Gravy train, ou os parasitas do politicamente correcto na comunicação social (política)

gravy-train

O gravy train portugues…

Num recente episódio de um programa de televisão onde os intervenientes fingem que debatem a situação política nacional; uma das pessoas que intervém fez uma tirada tão pseudo espectacular como estúpida. Verdadeiramente e sem querer, revelou o que verdadeiramente pensava sob o assunto ” austeridade”.

Sentindo pânico pelo que chama de “o avançar do populismo” e pretendendo atacar a actual solução de governo em Portugal, correlacionar isso com a Europa e o deprimente estado político da mesma, e ao mesmo tempo, aviar o recado vindo dos seus amos, segundo o qual “tudo” o que acontece de mau na Europa seria única e exclusivamente culpa da Alemanha, esta insigne criatura declarou que a má gestão da crise europeia por parte da Alemanha teria dado origem ao Brexit, à aproximação da Alemanha à Rússia, à crise do Médio Oriente e especificamente no que aos partidos políticos europeus diz respeito e respectivas afinidades tal má gestão teria originado o fim da social democracia europeia.

Este programa televisivo é de orçamento reduzido, devemos ter isso em conta, quando pessoas pagas para analisar e debater politicamente, apenas conseguem produzir uma má conversa de café, mesmo que inclua alusões ao The economist ou ao Finantial Times ou a qualquer outra falsa bíblia.

A criatura televisiva, courtier de segunda classe, com esta proclamação do fim da social democracia europeia, argumentava a seguir que isto tinha originado o fim dos partidos da tribo da esquerda política de vertente social democrata na Europa. Tal desastre tinha originado o aparecimento de “todos estes partidos de extrema esquerda”, que eram – pasme-se – contra a austeridade.

Infere-se segundo esta criatura que os partidos da social democracia “normais” e sem desvios à norma serão a favor da austeridade…?

É este o nível da argumentação estúpida, preconceituosa, que avia recados dos superiores hierárquicos oligarcas.

É esta a disseminação verbal da injustiça como forma de organização social.

SERVILISMO - PÉS

Esta criatura courtier tem sido um membro constante e sistemático da elite cortesã deste país durante os ultimo 30 anos.Cavalgou o Gravy train português, auto colando-se à tribo da esquerda política.

O método cientifico para obter esse selo de qualidade e garantia de “normalidade social democrata” consiste em manifestar um acentuado anti comunismo, patente em declarações públicas e privadas, em paralelo com uma inclinação cultural imensa (supostamente um feudo exclusivo da tribo da esquerda política…) que leva a que se pense nos circulos bem pensantes dos cortesãos e dos que lavam mais branco que a pessoa é aceitável, uma compincha pró valores”de social democracia de acordo com o livro de regras.

Estas pessoas obtiveram inicialmente os cursos universitários certos nos lugares certos, ocuparam os empregos “de pluma vistosa” do regime, os estandartes supostamente meritocráticos do mercado de trabalho das artes, letras e ideias (especialmente nas administrações da tribo da esquerda política e especialmente nas administrações da direita política…) e obtiveram elevados lucros quer na gentrificaçao material do regime (obtenção de bens materiais e estatuto financeiro), quer nas áreas gentrificadas habitacionais do regime, onde habitualmente vivem e criaram casulos e bolhas de classe “bem”.

A vida tem sido boa.

Estas pessoas arranjaram um emprego em ” sítios” onde é inexistente a necessidade de trabalhar.

São apenas pagos para nada fazer, servindo de veículos que passam a mensagem que agrada as elites e aos oligarcas.

São apenas pessoas que existem num emprego durante um dia inteiro e são pagas para falar.

Falam muito, mas a substancia do que dizem é zero.

Exactamente…, qual é o valor social, politico, profissional, cívico, de cidadania que estas pessoas tem entregue à sociedade, como retorno, pelo que a sociedade lhes tem permitido ser?

Reorientando momentaneamente este texto.

Portugal transformou-se num local em que é muito estúpido o acto de se procurar ajudar as pessoas.

Como regra geral, as pessoas traem quem as ajuda, traem a cidadania que deveriam defender, traem-se a si próprias. Filosoficamente, e com muita paciência  deve responder-se que o problema principal não reside na constatação que as pessoas irão trair, mas sim que as pessoas irão trair por um preço próximo de nada.

É inexistente qualquer capacidade por parte da generalidade da população em fazer uma correcta avaliação custo – beneficio do valor de qualquer coisa.

Numa nota ingénua, deve-se fazer o esforço de ajudar, mas há limites de paciência e de preço próximo de nada.

Com o acima escrito em mente é necessário dizer que quem paga a existência dos parasitas do politicamente correcto, como discurso público próprio de um sistema de cortesãos inserido no arco da governação, recuse pagar este preço por algo que não traz valor.

Com  acima escrito em mente é necessário dizer que os cortesãos que põe uma cara alegre afirmando serem pró justiça social, pró pobres, pró “social democracia” tem lucrado a nível pessoal com as injustiças e a pobreza que derivam dos ataques que são feitos aos membros da sociedade com problemas.

Com acima escrito em mente é necessário dizer que os cortesãos estão com verdadeiros problemas.

Num mundo com internet, cidadãos despolitizados, sem dinheiro institucional para os manter acima ou no patamar em que estão, sem acrescentarem qualquer valor de mercado aos oligarcas e as elites, quem precisa deles?

O chão foge-lhes debaixo dos pés.

Devemos ajudá-los a terminar a sua carreira de mercadores aleivosos com a maior indignidade possível.

Critérios totalmente aleatórios pelos quais um grupo pode oprimir e excluir outro.

“Truth does not sit in a cave and hide like a lie. It wanders around proudly and roars loudly like a lion.”

Susi Kassem

As elites portuguesas gostam de veicular um específico memorando cultural no imaginário colectivo da população portuguesa.
Esse mantra de cariz mitológico chama-se “Portugal é uma nação muito especial”.

