Um grupo de comunicação social falido em Portugal

“Viewed from a distance, everything is beautiful.”

Tacitus agrícola

Imagine-se que um grupo de comunicação social, proprietário de uma estação de televisão, de um jornal, de várias revistas de segmentos específicos e com uma enorme influencia e quota de mercado está falido.

Imagine-se que este grupo de comunicação social, em tempos idos que já lá vão, para criar escala e tamanho decidiu pedir credito bancário para adquirir novos títulos para o seu portfólio, endividando-se pesadamente.

Imagine-se que o credito bancário foi concedido em maior extensão, durabilidade e ligeireza pelo facto de o dono da empresa ser um indistinto empresário com ligações a um partido político.

Imagine-se que foi inexistente uma clara avaliação económica, foi inexistente uma analise custo beneficio, foi inexistente uma avaliação de tendências económicas para o futuro no que diz respeito à manutenção e viabilidade económica positiva do ambiente de negócios que justificasse este amplo pedido de credito.

Imagine-se que apenas se emprestou pelo facto de quem pediu ser quem era…

Imgine-se que era um empresário  “too big to fail…”

Imagine-se que varias luas e o grupo de comunicação social está falido. Tecnicamente e de facto.

Imagine-se que parece o papagaio morto do skecth dos Monty Python, mas o vendedor diz para o comprador que o papagaio está vivo. Com convicção.

Imagine-se que tem uma divida bancária de 200 milhões de euros, mais troco menos troco.

Imagine-se que essa divida bancária sobe de ano para ano.

Imagine-se que este grupo económico de comunicação social está cotado na bolsa de valores  portuguesa e o valor da sua acção desce mês após mês continuamente e com a convicção de obrigatoriedade.

Imagine-se que um dos credores bancários deste grupo é também accionista com uma pequena posição…e detém metade dos créditos a haver..

Imagine-se que o stock de suicidas económicos está esgotado e nenhum outro grupo económico, ou investidor, ou concorrente, ou otário quer ou está disposto a enfiar-se neste buraco financeiro sem fundo.

Imagine-se que um dos credores financeiros deste grupo insistiu com o patrão do mesmo para que ele vendesse parte do portfólio de revistas e jornais do grupo , para abater à divida e baixar prejuízos…

Imagine-se que imensos títulos dos grupo de comunicação social foram vendidos por fracções insignificantes do que tinham custado.

Imagine-se que a má gestão do dono deste grupo –  gestão essa que passou a ser orientada por critérios de favorecimento de forças políticas que agradavam ao dono em vez de critérios económicos visando o aumento de quotas de mercado  – foi o  motivo único e principal para este descalabro.

Imagine-se que o dono deste grupo de comunicação social, dentro da tradição bem portuguesa de pedir favores ao Estado quando se tem problemas por culpa própria (ou não), decidiu “meter uma cunha” ao actual governo em funções.

Imagine-se que “a cunha” tinha como objectivo solicitar a interferência do governo no sentido de este solicitar ao banco público estatal um pequeno favor na forma de um empréstimo.

Imagine-se que o actual governo em funções decidiu recusar.

Imagine-se que os “jornalistas” e o dono do grupo de comunicação social espumaram raiva, ira e fúria e decidiram promover uma campanha mediática negativa contra o governo em funções.

Imagine-se que uma das acções de combate consistiu na obtenção das gravações do interrogatório judicial do antigo primeiro ministro pertencente ao partido politico do governo em funções onde este está a ser acusado criminalmente de inúmeros crimes verdadeiros, falsos e eventuais como forma de lançar lama e fazer pressão.

Imagine-se que estes “profissionais” – jornalistas sabem que é apenas uma questão de tempo até serem despedidos e como tal lutam por manter os privilégios inerentes a uma sinecura privada corporativa, mesmo que cometam crimes para o fazer…

Imagine-se que os pedidos/ordens/cunhas /sugestões ao banco estatal público via governo foram recusados e o líder da bancada de deputados do partido político ao quais o indistinto  empresário tem ligações foram para o parlamento exigir  que a lista de credores do banco publico estatal fossem divulgadas num notável lançamento de lama.

