimento é a virtude das mentes fracas” – John Dryden

“Arrependimento é a virtude das mentes fracas” – John Dryden

Se mais uma vez o cidadão se fechar na sua concha de apatia e hedonismo e não prestar a devida atenção ao que se está a passar perderá qualquer credibilidade para vir reclamar daqui a 5 ou 10 anos. A sua oportunidade de acção é agora. Enquanto o processo ainda está num estágio embrionário. Depois será tarde demais, quer politica quer moralmente. O cidadão tem que se convencer que nem tudo na nossa realidade é reversível. Nem tudo pode ser corrigido. Nem sempre há mais tempo para “pensar” e debater. Há decisões que uma vez tomadas são permanentes.

As sombras mudam de posição

O Verão costuma ser morto e este ano não foi excepção. Aproveitou-se o vazio noticioso para ir introduzindo temas relevantes que não tiveram de todo a atenção detalhada que mereciam. Foram apenas benevolamente comentados pelos suspeitos do costume que tudo fazem para mostrar a inevitabilidade e normalidade de falências bancárias, manobras de bastidores partidárias, estranhas relações entre público e privado e infindáveis cortes no nível de vida do cidadão. Haverá aqui algo de novo que mereça comentário? Vamos dar alguns passos atrás, para ganhar alguma distância crítica, e vamos dissecar a situação estratégica sem a distracção dos faits divers. O leitor será o juiz sobre o que realmente se passa com o seu país.

Alexander Litovchenko - Charon Carries Souls Across the River Styx

“É preciso dizer a verdade apenas a quem está disposto a ouvi-la” – Séneca

As falhas estratégicas da elite de poder não precisam de mais estudos aprofundados por parte de grandes académicos, porque, como em tudo na vida, a prova está sempre nos factos empíricos. E os factos são os seguintes: Portugal saiu de uma rota de convergência social e económica com o resto da União Europeia há pelo menos duas décadas; As instituições públicas e privadas são feudos (no verdadeiro sentido medieval da palavra) geridas com punho de ferro mas também com total inépcia por membros da elite ou do seu “secretariado” (vulgarmente designados de “gestores”); O mérito é uma palavra oca, não se traduz em qualquer recompensa no mundo real ao contrário do que os meios de comunicação fiéis ao regime querem fazer transparecer (no entanto o número de falências de empresários recentes – ou seja, pessoas que acreditaram no discurso oficial e colocaram a sua vida em jogo num qualquer investimento – não é sequer mencionada ou contabilizada); O empobrecimento generalizado há mais de uma década que deixou de ser um fenómeno ocasional ou temporário para se tornar sistemático e irrevogável; O sistema de troca de favores entre um circuito fechado de amigos e conhecidos foi, é e parece que continuará a ser a norma de funcionamento para obter seja o que for, falemos de “alta política”, uma empresa internacionalizada ou de uma junta de freguesia perdida no Portugal profundo. Estes são os factos. Não mudaram. O país é este. E como muitas famílias estão a descobrir, à medida que os seus rebentos acabam os seus estudos ou são obrigados a abandoná-los por incapacidade financeira, o elevador social está fechado para reparações por período e indeterminado.

“Num país bem governado a pobreza é algo que deve causar vergonha; num país mal governado a riqueza é algo que deve causar vergonha.” – Confúcio

“Num país bem governado a pobreza é algo que deve causar vergonha; num país mal governado a riqueza é algo que deve causar vergonha.” – Confúcio