Uma das ideias perversas escondidas por este memorando cultural visa inculcar nos cidadãos portugueses um sentimento de auto complacência e de narcisismo colectivo de tipo nacionalista, para levar os portugueses a começarem a pensar sobre si próprios como sendo um povo de características especiais. Dada a relativa ausência de feitos especiais alcançados pelos portugueses dai releva esta ideia ser perigosa, no mínimo e auto sabotadora no máximo.

As elites portuguesas, cultivam essa ideia mitológica sempre que podem ou as circunstancias o exigem, mas sempre sujeita a um duplo padrão.

(1) Quando necessário para cativar massas visando convence-las a embarcarem em algum projecto político normalmente carimbado com a expressão mágica “desígnio nacional”; as elites promovem a expansão exponencial deste traço de carácter da psique nacional, para extraírem a adesão dos portugueses.

É uma colheita perversa que é extraída da população e dos seus sentimentos acerca do país onde habita, que leva a movimentos de massas, grandiosos e totalmente ilusórios e gera o fomento duma extracção do pior de nós enquanto comunidade por oposição a extrair o melhor de nós enquanto comunidade.

(2) Quando necessário para destruir qualquer sentido de si mesmos, de dignidade, de capacidade de superação da população visando desincentivar as massas a aderirem a algum projecto político racional, baseado no bom senso e que beneficia a comunidade, o mesmo traço de carácter da psique nacional que antes servia para a promoção de falsos desígnios nacionais é agora usado como arma de destruição psicológica das populações.

É outra forma de colheita perversa que é extraída da população. Não sendo Portugal nenhuma nação excepcional, e estando a ser sujeito a esta terapia dupla cancerígena que na psiquiatria se designa por ciclotímia, os portugueses são convidados para mostrarem uma outra e mais diferente faceta do seu pior disfarçada do seu melhor. São convidados a serem arrogantes, iludidos, convencidos que são melhores do que são e que “tudo está bem”, são convidados a destruírem-se por via da auto complacência e do constante fechar de olhos cívico.

“O progresso moral não é um privilégio natural das elites nem é adquirido por acaso ou por sorte, mas através do trabalho de si mesmo - diariamente.” Epicteto

“O progresso moral não é um privilégio natural das elites nem é adquirido por acaso ou por sorte, mas através do trabalho de si mesmo – diariamente.”
Epicteto

Este comportamento subversivo das elites portuguesas baseia-se numa dupla traição ao país que faz o favor de as aturar.

Uma face da dupla traição consiste na recusa das elites portuguesas em reconhecer-se no país em que nasceram. Consideram ofensivo que alguém as associe a essa condição, embora em publico raramente o afirmem. Escondem-se por detrás duma camada de pseudo sofisticação (geralmente plastificada e importada do estrangeiro) querendo obter com isso uma inferiorização do outro (o cidadão comum ), dessa forma manifestando uma admiração servil pelo “estrangeiro” e por tudo o que de lá vem, seja bom , mau ou talvez. Esta falsa sofisticação tem como objectivo humilhar a população e camuflar a aversão que as elites portugueses sentem em relação ao país.

A outra face da traição consiste na recusa das elites portuguesas em aliarem os seus interesses pessoais, ou do grupo de membros das elites em que coexistem, num projecto comum relacionado com o país. Por detrás de toda a retórica vazia e destituída de significado que as elites portuguesas abundantemente produzem, na realidade detestam o país e detestam a ideia de um projecto comum.

Somente abrem duas excepções a esta regra.

a) quando o projecto político comum, tem como objectivo criar uma ditadura e mantê-la;

b) quando se avista um qualquer pote de ouro no horizonte (Expansão marítima, Descobrimentos, Conquista de Marrocos, Brasil, Angola, entrada na Europa, etc…) e aí iniciam-se as operações de propaganda ciclotímica para arregimentar a população a participar em mais uma loucura vagamente desorganizada cujo “custo-benefício” demonstra sempre ser favorável aos interesses das elites.

Uma nova embalagem designada por ” desígnio nacional” é confeccionada, e a população é convocada a colaborar em mais uns esquemas de curto prazo. Elogia-se abundantemente a população  visando cooptá-la a participar.

Nesta concepção de mundo feudal mais ou ou menos cristalizado, as elites portuguesas desejam manter os seus privilégios ilegítimos, sem incómodos alguns fazendo “acordos” com os seus protectores internacionais. O que oferecem em troca é a manutenção das populações em estado dócil e até exportar os que estiverem a mais para os protectorados para serem mão de obra barata, recebendo em troca das potências europeias ou continentais, uma política de não interferência nas coutadas medievais portuguesas.

Ao menos, com os inimigos, a traição jamais aparecerá. Marco Aurélio.

Ao menos, com os inimigos, a traição jamais aparecerá.
Marco Aurélio.

Actualmente este evangelho é baseado nos sermões dados a população acerca da importância da prosperidade individual, dos privilégios selectivos para apenas meia dúzia de castas gordurentas, mais os respectivos sequazes e lacaios e suportado por critérios totalmente aleatórios pelos quais um grupo pode oprimir e excluir outro.

Esta particular forma de opressão é um dos mais graves crimes que são cometidos contra o espírito humano.

Contra a essência da alma de uma pessoa. Contra a população portuguesa.

A resposta da generalidade da população portuguesa tem sido a seguinte: “…mas eu apenas quero que me deixem sozinho e em paz!”

Se a população portuguesa escolher mesmo viver sozinha e em paz, irá mesmo ser posta de lado e irá mesmo viver sozinha em paz e excluída de qualquer assunto que lhe diga respeito.

Para todo o sempre.

Esta… “estratégia” … tem dado fracos resultados em Portugal.

Uma mudança impõe-se.

Os oligarcas portugueses afirmam que a população portuguesa tem culpa. Devemos acreditar neles?

A culpa é um sentimento horrível. Cola-se às pessoas como um pesadelo interminável, nada produz de redenção eficaz e traz sempre más consequências para quem sente culpa.