Imagine-se que a lista foi divulgada, mas os créditos do banco estatal publico eram menores que os do banco privado que é credor de metade da divida deste grupo de televisão e de um outro banco espanhol que despoletou este caso ao exigir ” ressarcimento da divida or else…

Imagine-se que isto é Portugal com o capitalismo de amigos para amigos e pelos amigos com corrupção ética à mistura com partidos políticos…e lançamentos de lama feitos por deputados e amigos da cor e onde os cortesãos jornalistas desempenham o seu papel.

Plunderers of the world, when nothing remains on the lands to which they have laid waste by wanton thievery, they search out across the seas. The wealth of another region excites their greed; and if it is weak, their lust for power as well.   Nothing from the rising to the setting of the sun is enough for them. Among all others only they are compelled to attack the poor as well as the rich. Robbery, rape, and slaughter they falsely call empire; and where they make a desert, they call it peace.”

Tacitus, agrícola

Anúncios

De pisistratus a Marcelo Rebelo de Sousa, o populismo expande-se…

Pisistratus (607 A.C – 528 B.C) é considerado pelos politólogos (os actuais demagogos oficializados e legitimados pela academia…) como o maior e primeiro demagogo populista na história Ocidental. (Dizem os rotos ao nú porque não te vestes tu…)

No currículo de  Pisistratus contam-se ter governado como tirano apoiado entusiasticamente pelas massas somente 3 vezes, ter-se tornado o líder do povo das terras altas (os rurais; pobres e excluídos daqueles tempos…), de ter orquestrado um golpe de estado fingindo ter sido atacado, exigindo posteriormente guarda costas, escolhendo-os das fileiras dos membros das terras altas e usando-os para entrar em Atenas e tornar-se tirano.

Após ter criado esta “startup” bélica revolucionária, e após já ter sido deposto também entrou de carruagem em Atenas com uma mulher alta vestida de deusa Athena.

Pisistratus notou que fingir-se um membro do povo e fazer gestos simbólicos e populares de identificação com o povo parecia dar resultado.

Em Portugal, pais prolífico na produção de demagogos, populistas e demais aves de arribação estes surgem em todas as cores e formatos e cheiram todos mal. Há mesmo uma industria local que já pediu certificação comunitária…

Recentemente, tem emergido um chamado Marcelo Rebelo de Sousa. Emergiu embora tenha estado a marinar ao longo de 3 decadas.

É o actual Presidente da República.

Está em funcionamento 24 horas por dia e localmente tem muito sucesso. Os conselheiros desta bateria humana mesclaram um arlequim com um sapo saltitante de nenúfar em nenúfar e adicionaram o software “picareta falante”. O resultado é um boomerang humano viajante incansável que nunca se cala nem debaixo de agua emitindo opiniões sobre tudo.

Retrospectivamente este retórico prolífico descobriu em inicio de carreira que ser filho de um ministro do Estado Novo (“Estado novo” é a expressão em português suave para não dizer a palavra “Ditadura” que era o que aquilo de facto era…) e obter as correspondentes facilidades (saltar o serviço militar obrigatório em tempo de guerra para ir fazer uma licenciatura em direito e posteriormente um mestrado…) não o impediam de se tentar identificar com ” o povo”.

Com estas vantagens e com o conhecimento das ter tornou-se professor de direito numa época em que eles eram rarefeitos e raros (a exclusividade monopolista de uma casta profissional seja ela qual for traz vantagens…) e posteriormente jurisconsulto ou seja, um dos mestres definidores do que é a interpretação da lei a ser seguida e do que não é.

Também tirou um curso em “multitarefas”. Foi jornalista, chefe de partido político, administrador de casas ducais (Irónico: um Presidente da República é adepto da instauração de um regime que é em tudo oposto à Democracia/República…).

Teve ainda tempo para ser amigo de banqueiros posteriormente acusados de corrupção e comentador televisivo de futebol, física quântica, hortofloricultura e mais 300 ou 1000 actividades comentando tudo e nada, sendo especializado em nada e comentando tudo.

200 milhões de euros (a preços actuais) é o preço para manter em funções este boomerang arlequim saltitante durante os próximos 10 anos.