Mas talvez haja algo a dizer. Alguns dos demagogos mais proeminentes ao serviço da elite de poder têm recentemente saído da sombra para voltar a comentar aqui e ali certos detalhes do que vai acontecendo. Parte do que este blogue e a Irmandade de Némesis andaram a dizer parece que se tornou óbvio para estes senhores – a solução prescrita não é a mesma mas falaremos disso mais á frente. Parecerá com certeza estranho a qualquer pessoa que comentadores profundamente integrados neste sistema tenham ganho uma consciência, compaixão ou empatia nos últimos meses. Obviamente que não se trata de qualquer sentimento de culpa ou de responsabilidade para com a população que atraiçoaram, por bem menos que as tradicionais trinta moedas de prata. A estratégia da elite parece estar em mudança. Devido em grande parte à sua incompetência crónica (e dado que se trata de um grupo praticamente endogâmico penso que não seria ir muito longe dizer que é genética) para gerir os seus próprios interesses a elite de poder criou um pequeno inferno neste país. Mas claro que nunca nenhum destes senhores feudais pensou que isto afectasse os seus próprios protegidos/afilhados/família ou que de forma alguma pudesse vir a ameaçar a sua predominância social ou mesmo, em alguns casos, sobrevivência. Esqueceram-se do resto do mundo. A sua visão tipicamente provinciana e saloia é de tal forma estreita que ignorou que eles não são os únicos protagonistas na política e economia mundial. Não passam de actores secundários, muitas vezes nem isso, e que os seus insignificantes objectivos e ambições são facilmente aniquilados por outras elites mais dinâmicas, competentes e com maior poder. Esta desvantagem intelectual é algo que não conseguem resolver sozinhos. Nem estão dispostos a deixar que alguém interfira no assunto. Antes de permitirem que alguém partilhe o leme do barco preferem que vá ao fundo. Como irónica e perspicazmente Napoleão terá comentado com o seu ministro dos negócios estrangeiros, Talleyrand, acerca da dinastia dos Bourbon: esta elite nada esquece e nada aprende. Por muitas viagens que façam a Londres, por muitos MBAs que tirem, por muitas compras que façam na Place Vendôme, por muitos brinquedos tecnológicos americanos que acumulem ou por muito que se tentem tapar com a última moda de Milão não conseguirão jamais deixar de ser o que sempre foram: merceeiros mesquinhos a quem falta qualquer tipo de visão estratégica quer para si quer para os que dominam através de coerção e medo.

“O rico comete uma injustiça e ainda se mostra altivo; o pobre é injustiçado e ainda precisa de se desculpar.” – Eclesiástico 13:3

“O rico comete uma injustiça e ainda se mostra altivo; o pobre é injustiçado e ainda precisa de se desculpar.” – Eclesiástico 13:3

Colocados em cheque na sua própria casa a elite de poder teve que começar um processo de reposicionamento dos seus peões. Confrontados com uma situação que começa rapidamente a fugir ao seu débil controlo começam a abandonar alguns dos seus aliados políticos tradicionais. Não deixarão de fazer os habituais negócios de renda garantida com o Estado ou colocar os rapazes das várias cores políticas como seus assessores e gestores, mas gradualmente deixarão a classe política assumir cada vez mais o peso moral das monstruosidades que vão fazendo. Dão instruções para que os seus agentes tomem posições algo mais críticas em relação aos erros de governação que entram pelos olhos dentro e que são impossíveis de vender à população como algo que não seja uma imposição hierárquica caprichosa. Em suma, estão a distanciar-se tacitamente. Assumem pela primeira vez, desde o seu regresso do exílio a que foram remetidos em 1974, que talvez o regime democrático, tal como o conhecemos, não sobreviva e querem estar numa posição mais cómoda para negociar com o que vier a seguir. A forma como a questão está a começar a ser posta perante a população é clássica. Escolher entre dois cenários convenientes e apresenta-los como as únicas alternativas viáveis, sabendo de antemão que ambos servirão de forma adequada os seus interesses.

“A ferramenta básica para a manipulação da realidade é a manipulação das palavras. Se se conseguir controlar o significado das palavras consegue-se controlar as pessoas que são obrigadas a usar as palavras” – Philip K. Dick

“A ferramenta básica para a manipulação da realidade é a manipulação das palavras. Se se conseguir controlar o significado das palavras consegue-se controlar as pessoas que são obrigadas a usar as palavras” – Philip K. Dick