É um sentimento que, na maior parte dos casos, é inútil e leva a que as pessoas ainda se sintam pior do que já estavam, sem que exista “de facto” qualquer justificação séria que o individuo deva apresentar a si próprio e que o ajude a sair deste mau estado de espírito.

Reagindo a este sentimento negativo os indivíduos tentam fugir das consequências negativas do aparecimento deste sentimento. As pessoas mentem acerca de si mesmos e de outros e escondem a culpa de si e dos outros. Algum código moral, ético ou imaginário, verdadeiro ou falso, humanamente realista e possível de realizar ou uma armadilha do ego verdadeiramente impossível e irrealista de obter são consideradas pelo individuo como tendo sido grosseiramente violadas, e pior ainda se o tiverem sido em sociedade e tal tenha sido visto. As pessoas sentem-se envergonhadas pelos seus sentimentos de culpa (exclusão ao comportamento dos psicopatas…).

Todas as empresas organizadas como religiões e todas as religiões organizadas como empresas imprimiram nos seus seguidores sentimentos de culpa.

À cabeça deste pequeno exército de notários que certificam culpas de acordo com os regulamentos criados para servir quem quer obter Poder, encontra-se a Igreja católica que inventou o dogma agostiniano. Segundo a doutrina do pecado original, quando nascemos somos pesados, certificados e carimbados para expedição pela empresa de serviço postal “santificado” que entrega pessoas para começarem a viver, como sendo já culpados dos pecados anteriores cometidos antes de nós, pelos nossos pais e pela humanidade.

A Humanidade chegou a horas ao sitio errado e comeu uma maçã. Uma serpente ficou aborrecida com isso e a Queda do Homem aconteceu.
Faz-nos pensar o que teria acontecido se o Homem tivesse comido a serpente e ignorado a maçã. A face da indústria agro pecuária mundial seria certamente diferente.

images

Da mesma maneira que na trilogia cinematográfica “Star Wars” a Força é forte numa família, em Portugal a “Força “ da culpa é forte nos portugueses. Aparenta ser a única coisa que é forte em Portugal, excepção à corrupção (e a necessidade que o país e a sua população sentem em continuar a conceder “credito moral e ético” às elites portuguesas e continuarem a seguir os projectos políticos e económicos baseados nas loucura desregrada das elites portuguesas, cujos prejuízos são depois enviados para a população pagar).

A “força da culpa” em Portugal apresenta características de doutrina do pecado original.
O cidadão português, quando nasce, assim o consideram os repelentes oligarcas que assombram este local, é considerado como sendo um pecado original, uma coisa que tem que carregar culpas.
Nem é cidadão, de resto, mas apenas vassalo ou súbdito e tem culpa.

Devemos acreditar neles? Devemos aceitar que somos coisas que carregam culpas?
Certamente que não.

Um exercício mental e ético que todos os portugueses devem fazer consiste em recusar carregar culpas fabricadas ou inventadas ou aceitar diminuições no seu estatuto pessoal e político enquanto pessoa que nasceu e vive aqui.

Princípios de Némesis.

“Trabalharemos incansavelmente, até ao último irmão, para conservar aquilo que de bom existe. Para reconstruir o que já não existe. Para criar o que deveria existir. Tudo para manter viva a chama de uma cultura e civilização dignas desse nome, que os cidadãos sintam de novo orgulho em fazer parte. “”

 Better a serpent than a stepmother! Euripides (Nota Nemésis: parece ser claro que Eurípides tinha problemas familiares)

Better a serpent than a stepmother!
Euripides
(Nota Némesis: parece ser claro que Eurípides tinha problemas familiares)

Porque infelizmente dispõe de terreno fértil, os nossos repelentes oligarcas, plutocratas, Kakistocratas, “a ralé” que nos tenta degradar sempre que pode; semea e planta a culpa num local onde, infelizmente esse sentimento negativo já existe para dar e vender.

O efeito é óbvio.

A população portuguesa, cheia de complexos de culpa históricos, reais ou imaginários vive aterrorizada de forma subconsciente e move-se como um fantasma vivo que procura descansar sem nunca o conseguir.
O cidadão português é colocado num estado de confusão psicológica permanente, sempre mais diminuído e inferiorizado do que aquilo que na realidade é ou alguma vez foi (esta é uma das razões que ajuda a explicar porque é que qualquer português emigrante se sente” livre” e liberto destas grilhetas e produz mais e melhor fora deste ambiente putrefacto – os sentimentos de culpa fomentados pelas elites oligárquicas portuguesas não fazem os seus ramos chegar tão longe).

E geração após geração, milhões de pessoas em Portugal sentem culpas, próprias, de terceiros, de familiares, do céu estar azul ou nublado, de fazer Sol ou cair chuva, quer as culpas sejam verdadeiras ou falsas.
Um “mercado” da culpa é assim generosamente cultivado. As pessoas acordam de manhã e sentem culpa, um sentimento insidioso, que congela os ossos e petrifica a alma logo pela manhã, como um nevoeiro maldito que recusa afastar-se da cabeça das pessoas, à chegada dos primeiros raios de sol.

Entranha-se, estranha-se e detesta-se.

Vão almoçar e sentem culpa por causa do almoço ou de outra coisa qualquer, o pretexto não importa. Jantam e sentem culpa por terem almoçado. Ou por outra razão qualquer.

mercado da culpa portugues

Este ambiente putrefacto, pantanoso, psicologicamente terrível beneficia somente os inimigos da justiça e de uma sociedade como uma civilização da qual valha a pena fazer parte.

Devemos rejeitar a culpa por acções que nunca autorizamos que fossem feitas em nosso nome nem aceitar pagar por dívidas que nunca foram negociadas em nosso nome.

Sendo necessária em qualquer sociedade a existência de uma elite, constitui uma ofensa mortal a existência da actual elite política, social, económica, empresarial e as marionetas que controlam dentro do sistema político, fora dele e nas empresas.