As vozes da situação justificam retoricamente os gastos deste cargo com a frase: “a democracia tem custos”. De facto tem, mas existem custos democráticos justificados e custos democráticos injustificados e a existência deste cargo prova-o.

Esta auto nomeada nova “voz do povo” gasta 20 milhões de euros por ano em beijos ao vivo nas várias festas pelo país. (Velhos,novos,crianças, animais de estimação ninguém escapa impune…)

Gastrônomo e escanção amador oferece comida a sem-abrigo apenas no dia em que lá vai (nos outros dias não se sabe…), deglute ginginhas e bebidas regionais ou degusta bolos típicos e atípicos de uma qualquer terra saloia nas suas peregrinações. Nos intervalos vai  à bola, ao teatro, às greves, às manifestações bombardeando tudo o que se mexe com opiniões e afectos em pacote, por comprimidos, por injecção intravenosa.

É fútil tentar escapar.

Pisistratus, o inseminador original do  populismo, fazia campanha como herói triunfante, apesar de apenas ter lutado numa batalha, a conquista de Salamis.

Numa campanha eleitoral, Marcelo Rebelo de Sousa tomou banho no Tejo, e conduziu um táxi por Lisboa – tarefas bastantes mais perigosas que a participação na batalha de Salamis.

Armado com a confiança desses dois feitos, sozinho e desarmado, fala como se tivesse saneado as contas publicas, apagado os incêndios, imposto a democracia no mundo, convencido a Nasa a enviar uma missão a Marte, chacinado a fome em Africa e demais fantasias.

Este é um dos enormes problemas do cargo “Presidente da Republica”, cuja configuração constitucional está errada, é desnecessária, leva a que os ocupantes do cargo se pretendam substituir aos governos eleitos.

Tarefa que não lhes compete, nunca lhes competiu, nem lhes irá competir fazer.

No caso presente temos um ocupante do cargo viciado em se substituir aos governos eleitos.

Todas as gerações de demagogos populistas fingiram demonstrar sentir empatia para com os sofrimentos dos excluídos  da sociedade. Esta empatia falsificada e ensaiada visa obter o voto em eleições, pretende o aplauso canino dos seguidores subservientes, deseja a aclamação por unanimidade.

Estes redentores feitos de plástico colocam-se “ao lado do povo” e pretendem denunciar  os males infligidos pelas classes privilegiadas – sendo eles próprios membros de classe privilegiada.

Um populista apela à condescendência da população para construir uma aura. Onde existem problemas ele surge com a sua capa de super herói e denuncia os males. Com um sorriso, larga um palpite, manda um recado, despeja um pouco de veneno político, condiciona com uma pose, demonstra ser ” diferente” quando quebra o protocolo.

O mediano populista é um narciso que perdeu o espelho para onde olhava apaixonado por si próprio.

O povo simples (e simplista) e a elite corrupta (endogamia) são os campos de batalha decididos pelo demagogo, o tal que fala directamente com o povo – assim ele o julga. Fala nada dizendo.

Preocupado com fantasias de poder, mas inseguro, quer ser o funcionário modelo da empresa Portugal S.A. Sentido-se especial e uma dádiva divina ao país exige admiração de todos, que todos saibam quem é e a suas aparições flash tem como efeito fazer dele o centro das atenções.

Só substancia, nenhuma essência.

Exige admiração dos outros e sente “estar no seu direito” aproveitar-se dos outros para benefício próprio.

A solução é simples.

Não apoiar o populista e não votar nele.

Dividas e o seu pagamento – 2

“For a country, everything will be lost when the jobs of an economist and a banker become highly respected professions”.

Charles de Secondat, Barão de Montesquieu.

⊕⊕

Em 380 A.C, Platão descreve no livro VIII da sua obra “A República”, um diálogo de Sócrates com Glaucon. Aponta-se aí a negligencia, a ganancia e o encorajamento da irresponsabilidade; (o que nos dias de hoje se chama narcisismo, indiferença social e sociopatia) das oligarquias atenienses.

Explica Sócrates que esta cultura de ganancia funciona como a picada de um insecto parasítico e o veneno que resulta da picada é o dinheiro injectado no que ainda restar imaculado na sociedade.