O cenário preferível é o que vivemos já actualmente e aposta acima de tudo num certo grau de continuação da passividade popular. Manifestação à porta do ministério A, protesto junto à Câmara Municipal B, greve na empresa C, etc. Tudo somado dá em nada. Prossegue o processo de transformação de Portugal num país de terceiro mundo dentro da União Europeia que presta tributo (uso a expressão literalmente) a Berlim sobre a forma de um juro perpétuo de uma dívida que nunca poderá ser saldada através das instituições Europeias e bancárias. O segundo cenário é algo mais complicado mas ainda assim desejável do ponto de vista da elite de poder. Trata-se de deixar que o regime se consuma a si mesmo. Sem nunca se colocar como uma oposição clara mas permitindo que a classe política leve as coisas até ao ponto de rotura. Nesse momento será apresentado o seu homem providencial que implorará em lágrimas que o deixemos impor ordem na casa, a bem da nação – de forma generosa, exigirá apenas a nossa abdicação dos poucos direitos e liberdades de que ainda dispomos. O risco neste caso é fácil de entender. Qualquer regime que entre em fase terminal perde o controlo sobre os seus próprios meios e é complicado conseguir prever quem sairá vencedor de qualquer conflito que deste género. Há uma possibilidade séria de o resultado não ser o desejado. Mas tal possibilidade pode ser contrabalançada. A nível interno com o apoio dos meios de comunicação leais aos seus empregadores e com doses generosas de financiamento que outros pretendentes menos cooperantes não irão dispor. E a nível externo não é segredo que a UE segrega do seu centro uma certa dose de “racismo” cultural face aos estados do Sul e que do seu ponto de vista um regime “musculado” pode ser visto como mal menor para lidar com os “bárbaros” e “irresponsáveis” desde que não afecte os seus planos a longo termo ou equilíbrios regionais. Seja qual for a escolha “livre” dos portugueses o que será inaceitável para a elite (e como tal nem é colocado como hipótese) é que a população se autonomize face aos seus interesses, que os senhores feudais sejam expulsos dos seus castelos.

“Nunca foi sensata a decisão de causar desespero nos homens, pois quem não espera o bem não teme o mal.” – Maquiavel

“Nunca foi sensata a decisão de causar desespero nos homens, pois quem não espera o bem não teme o mal.” – Maquiavel

Os testes iniciais de aceitação destes cenários já começaram há muito tempo. As reacções iniciais foram extremamente negativas junto do público geral, daí o seu adiamento até este momento. Mas o tempo e a pobreza desgastam e tornam o que não seria contemplável em algo possível e eventualmente em algo que seja visto como um mal menor ou mesmo necessário. O tempo de cenários hipotéticos acabou. As hipóteses já foram postas em cima da mesa em muitos círculos e já começam a ter a sua fase inicial de divulgação às massas em forma de pensamento coerente. É um processo em marcha. O tempo e o serviço dos mercenários intelectuais irá cristalizar e tentar enobrecer estas tácticas de perpetuação de dominação. Caberá, como sempre coube, aos cidadãos saberem resistir, defender-se e reconquistar o que é deles por direito. São os cidadãos que têm que gritar com convicção “Roma não paga a traidores!”.

O Enclave está com os cidadãos.

A Irmandade de Némesis está com os cidadãos

Proposta de abolição constitucional

Resumindo a situação:

– Não existência de maioria parlamentar para reformar ou abolir a constituição.

– A não existência de um poder legislativo independente – verdade que não é culpa deles, já que os poderes executivos e legislativos derivam da mesma eleição.

Não existência de vontade popular no sentido de apoiar em votos a reforma ou abolição da constituição.

Proposta do PSD:

– A não existência de constituição. Que desapareça a figura do documento rígido, não sujeito de ser adaptado aos desejos de governos estrangeiros e os seus respectivos gabinetes de gestão de ocupação.

– A não existência, óbvia, de um órgão fiscalizador do documento constitucional já que dada a sua total flexibilidade não faria sentido nenhum, quando alguém diz para alterar, altera-se. Tão simples como isso.

– Em caso de dificuldade recorrer à figura do chefe de estado para ganhar alguma legitimidade para o que ser fazer.