A promoção destas putrefacções que as actuais elites portuguesas cultivam quase como uma religião e a sua disseminação por toda a sociedade portuguesa são perigosas.

Os lacaios da oligarquia trabalham a favor disto e são perigosos para o resto da população.

Alguns dos resultados?
Uma sociedade injusta, imoral, sem ética, com diferentes compartimentalizações e segmentos de ordem e justiça, consoante se é rico e poderoso ou não se está nessa categoria.

É só isto que os oligarcas, os plutocratas, os kakistocratas tem para oferecer. Culpa e diferentes graus de justiça/injustiça para a população e isenções para si próprios dos deveres de vida em comunidade.

Devemos acreditar neles? Certamente que não.

Devemos detestá-los? Certamente que sim.

Devemos aceitá-los? Certamente que não.

Devemos combate-los?  É um imperativo ético.

A degradação da população portuguesa – 3/3

A missão:

As elites políticas, sociais e económicas portuguesas já degradaram a população e alteraram os padrões do que era considerado ” fazer algo em sentido próprio”; antes negativo, agora legitimado como positivo.

O que pretendem atingir:

Pretendem criar uma percepção colectiva nova em que agentes públicos ou privados possam agir em interesse próprio sem que existam quaisquer limites éticos ou morais e isso seja aceitável numa sociedade e que isso é considerado justiça.

Como o fazem:

O canal privilegiado usado para o fazer são as práticas das empresas privadas que subverteram o Estado. A lenta equiparação de funcionários públicos a funcionários privados. Inexistência de censura social ou profissional a quem aja apenas em interesse próprio, mesmo que prejudique toda a comunidade.

Qual é o conteúdo:

As normas sociais e as regras profissionais são alteradas e as lógicas de funcionamento internas das empresas e do Estado são subvertidas. O sentido e o conteúdo do que é “competência” e “profissionalismo” é  alterado e competente/profissional passa a ser quem obedece e quem fecha os olhos ou quem ” optimiza” recursos.

Quem executa o trabalho sujo:

A promoção desta nova percepção é feita pelos courtiers de serviço. Os beneficiários são os gestores “modernos”.

11 - 07 - 2015 degradacao pop portuguesa - cartaz 3

(1) As quebras de normas sociais e como estas são reclassificadas pelas elites para servirem os seus propósitos.
(2) A falta de profissionalismo generalizada.
(3) A ascensão dos interesses em sentido próprio nas profissões de topo na sociedade portuguesa.

HOJE: A ascensão dos interesses em sentido próprio nas profissões de topo na sociedade portuguesa.

Quer a quebra sistemática e propositada das normas sociais, quer a implementação da estratégia de falta de profissionalismo (afirmadas em dois textos anteriores) geraram efeitos negativos em todos os estratos da sociedade.

Um dos sub produtos dai derivado desenvolveu-se num dos ambientes menos próprios e menos aconselhados para se desenvolver; a gestão de topo.

Toda a gestão de topo em grandes empresas, quer em escala, quer em influência, ou nas empresas médias que influenciam mercados de produtos específicos ou regionais, descobriu que eram inexistentes quaisquer obstáculos de tipo social ou profissional a que se pudesse fazer o  mesmo que tinha começado a ser feito noutros países; a definição da sua própria remuneração sem qualquer restrição nem qualquer correlação com o que acontecia na restante sociedade e conseguiu  impor essa lógica “como poder”.

Uma censura social poderosa definhou, primeiro, e tornou-se inexistente, depois (devido a quebra de normas sociais, que criticavam fortemente estes comportamentos…) ajudando a abrir caminho a que a cultura do profissionalismo passasse a ser considerada indiferente (a sua existência ou não). O resultado passou a ser a atitude de rédea livre dos gestores de topo no seu posicionamento nesta sociedade.

A invocação semi mística de serem possuídos  de “privilégios simbólicos especiais” gerou a promoção da cultura da remuneração apenas em interesse próprio cada vez mais desproporcional em relação aos reais resultados das empresas ou dos interesses colectivos da sociedade. Ou a acrescentarem “fringe benefits” ao pacote remuneratório

Este novo ambiente (durante os últimos 30 anos tem sido isto) de licenciosidade disfarçou-se de mercado livre e de inovação modernista. Verdadeiramente é um golpe de estado social, económico  e profissional sempre baseado em abstrações e mentiras generalizadas. Esta nova “ordem” subverte os princípios da economia de mercado que estes novos deuses em beneficio próprio dizem defender.

A população portuguesa sem ancoras ou pontos de referência assentes nas normas sociais que (antes) a defendiam, falhou em perceber que as novas “regras sem regras” eram apenas maleabilidade indiscriminada disfarçada de modernismo, e aceitou alegremente ou descuidadamente este jogo. Auto corrompeu-se mediante a promessa de que os benefícios materiais dai decorrentes compensariam a falta de ancoras sociais claras e justas.

Chegámos a 2015. A população obteve traição económica, perdeu ancoras sociais e tem que suportar a falta de profissionalismo em todos os sectores da sociedade. Para já, os   insiders ganharam um jogo que já tinha sido decidido antecipadamente.

Como exemplo, olhe-se para o Estado. Antes, no sector público, o gestor público geria a empresa estatal e, quer a gerisse bem, quer a gerisse mal, era politicamente “transferido” para outro sector público para continuar a gerir bem ou mal outra empresa, aquando da próxima mudança eleitoral. Esta era a forma de controlo e definição da sua própria remuneração e compensação; isto quando ainda existia sector público.

Actualmente, no sector privado, por detrás do manto da retórica falsa do “mercado” como ajustamento da oferta e da procura e demais banalidades dos gurus da gestão o jogo é um de monopolios privados e de mercados lucrativos apenas acessíveis aos “escolhidos”. Os “escolhidos” gerem genericamente mal, no privado, (há excepções, mas são poucas) mas legitimizaram-se como sendo apenas a única alternativa que dizem ser a que existe.