Afirma Sócrates:

“Ora esses usurários de cabeça baixa, sem parecer vê-los, ferem com o seu dinheiro, injectando-lhe, quem se lhes submeter dentre os restantes, e, multiplicando vezes sem conta os filhos nascidos desse pai, fazem pulular os zangãos e os mendigos na cidade”…
(…)
Seja como for – disse eu – , não estão dispostos a extinguir esta espécie de maldade, quando começa a querer ficar em chamas, por aquele processo de impedir que se disponha dos bens como se quiser, ou por este, de resolver esta situação por meio de uma outra lei.

– Por qual?

– Por uma que fosse a melhor alternativa da primeira, e que forçasse os cidadãos a preocupar-se com a virtude. Efectivamente, se se estabelecesse que os contratos voluntários, na maior parte dos casos, se fizessem à conta do próprio, os cidadãos transaccionariam com menos falta de vergonha, e haveria entre eles um numero menor daqueles males de que há momentos falamos”…

Os efeitos práticos descritos nestes fragmentos do dialogo criaram dívida impagável para muitos atenienses. As consequências foram as esperadas.

Perda de terras e casas, destituição de quaisquer bens que possuíssem, pobreza extrema e mendicidade. A aplicação cega e absoluta das regras em favor dos credores cria um pequeno exército de pobres e ociosos que doravante viverão suportados pelo Estado Ateniense.

Desequilibrando a sociedade desta maneira; pelo aumento da injustiça e dos deserdados da terra, o fermento da alternativa surge na população. As pessoas, quer queiram, quer não queiram, quer gostem quer não gostem começam a conspirar (e justamente) contra os adquirentes de fortuna, os credores, os legatários e herdeiros, os que tem poder. A  vontade de revolução fica a uma ténue linha de distancia.

Sugere Sócrates, que a maneira de evitar este desastre potencial (a usura associada à especulação…mais a posse dos bens do devedor…), consiste em fazer aprovar uma lei proibindo um homem de fazer o que quer com o que é seu ou à sua maneira irrestrita e uma segunda lei que limita esses abusos.

Esta ideia atribui uma “obrigação“ de os credores partilharem também, o risco de não pagamento e cumprimento de contratos (quando é manifesto que não se podem pagar)  que é o que verdadeiramente estava em causa à 2400 anos e actualmente.

2400 anos depois, a situação repetiu-se sob a forma de tragédia amplificada. O correctivo que deveria ser aplicado aos bancos comerciais e demais entidades que tivessem concedido empréstimos claramente para lá da capacidade do devedor de os repagar e claramente  com clausulas nos mesmos que só podem ser classificadas como fraudulentas; não foi aplicado e esta mesma lógica manteve-se.

Continua por aplicar o correctivo, até à próxima crise.

“Debt is a mistake between lender and borrower, and both should suffer. “
Nassim Nicholas Taleb

Duas “morais” confrontam-se numa batalha mortal.

São exemplificadas pelas citações abaixo transcritas.

A primeira baseia-se em  solidariedade e cooperação social. Um conceito de sociedade decente.

“Man is born in society, and there he remains.” To survive, people need to cooperate in a system of mutual aid. “Man is, by nature, the member of a community; and when considered in this capacity, the individual appears to be no longer made for himself. He must forego his happiness and his freedom, where these interfere with the good of society.”

Charles de Secondat, Bãrao de Montesquieu, O Espírito das Leis.

A segunda baseia-se em egoísmo, narcisismo, e egocentrismo, numa atitude de “salve-se quem puder” baseada na negação da existência da comunidade.

“Greed, for lack of a better word, is good. Greed is right. Greed works. Greed clarifies and cuts through to the essence of the evolutionary spirit.”

 Gordon Gekko (Michael Douglas) Wall Street 1987

ou :

“There is no such thing as a society”

Margaret tatcher

Merchants have no country. The mere spot they stand on does not constitute so strong an attachment as that from which they draw their gains.
Thomas Jefferson

Onde antes a economia era definida como uma “filosofia moral”, depois foi sabotada e subvertida para ser operada a transformação em individualismo extremo.