E neste último ponto é que está a chave meus caros. Os portugueses pedem muito a intervenção do Presidente da Republica mas como, quase, sempre não sabem muito o que querem dizer com isso. O presidente é o sustentáculo moral deste governo. Foi o criador deste governo através de uma crise que ajudou a magnificar quando tal lhe foi conveniente. Foi o primeiro a propor que se abolisse ou reformasse profundamente a constituição de forma a transformá-la mais num memorando de trabalho ministerial que numa carta de direitos e garantias básicas da população portuguesa. Em última análise é o único que, fora um acordo largo no parlamento, que tem poder para significativamente alterar a aplicação da constituição. Nomeadamente através da sua suspensão se faltar qualquer outro acordo e ele, a título pessoal, o julgar necessário. Sim é verdade que estarão previstas legalmente situações muito específicas para as garantias constitucionais serem suspensas mas, como o regime já nos provou, quando algo não agrada é substituído e as regras são de aplicação inconstante. Além das razões óbvias, sem um tribunal constitucional activo (ou fragilizado por medidas governamentais e presidenciais), a existência uma maioria parlamentar fanatizada e um Conselho de Estado na sua maioria cúmplice, quem irá pedir uma análise dessa suspensão constitucional ou de forma mais interessante quem a iria executar? Portanto Portugal que grite pela intervenção do chefe de estado, que clame nas ruas para este sair da sua inacção mas depois não se esqueçam de quem ele é, do que criou e dos seus desejos de longo prazo há muito expressos.

"No freeman shall be taken, imprisoned, or in any other way destroyed, except by the lawful judgement of his peers."

“No freeman shall be taken, imprisoned, or in any other way destroyed, except by the lawful judgement of his peers.”

Mesmo em caso de “mera” substituição da constituição por outro documento o governo sabe não ter o mínimo de popularidade ou credibilidade para conseguir aprovar tal documento por via parlamentar ou por via de um plebiscito. Logo a única alternativa seria uma suspensão alargada (até a “crise” ser resolvida – lembram-me de há uns anos Manuela Ferreira leite ter falado no mesmo? Isto prova que existe uma corrente de pensamento muito presente influente dentro do partido) tendo como único “entrave” a vontade do chefe de estado. A última vez que tivemos um modelo parecido foi em 1906 pelas mãos de João Franco, outro político que fez escola nos partidos caciquistas e rotativistas da monarquia liberal mas se dizia “independente” e “reformista” e o monarca era Carlos I – que pela sua atitude de indiferença para com o país e prepotência governamental foi morto em praça pública num dos poucos regicídios da nossa história. O sistema tinha um nome, governo por decreto. O ditador (e era esse o cargo de João Franco – era uma altura que ainda se chamavam as coisas pelo nome) propunha legislação ou medidas punitivas conforme o seu gabinete achava desejável e estas eram postas sob o “rigoroso escrutínio” de um rei mais interessado na caça e na sua vida sexual que no país. No século XX a ditadura administrativa de João Franco não chegou a durar 2 anos completos mas só acabou devido à morte do homem que sustentava o regime, Carlos I. O seu filho, por medo ou manobra política, optou pelo caminho da tentativa de absorção e castração política dos movimentos dissidentes. Falhou porque claramente o abismo que separava o país católico e monárquico do país republicano e liberal já era intransponível.

Presos políticos por ordem de João Franco - mas claro, apenas até a situação estar normalizada. Mais depressa caiu a sua ditadura que ele conseguiu "normalizar" qualquer situação política, económica ou social.

Presos políticos por ordem de João Franco – mas claro, apenas até a situação estar normalizada. Mais depressa caiu a sua ditadura que ele conseguiu “normalizar” qualquer situação política, económica ou social.

Num regime como o nosso, que talvez ja tenha conseguido igualar a monarquia liberal na sua ineficiência nas relações internas (estado) e externas (estado e privados) e que talvez possua o edifício legal mais bizantino que já tivemos torna-se complicado saber onde este caminho nos poderia levar. Um governo sem qualquer documento fundador ou guia? Sustentado apenas pela sua própria vontade de poder, inépcia governativa, regado com eleições presidenciais de 5 em 5 anos e mantido o resto do tempo pela pressão constante dos “credores” que funcionariam como uma espécie de Conselho de Regência? Talvez seja este o resultado de nunca se ter feito uma verdadeira reforma política em Portugal há mais de um século. Os monárquicos “transformaram-se” em republicanos, que por sua vez se “transformaram” em Salazaristas que finalmente se “transformaram” em democratas. Todos são tudo e ninguém é verdadeiramente nada. Talvez seja isto que um país carcomido por elites monárquicas no armário se pareça. Aproximações constantes a um período idealizado sem qualquer atenção ao momento histórico, à população ou à própria decência política.