Resultados? Monopólios e constantes aumentos dos pacotes remuneratórios dos gestores de topo (decididos pelos próprios) para níveis impensáveis há 3 décadas atrás em termos de proporcionalidade entre o empregado da empresa que menos ganhava e o gestor que mais ganhava.

Esta “diferenciação fabricada por golpe de estado económico” é o maior exemplo da desigualdade. O estilo de vida tendencialmente baseado nos reis e plutocratas, é aquilo que se pretende impor para um número reduzido de pessoas. São exemplo, os políticos e membros da administração que se retiram de “funções publicas” e passam depois a exercer cargos em sinecuras privadas corporativas criadas à medida e que, curiosamente, tem actividade nos sectores onde legislaram.

Em empresas privadas o mesmo acontece, mas com outras nuances, tais como a permissão de várias pessoas serem administradoras de inúmeras empresas ao mesmo tempo.

Tudo normal, não se passa nada.

“You wear a mask for so long, you forget who you were beneath it.” ― Alan Moore, V for Vendetta

“You wear a mask for so long, you forget who you were beneath it.”
― Alan Moore, V for Vendetta

Os comportamentos indignos das chamadas classes altas auto espalharam-se para dentro de si e para fora. Todas as outras classes em Portugal  que não tem dinheiro ou posição para viver desta maneira copiam as mesmas quebras de ética, moral, esperando pela mimetização chegar a “sitios” e aceitam  viver debaixo deste mundo onde são os maiores prejudicados.

Este totalitarismo invertido faz com que quem não tem posição ou dinheiro limpo comece a achar que ser corrupto e desonesto é que é ser honesto e sério.

A inversão de valores começa a ser perigosa e definida.

Se um pardieiro decide ser um pardieiro, mas as elites lhe mudam a mensagem e passam a dizer-lhe que deve ser um protectorado bem comportado, o nível de autoestima das pessoas desce para as profundezas e o problema só aumenta.

A tribo da direita política critica as inevitáveis vitimas deste sistema dizendo que a culpa é delas, ou ignora-as prestando-lhe assistencialismo de sobrevivência (compra-lhes o silencio, retira-lhes direitos políticos  e lucra financeiramente no processo). Em paralelo defende que quem ganha com trapaças é um herói e é assim que deve ser.

A tribo da esquerda política aceita a existência de vitimas deste sistema, dizendo-lhes que a culpa delas apenas será remível através de crescimento económico e fé em nada tangível, prometendo a libertação futura da opressão, mas apenas desde que confiem na aristocracia de esquerda e a apoiem ( um quid pro quo incompetente e corrupto, que compra o silencio futuro, retira os direitos políticos do presente e lucra financeiramente no processo). Em paralelo defende que quem ganha com trapaças é um acidente e quando existem acidentes nada se deve fazer, foi uma inevitabilidade.

A degradação da população portuguesa – 1/3

A missão:

As elites políticas, sociais e económicas portuguesas querem degradar a população.

O que pretendem atingir:

Degradam promovendo a sistemática subversão e o enviesamento da percepção colectiva; degradam a maneira como olhamos uns para outros enquanto sociedade e enquanto indivíduos.

Como o fazem:

O canal privilegiado usado para o fazer são os meios de comunicação social.

Qual é o conteúdo:

Estes são encharcados até à exaustão com historias fabricadas e fundos de verdade misturados com omissões e mentiras. As escolhas do que se deve ou não transmitir são pré condicionadas, usando as edições de reportagens à medida dos interesses ilegítimos que são promovidos.

Quem executa o trabalho sujo:

Os executantes deste legado negativo infligido sobre a população são os courtiers de serviço aos caprichos das elites portuguesas.

2015-06-22  degradacao pop portuguesa cartaz 1(1) As quebras de normas sociais e como estas são reclassificadas pelas elites para servirem os seus propósitos.
(2) A falta de profissionalismo generalizada.
(3) A ascensão dos interesses em sentido próprio nas profissões de topo na sociedade portuguesa.

HOJE: a quebra das normas sociais.

As normas sociais, são periodicamente reclassificadas de acordo com os interesses das plutocracias dominantes.

Contudo, existe um comando comum desde tempos imemoriais originário das classes elitistas, plutocráticas e kakistokraticas portuguesas – “ degrade-se a população”.

Emite-se a “ordem não escrita” classificando todos os desvios das normas sociais como sendo sempre praticados pelas classes mais baixas. Declara-se que esses desvios são próprios e apenas atribuíveis aos membros dessas classes; “é a sua natureza” e legislam-se crimes em sintonia com estas reclassificações feitas à medida e por interesse próprio.

Esta “ordem não escrita” definindo o que são quebras de normas sociais apenas serve os objectivos da plutocracia “tuga” e visa pré condicionar de forma subconsciente o restante da sociedade.

A mensagem subliminar subjacente é simples no conteúdo e amplificada na disseminação. As classes baixas são criminosas e merecem ser castigadas; sempre desproporcionalmente. Quer as normas que quebraram sejam realmente quebras verdadeiras ou mesmo não o sendo, aplica-se a punição.

Paralelamente a esta “fatwa” pré determinista, as classes mais altas são objectificadas como sendo santas e modelos de perfeição.

A “demonstração” de que as classes sociais elitistas e plutocráticas são santas dura 5 segundos, quando se conhece alguém oriundo das classes consideradas mais altas.

Os operários da demonstração sempre pagos em géneros ou bens trabalham incessantemente ao serviço da ilegitimidade e o mapa de pessoal em comissão de serviço nesta arte suja indica-nos que os pelotões de pseudo especialistas são os aríetes do serviço por conta em prol  das elites.

Os meios de comunicação social portugueses são viveiros de “especialistas” que aparecem para nos explicar, sem que o tivéssemos solicitado, o que se passa.
Chegamos a uma época histórica em que as explicações que são dadas nunca representam a realidade mas sim, aquilo que o “dono” do especialista o autoriza a dizer e o ganho financeiro, social ou de prestigio que o “ especialista” espera vir a alcançar.