Realidades Democráticas III

Como já todos perceberam, existe uma miríade de factores que interferem e poluem o processo, dito, democrático, tal como o conhecemos no presente. Um dos óbvios é a preponderância dos interesses económicos especulativos. Historicamente sempre foi este o caso mas no passado existia de facto uma correspondência directa e legal entre o poder económico e o poder de voto (nomeadamente requisitos censitários). No presente o sistema foi algo mais inventivo e criou uma forma mais divertida de perverter a coisa. Deixa os mercados “pronunciarem-se” através de instrumentos puramente especulativos como as bolsas de valor. E as pessoas ouvem, o que é absolutamente hilariante. Começaram mesmo a acreditar que mecanismos de especulação financeira (e nada mais é “produzido” pelas bolsas de valor – basta verificar que se o valor de acção ou obrigação fosse o real, ou seja, desprovido de efeito especulativo intencional, ninguém ganharia dinheiro; as bolsas de valores seriam apenas quadros informativos quase estáticos) são capazes de avaliar a credibilidade de um político e, de forma mais grave, têm legitimidade para o fazerem.

who are we kidding

Prova III: Os italianos não aprovaram Monti, o candidato escolhido pelas maiores empresas financeiras do planeta, e já sofrem as consequências de tal ousadia. Vendo os seus “valores” descer significativamente por avaliação dos “mercados”. E a guerra económica continuará até uma de três hipóteses se verificar. 1) A economia real italiana, como todas as outras, está tão ligada ao elemento especulativo que explode lançando o país em décadas de miséria total; 2) Os eleitores (a omissão da palavra cidadãos é intencional) fazem uma escolha de um candidato que esteja disposto a ser comprado e como tal é como se tivessem votado de “forma correcta” ou 3) Começa um processo retaliatório contra entidades que usem a especulação para interferir em fenómenos políticos.

Moral da Prova III: Não será preciso ser um génio da análise psicológica e política para perceber que a hipótese mais viável é a segunda. Os eleitores “revoltam-se” mas sabem à partida que haverá um compromisso mais tarde com os interesses especulativos que tanto criticam. A rejeição total desses interesses não é interessante para o eleitor do centro (o tal que supostamente é racional e moderado) já que implicaria mudanças demasiado profundas na sua realidade. Há demasiado medo para encarar tal hipótese. A primeira opção é mais provável que a criação de processos retaliatórios mas não por muito. Qualquer tentativa de dissociação da economia real da especulação será recebida violentamente pelo mundo financeiro e não há políticos nem partidos com fibra para isso – e diga-se à partida que não existem porque as pessoas não os querem. Querem sempre os mesmos homens “bem falantes”, sem espinha vertebral (flexíveis, como se diria na gíria político-económica) e pouco ameaçadores. Resumindo, não entidades que lhes digam que tudo está bem e lhes dê lustro ao seu ego imerecidamente inchado.

A Failed State

Vai ser este o termo como o futuro vai classificar Portugal. Uma comunidade sem projectos próprios que se encontra demasiado fragmentada internamente para fazer frente às ameaças que o mundo do seu tempo apresenta. Com a morte do projecto Europeu não sobra nada a gerações de políticos e empresários (enfim os homens do poder que fizeram a sua escalada nas últimas décadas ou em última medida dependem do status quo para sobreviverem) para apresentarem ao país, tal como ele ainda existe. É verdade que o projecto sombra da Europa ainda paira no ar, a “GrossDeutschland” (grande Alemanha). Mas isso não oferece qualquer posicionamento que não seja uma submissão equivalente à destruição do país como entidade, do povo como cultura e a um posicionamento permanente na periferia desta nova criação política – com o que isso implica, nomeadamente, uma pobreza mantida artificialmente para ajudar as economias centrais. Três gerações de políticos (a mais velha ainda com raízes profundas no Estado Novo) deixaram o país nesta situação de anemia interna. Uma não-entidade. Uma não-população (pode existir numericamente mas falta-lhe propósito e, como tal, o seu significado é nulo). Quase quatro décadas de caminho Europeu desembocaram no vazio. Na autodestruição colectiva da germanização forçada.