“It is difficult to get a man to understand something, when his salary depends on his not understanding it.” – Upton Sinclair.

O som paralelo ao dos “especialistas”, visando criar uma barreira sónica de confusão ideológica e sound bytes, é produzido pelas canetas de aluguer do regime, os pés de microfone pré formatados enviados pelo chefe, e os vários cães de louça considerados sagrados pelo regime e que andam espalhados por aí, a ocuparem sinecuras privadas corporativas.

Há exceções bem entendido, mas são a minoria.

Estes educadores bem falantes e mal pensantes explicam que as pessoas devem pensar em comportar-se de acordo com o padrão mental de obediência veiculado pelas elites.

Este padrão veiculado pelas elites explica-nos o que é normalidade (a falsa normalidade). É uma normalidade autocrática que afirma que as classes baixas são inferiores e tem sempre comportamentos socialmente desviantes.

Desta forma retira-se à sociedade o direito de dizer o que é ou não é um comportamento socialmente desviante e retira-se a lei baseada em legitimidade democrática da equação.

Passa a ser uma nomenclatura de plutocratas imbuídos de kakistocracia que se arrogam o direito de definir aos restantes, o que é desviante e o que não é.

(A explicação alternativa na forma, mas não no conteúdo, das seitas saudosistas monárquicas eunucas deste país sobre o mesmo tema utiliza outra expressão: “não nasceram em berço”…)

Impõe-se a pergunta. Qualquer cidadão sente-se “seguro” quando uma classe política, social, económica, ideológica profundamente hostil à população está a definir, por lei ou por intimidação de facto, o que é desviante ou não é?

kakistocracia -enclavept

Fenómenos como a criminalidade são consideradas como uma prática exclusiva  feita por membros das classes mais baixas, bem como o uso de drogas, a promiscuidade, os nascimentos fora do casamento, as taxas elevadas de divórcio, o aborto, etc.

Já as classes consideradas altas, por dinheiro ou por nascimento auto proclamado como “superior” mais os seus serviçais por conta, utilizam os seus courtiers comunicacionais para nos explicar que são santos vivos. Chama-se “Spin” favorável.

Como são santos em vida o “Spin” favorável explica-nos que nunca se divorciam nem são promíscuos fora dos círculos que frequentam.

Esta santidade faz com que não usem drogas nem vão ao estrangeiro fazer tratamentos de desintoxicação caros e discretos.

Nunca promovem nascimentos fora do casamento, nem abortos que não sejam efetivados em clínicas espanholas e inglesas, ao mesmo tempo que assumem posições públicas cá de oposição.

É por isso que um ladrão é chamado de ladrão, mas um financeiro que desvia dinheiro pratica um “crime de colarinho branco…”

É tão cómodo ser hipócrita quando se é um kakistocrata plutocrático com uma vida abastada derivada de um sistema ilegítimo que beneficia insiders…e quando os prejuízos são despejados para cima da população.

Todos estes fenómenos diferenciadores produzidos de forma artificial e apenas para benefício de uma elite corrupta, traidora e venal são instintivamente apreendidos pela generalidade da população e provocam quebras na coesão social e nos níveis de igualdade dentro desta sociedade.

A promoção da iniquidade e da desigualdade artificialmente fabricada com o objectivo de inferiorizar largos segmentos da população está a criar um temporizador.

Nos últimos 20 anos, mas em particular nos últimos 4 anos(2011-2015) a coesão social foi extraordinariamente quebrada, debaixo da influencia de ideologias importadas e defendidas por overlords internacionais que tomaram sob sua proteção as elites políticas e sociais portuguesas.

Esta dissolução da coesão social e a moldagem das regras de classificação do que são quebras de normas sociais sempre em função dos interesses da elite está a criar uma ingovernabilidade sistémica.

Os sentimentos de injustiça latente irão explodir.

As tribos políticas da esquerda e da direita convivem bem com este estado das coisas.

A Irmandade de Némesis não.

O fetiche da comunicação

A abundância de conteúdos no nosso tempo levou a um certo endeusamento do debate e de toda a comunicação em geral. De algo utilitário (uma ferramenta se quisermos) passou a ser algo que é um fim em si mesmo. Já não serve um propósito. De facto é uma forma de evitar ter um propósito. O falar sobre algo substitui a interacção real com o objecto, o que por sua vez o transforma numa virtualidade. As pessoas falam demasiado porque têm medo de agir sobre seja o que for. Falam porque isso não tem consequências. Falam porque fogem da realidade. E enquanto alguma forma de conforto material persistir a maioria continuará contente neste jogo de auto-engano. Enquanto houver alguém abaixo na hierarquia socioeconómica que o cidadão comum possa desprezar haverá a ilusão que de alguma forma se é especial, que se entende o que se passa e que no fim as coisas até vão correr bem. A corrupção intelectual que esta mentalidade causa é particularmente danosa por ser auto-induzida.

"Quem julga caçar é caçado" – Jean de la Fontaine

“Quem julga caçar é caçado” – Jean de la Fontaine

Pois ao contrário do que a maioria dos psicólogos modernos opina esta situação não é um processo inconsciente para a maioria das pessoas. Os cidadãos estão perfeitamente cientes do impacto real do seu discurso (zero) e preferem ser inexistentes a arcar com responsabilidades. Esta forma de estar na vida leva inevitavelmente a uma certa destruição das barreiras entre o que é entretenimento e o que é suposto ter significado – já que quer o discurso sobre coisas “sérias” quer a ficção obtêm o mesmo resultado real: zero. E aqui entramos no campo da proliferação descontrolada de conteúdos sobre tudo o que se possa imaginar. É esta uma das causas dos ciclos noticiosos de 24 horas ininterruptas, das redes sociais, etc. Ao retirar a possibilidade de um discurso que leve a algo real e concreto a comunicação degenerou numa forma de entretenimento com meros objectivos propagandísticos e comerciais.