The Prussian Coat of Arms 1701

“Gott mit uns”

Não se tome isto como um incentivo à tomada da posição x ou y. Em termos reais a altura de agir passou. O nosso sistema está demasiado contaminado e incapacitado para ser capaz de regeneração interna. Pelo que apenas sobra observar o desenrolar do processo. O nosso futuro está nas mãos do Destino. Se a Europa sobreviver como projecto germânico morremos como Portugal. Simples. Não há espaço para outros projectos, culturas, interesses ou outras formas de viver na actual potência europeia dominante. Se a Europa falhar será desencadeada a maior (não apenas económica) crise mundial da história levando as nações mais frágeis do velho continente para águas que simultaneamente já navegaram mas que não estão prontas para encarar de novo. O mar da realpolitik. De qualquer forma o que conhecemos como realidade existe apenas como passado e ilusão, nunca como futuro. Vejo-me bloqueado no pensamento devido à enormidade do podemos estar prestes a ter que fazer já que mesmo no cenário de frustração da terceira onda de agressão germânica ficaremos à mercê da maior crise energética de todos os tempos, de um défice populacional, de um défice de técnicos, de um défice de pensadores, de um défice de líderes, de um défice de artistas, com feridas históricas não saradas e uma modernidade ainda mal apreendida. Não estamos apenas pobres contabilisticamente. Em todos os factores de “nation building” estamos paupérrimos. E no entanto esta parece ser a alternativa menos agressiva.

Thomas Cole - Destruction - 1836

“Where error is irreparable, repentance is useless.” – Edward Gibbon

Do alto do Enclave a vista é confusa. Muito movimento. Muito fumo. Muito caos anunciado. Poucas certezas que não aquelas mais imediatas. Estará na altura de reforçar as paliçadas. Os bárbaros não estão ainda às portas mas os ex-civilizados são uma horda igualmente assustadora e potencialmente destruidora.

Realidades Democráticas II

Como já mencionei antes a questão da democracia como sistema dominante no Ocidente já viu melhores dias – se quisermos ser particularmente brutais na análise podemos, sem incorrer em exageros, dizer que já nem existe na maior parte dos casos, foi substituída por algo híbrido e menos interligado com o poder popular ou a vontade individual. O desfasamento entre o debate dito político, ou seja, público e que envolve pessoas que nominalmente representam partidos políticos, e a opinião pública é cada vez mais evidente. Quando a segunda é mais “vanguardista” que a primeira é sinal certo que caímos num parlamentarismo que é essencialmente fachada.

"...it is a tale told by an idiot, full of sound and fury, signifying nothing."

“…it is a tale told by an idiot, full of sound and fury, signifying nothing.”

Prova II – o principal partido da oposição só agora se lembrou que certas medidas são tão violadoras do pacto entre as elites e os governados que, em qualquer sistema minimamente justo, exigem que se consulte as massas sobre a sua aplicação. Não apenas a mera questão constitucional que está em voga ultimamente. Muito antes disso foi ultrapassado o nível onde a governação excedeu o seu mandato (e não apenas neste governo – apesar de necessariamente conceder que os actuais pura e simplesmente perderam qualquer noção de responsabilidade perante a população ou sequer do seu papel e dos limites que deveriam ter).

Moral da Prova II: Como sempre todo o sistema económico e político conta com a normal passividade popular para garantir que depois do estrago feito qualquer mudança que seja feita tenha o menor impacto possível. Para isso tal “mudança” deve revestir-se das formas mais tradicionais possíveis e afastar ao máximo o poder real das mãos de cada cidadão. Daí que há décadas se tente passar a ideia de que a democracia se resume a um voto periódico. Iliba as pessoas de responsabilidades que, na maior dos casos, não querem e garante que a “mudança” será para manter o rumo. Nova gerência mas com os mesmos donos.

A germanização da Europa

Depois de um longo processo de acumulação de capital baseado na construção de um mercado interno forte e depois em exportações de qualidade, e elevado valor acrescentado, para países desenvolvidos ou em desenvolvimento, e numa estabilidade monetária em parte derivada da psicose* de evitar a repetição de um episódio hiperinflacionário, a Alemanha chegou ao fim das primeiras fases do processo de unificação com dois objectivos claros. Em primeiro lugar reintegrar a espécie humana como mais que párias cúmplices do regime mais criminoso de que existe registo histórico e, em segundo lugar, reinvestir a quantidade maciça de marcos acumulados em algo relativamente proveitoso, mas estável, que pudesse servir de almofada em uma ou duas décadas ao efeito de envelhecimento da sua população (e consequente diminuição de rendimentos e aumento de despesas).

A panca da moeda forte tinha que derivar de algum lado...

A panca da moeda forte tinha que derivar de algum lado…

A resposta para as duas questões estava na Europa. Primeiro pela marginalização do Reino Unido (que não percebeu e continua sem perceber o que se está a passar) como parceiro fundamental da França no processo de construção europeia. Alguns dentro da França teriam avisado, ainda em 1989, que uma reunificação alemã seria algo inaceitável que colocaria em risco não só todo o equilíbrio continental como a própria posição da França dentro do conjunto das nações ocidentais. Foram ignorados. A reunificação seguiu-se, altamente proveitosa para a RFA e altamente penalizadora para a RDA (diferenças ainda hoje mais que visíveis para quem se der ao trabalho de conhecer as regiões). O Reino Unido dedicou-se à especulação financeira e transformou o resto do país numa espécie de parque temático, completo com família real, tornando-se o menos relevante para a política continental que já tinha sido desde o período pré-isabelino. A França apagou do registo a sua oposição inicial e fingiu que tinha paridade com a “nova” potência (como aliás faz parte do seu padrão histórico). E a nova Alemanha emprestou os seus marcos a um recém-aberto mercado europeu de dívida soberana ajudada por instituições europeias e americanas. Nomeadamente à tal periferia, isto é, nós.

aos vencedores os espólios

aos vencedores os espólios

Tudo correu bem enquanto a noção de fornecimento de crédito às populações como compensação para a quebra real de poder de compra salarial pode funcionar – processo que permitiu à economia alemã continuar a crescer enquanto as periféricas eram silenciosamente desmanteladas ou asfixiadas. Depois aconteceu o que todos sabemos que acontece sempre. Sectores financeiros desregulados explodem e imputam os custos às populações evitando a responsabilidade financeira e moral pelas suas acções – mas não se preocupem, na próxima bolha especulativa os mesmos economistas que imputam a crise a um consumo irresponsável do homem comum vão-nos explicar como o novo produto é 100% seguro. Aí a Alemanha viu-se duplamente ameaçada. O processo de construção europeia estava parado há mais de 10 anos – uma liderança alemã é inaceitável para todos os jogadores relevantes. E pior ainda os seus marcos, agora euros, investidos na compensação do nível de vida periférico estavam em risco de se evaporarem. Surgem os planos de “resgate”. Que se traduzem pelo reembolso total, às custas dos cidadãos locais, aos credores, a banca alemã e em menor grau europeia e americana.

Vamos a seguir? Duas velocidades... pois...

Vamos a seguir? Duas velocidades… pois…

Entramos no último acto da na nossa pequena peça de teatro. Ao criar uma dívida permanente na periferia (de forma a salvar os seus próprios investimentos irresponsáveis e em grande parte egoístas) a Alemanha encontrou a forma de desbloquear o processo europeu e a sua ascensão dentro do clube. A necessidade é a mãe do engenho. Ganhou uma alavanca permanente que pode usar para forçar decisões que jurídica, económica e socialmente transformem todos os países que dela dependem no que quiser, em especial pequenas cópias de si mesma – nos sectores que considera estrategicamente importantes, a população em si é irrelevante. Uma espécie de americanização muito mais agressiva e sem o elemento humano. Assim avança de novo o processo de integração europeia mas apenas nas áreas consideradas relevantes para o novo motor da região. Apaga-se ainda mais a soberania mas apenas de alguns países. Criam-se novas distinções entre europeus de “puros” e europeus “impuros” – com o eufemismo de uma “Europa a duas velocidades” que curiosamente se divide em linhas culturais. A própria França, antigo coração do continente, está a lutar para se manter relevante, tendo esquecido a paridade num sistema que não lhe pode permitir tal vaidade. A Europa avança. Mas ao ritmo do Bundestag e Bundesrat. Indo todas as estradas ter a Berlim.

*A realidade é que a hiperinflação de Weimar foi uma aberração económica e política mas que, historicamente, uma inflação moderada (até 15%-20%) não tende, por si mesma, a ter efeitos adversos no crescimento económico.