"Ver aquilo que temos diante do nariz requer uma luta constante" – George Orwell

“Ver aquilo que temos diante do nariz requer uma luta constante” – George Orwell

É esta dose de informação indiferenciada (em que o ficcional e o real não se distinguem), que se tornou uma droga altamente aditiva para tantos, que leva ao estrangulamento da sociedade civil. Porque a acção política, social e económica não se compadece com as necessidades emocionais dos cidadãos, ela é necessária mesmo que os cidadãos apenas estejam interessados numa interminável conversa sem objectivo. Dado este caos mental não é portanto de estranhar que até os meios de informação, nominalmente, livres (como blogues ou fóruns) se comportem como produtores de conteúdos comerciais. Multiplicam os temas e posts diários numa tentativa de dar ao utilizador a dose de droga “informativa” que ele quer, mesmo quando o necessário é uma desintoxicação e uma religação com a realidade. Numa tentativa de permanecer relevantes acabam por ser submersos num mar de símbolos e imagens.

"Where there is power, there is resistance" – Michel Foucault

“Where there is power, there is resistance” – Michel Foucault

Para quem quiser emergir desta inundação de trivialidades ficcionais o caminho é relativamente simples ainda que nem sempre agradável. Será necessário começar a aceitar que muitas vezes a realidade não satisfaz as nossas necessidades e que os substitutos fictícios só nos alienam e colocam ainda mais longe da possibilidade de um dia ser capaz de suprir essas necessidades. Em segundo lugar terá que começar por procura um porto seguro, uma fundação sólida onde possa reconstruir a sua pessoa sem interferências nem agendas – é essa uma das funções da Irmandade de Némesis. E por último começar a viver coerentemente com aquilo que se pensou, com quem somos e queremos ser. A longo prazo quem seguir este caminho encontrará estabilidade, saberá distinguir o real do falso e acima de tudo será capaz de acção real (que cause mudanças tangíveis) sem se deixar enganar por opiáceos intelectuais. Quanto aos que se afastam de um caminho de individuação e de realismo é escusado falar. Pertencem ao grupo dos náufragos da sociedade moderna. Perderam-se em alto mar e no seu delírio deixaram de ter a capacidade de distinguir entre as suas alucinações e o que realmente existe.

Os sapatos sociais

“” Order is the barrier that holds back the flood of death. We must all of us on this train of life remain in our allotted station. We must each of us occupy our preordained particular position. Would you wear a shoe on your head? Of course you wouldn’t wear a shoe on your head. A shoe doesn’t belong on your head. A shoe belongs on your foot. A hat belongs on your head. I am a hat. You are a shoe. I belong on the head. You belong on the foot. Yes? So it is. In the beginning, order was proscribed by your ticket: First Class, Economy, and freeloaders like you. Eternal order is prescribed by the sacred engine: all things flow from the sacred engine, all things in their place, all passengers in their section, all water flowing. all heat rising, pays homage to the sacred engine, in its own particular preordained position. So it is. Now, as in the beginning, I belong to the front. You belong to the tail. When the foot seeks the place of the head, the sacred line is crossed. Know your place. Keep your place. Be a shoe. “”

Snowpiercer, 2013

Hell is empty and all the devils are here. William Shakespeare

Hell is empty and all the devils are here – William Shakespeare

Os detentores de algum poder (a expressão neste contexto é utilizada da forma mais depreciativa possível) estão interessados em criar um especifico inferno negro, para nele enfiar a população.

O método utilizado para o fazer é a triagem económica. Os escolhidos para fazer parte desse novo  inferno negro serão colocados numa zona social e económica de exclusão.

Na prisão que foram forçados a escolher e da qual nem consciência tem que assim é, são informados que a exclusão tem características definitivas e serão motivados a conformarem-se com o destino que lhes foi totalitariamente imposto.

Motivados pela manipulação ou pela força bruta se necessário. São “os novos sapatos sociais”.

Os sapatos sociais desempregados, os a quem se diz, “mantenham o seu lugar, sejam um sapato social”.

Esta nova realidade está a tentar ser construída. Serve também o propósito sinistro de enviar uma mensagem aos restantes membros da população que sobram desta triagem, os que ainda estão incólumes ou resistam a esta forma de organizar a sociedade.

A mensagem é a seguinte.

Apoiem esta “nova mudança de paradigma”. Apoiem a traição que é feita aos vossos compatriotas.

O inferno negro (ainda) está vazio mas os demónios (já) estão aqui.

Temos que lidar com eles. O custo que nos é infligido por recusarmos lidar com demónios é demasiado elevado para ser pago.

A forma como esta traição é efectivada manifesta-se através da manutenção do  desemprego estrutural numa parte da  população para melhor favorecer o controlo de toda a população e para melhor a degradar.

“Os regimes autoritários contemporâneos parecem resolver o problema do desemprego à custa da eficiência e da liberdade.” ―John Maynard Keynes

“Os regimes autoritários contemporâneos parecem resolver o problema do desemprego à custa da eficiência e da liberdade.”
―John Maynard Keynes

Como começou o processo de transformação da realidade num inferno negro, que será, por enquanto, apenas para alguns?

Décadas de crescimento económico derivadas dos custos baixos de energia conjugados com taxas de retorno de investimento elevadas (Civilizacionalmente a lei dos diminishing returns estava ainda no seu processo ascendente…), e, especificamente na  Europa, a implementação do Estado social, tudo conjugado, criou uma ilusão de bem estar eterno e crescimento infinito.

Porque o inferno negro (ainda) está vazio mas os demónios (já) estão aqui, desde a década de 80 do século passado, mudou-se de paradigma e passou-se ao experimentalismo neoliberal misturado com tecno fascismo e crenças induzidas no “poder mágico” da tecnocracia como instrumento de operacionalidade administrativa publica e privada. E muita ganancia como tempero.

A nova ordem política e administrativa, o “uber” capitalismo sem qualquer regra que não a maximização do lucro e a implementação do mercado como padrão seriam aplicados a todas as sociedades. Um novo produto politico social – a democracia dos mercados – era vendido como a nova panaceia desenvolvimentista ocidental.

Esta reciclagem de velhas ideias totalitárias baseada em pensamento mágico travestido de ciência, tinha e tem como objectivo político destruir a democracia. A democracia como direito das populações afirmarem o que querem escolher e o que querem para a sua vida é um obstáculo aos mercados e aos tecnocratas.

Decidiu-se que seriam entregues a ” técnicos”, uma lista de assuntos que, passariam a ser decididos sem recurso a decisões políticas (leia-se eleições), mas sim em gabinetes, onde as decisões passariam a ser caucionadas e implementadas através de um selo técnico de aprovação emitido pelos “especialistas”.

Os especialistas não são eleitos e são facilmente corrompiveis. Os mercados convivem bem com a corrupção e absorvem-na.

frase-o-especialista-e-um-homem-que-sabe-cada-vez-mais-sobre-cada-vez-menos-e-por-fim-acaba-sabendo-george-bernard-shaw-101874

35 anos depois os resultados são desastrosos em todas as dimensões. Como bons fanáticos totalitários, os defensores destas ideias continuam, em estilo zelota moralista a afirmar as infalibilidades destas concepções, mesmo que os custos sejam enormes em todos os parâmetros.

O combustível que alicerça esta crença obsessiva chama-se ganancia. O aditivo do combustível chama-se psicopatia.

Inicialmente, a generalidade da população, mesmo a nível mundial, aceitou a situação nova. O dinheiro fluía e parecia que seria sem parar; por ignorância ou auto corrompimento a situação tornou-se ” um facto”.

Contudo, os sinais de que algo estava errado e podre começavam a evidenciar-se. Uma minoria de pessoas estava a ser “escorraçada” para fora do sistema social, político e económico, mas o seu numero era crescente ano após ano.

Pressentindo o perigo e querendo esbater as evidencias cada vez mais óbvias as tribos políticas – as principais responsáveis pelo estado a que se chegou – pelas constantes omissões de comportamentos e pela corrupção ética que exibem, tem produzido uma mensagem de negação da realidade, promovendo a falsa esperança nos futuros risonhos que ai virão.

Em Portugal, a tribo politica da esquerda, durante 3 décadas, gritou aos 4 ventos que “só através de crescimento económico mediante massivo investimento público (exactamente que tipo e qual crescimento económico é algo que nunca se diz…) se poderia crescer e reduzir o numero de excluídos na sociedade e assim abrir oportunidades de ascensão social para todos.(Segundo esta concepção cheia de felicidade imensa, todos podem ser sapatos sociais, mas alguns serão subsidiados para não o serem e outros serão  subsidiados para se sentirem melhor a serem sapatos sociais…)

Este posicionamento, revela a hipocrisia e o cinismo dos proponentes e revela a total incapacidade de definir objectivos concretos que defendam a população deste país.

flyer - 2014-12-04 - TRIBO DA ESQUERDA

Em Portugal, a tribo política da direita, durante 3 décadas, gritou aos 4 ventos que só através da criação de riqueza (isto é, da criação de riqueza que beneficiasse apenas os membros, familiares e associados da tribo politica da direita)  se poderia crescer e oferecer oportunidades ao numero de excluídos na sociedade e assim abrir oportunidades de ascensão social, para quem quiser trabalhar (Segundo esta concepção cheia de felicidade imensa, tal assim será para quem quiser ser apenas um sapato social obediente, que vote na direita e aceite que, quando as circunstancias o exigirem, lhe sejam retirados bens patrimoniais, poder pessoal e autodeterminação,sendo esses “bens” retirados apenas para melhor glória e benefícios do crescimento de riqueza na direita, familiares e associados..)

Este posicionamento, revela a hipocrisia e o cinismo dos proponentes e revela o total desprezo pela população e pelo país e apenas consegue encarar as pessoas como seres obedientes que existem apenas para servir.

FLYER - 2014-12-04  - TRIBO DA DIREITA

As duas tribos políticas, com os seus múltiplos spin offs políticos, agentes ao serviço, grupos de interesse, remoras parasitas que flutuam entre ambos os grupos, corrupções éticas varias e miopia institucional e patriótica, tem conseguido apenas desbaratar recursos, destruir valor económico e social, e gerar um caos constante no relacionamento das pessoas entre si e com o Estado.

Como tem reagido a população às constantes quebras do contrato social que lhes são feitas por estas tribos políticas?

Cheia de entusiasmo, feliz com os fracassos a população emite arrotos irracionais de cidadania de 4 em 4 anos. O caos constante em que vive já lhe parece uma segunda pele e defende psicologicamente que assim sempre foi, de tão condicionada está. Esta recusa de mudar tem um preço demasiado elevado, mas a resposta da população é sempre constante e irracional – mais do mesmo. Este linear histórico de comportamento pós 25 de Abril de 1974 repete-se e não se aprende.

Para espelhar o linear histórico de comportamento, as reclamações e as queixas são também irracionais e repetitivas quando a coisas não correm bem. “Os políticos são todos iguais” como argumento de desresponsabilização, já perdeu o seu prazo de validade como desculpa a ser apresentada pela população.

Porque o inferno negro (ainda) está vazio mas os demónios (já) estão aqui, o desemprego é um problema estrutural. Os outros problemas inseridos na quebra do contrato social são problemas estruturais; é necessário lidar com eles.

Porque o inferno negro (ainda) está vazio mas os demónios (já) estão aqui, temos que lidar com eles. O custo que nos é infligido por recusarmos lidar com demónios é demasiado elevado para ser pago.

O Enclave recusa ser uma zona económica e social de exclusão.

O Enclave recusa promover a ideologia dos sapatos sociais.

O Enclave é uma zona de exclusão ética e espiritual.

O Enclave lida com demónios e combate-os.

O Enclave é eterno.