As tentativas constantes das elites neoliberais e das remoras  que com eles viajam de apagar o passado ou omiti-lo visam fazer esquecer dois mil anos de filosofia e moral, que insistiram em comportamentos de auto controlo, generosidade, tratar dos fracos e dos pobres. Filósofos, movimentos religiosos, igrejas, regimes políticos, dinastias instituíram regras que limitavam a indiferença luxuosa emanada das elites.

Actualmente pretendem estas elites apagar o passado para que este seja excluído do espaço público e da conversa social e se desconheça qual o legado civilizacional.

O objectivo é a sua substituição por uma nova filosofia de teor revolucionário chamada neoliberalismo.

Promover a inversão da atitude moral de repulsa pelas atitudes descontroladas e sem limites que os credores e quem tem poder (muitas vezes um destes estados confunde-se com outro e são ambos o mesmo…) , é o objectivo e é um objectivo contra o resto da sociedade.

Isto fundamenta a luta que as modernas elites financeiras fazem contra as restrições feitas por governos democráticos que lhes pretendam limitar a sua obtenção de riqueza. As elites financeiras recusam a taxação progressiva e forçam “flat taxes”, recusam perdões de divida e tentam retirar o controlo democrático dos governos eleitos que ainda existe sobre as velhas elites rurais recicladas em capitalistas financeiros ou industriais ou os grandes hub´s bancários com as adjacências offshore.

São pequenos em numero estes grupos de interesses investidos na aquisição de mais poder e maior lucro, mas detém muito poder e escondem-se nas sombras.

Declinam sempre exercer o poder directamente, mas exigem receber os frutos derivados da influencia que exercem por detrás dos bastidores. Não tendo legitimidade nem autoridade formal, nem apoio visível na população pela sombra movem-se subvertendo.

O tempo presente tem que ser – para estas correntes de erradicação da história – extremamente censurado. O passado tem que ser reescrito, com a nova história que elas próprias criaram e que é falsa.

Irão falhar.

Dividas e o seu pagamento – 1

Win or lose, though, begging for scraps at the tables of the rich is a sucker’s game.  In social change as in every other aspect of life, who pays the piper calls the tune, and the rich—who benefit more than anyone else from business as usual—can be counted on to defend their interest by funding only those activities that don’t seriously threaten the continuation of business as usual. Successful movements for social change start by taking effective action with the resources they can muster by themselves, and build their own funding base by attracting people who believe in their mission strongly enough to help pay for it

John Michael Greer

⊗⊗

Em 380 A.C, Platão descreve no livro I da sua obra “A república”, um diálogo onde participa Sócrates e debate inicialmente com Céfalo e Polemarco (filho de Céfalo) qual deve ser a moralidade aplicável ao pagamento de dividas.

Céfalo, um mercador e herdeiro de terceira geração define qual é a linha de pensamento típica e a ética dos mercadores no que diz respeito a este assunto: que é justo e correcto pagar a divida que se tem ou o reembolso do empréstimo que se fez.

Sócrates contra argumenta:

Se alguém recebesse armas de um amigo em perfeito juízo, e este, tomado de loucura, lhas reclamasse, toda a gente diria que não se lhe deviam entregar, e que não seria injusto restituir-lhe, nem tão pouco consentir em dizer toda a verdade a um homem nesse estado…”

Fornecer armas a um homem que endoideceu (por analogia: um repagamento de uma divida…) e que caso as usasse no estado de loucura em que está, as consequências não serão nem correctas nem justas. (o devedor ficar sem nada, passando a viver na indigência…)

Na realidade, quer Sócrates com isto dizer que existem excepções aos repagamentos de dividas e essas excepções devem ser aplicadas e devem ser transformadas em lei numa sociedade justa.

(Numa nota lateral, e especulativamente, deveremos suspeitar que a hostilidade dos adeptos e claques de apoio ao neoliberalismo e ao capitalismo selvagem aos filósofos; radicam em posicionamentos como este; acaso os neoliberais conheçam os filósofos e saibam quem são ou quem foram.)

Debt-Bonds jpg

“Debt is a mistake between lender and borrower, and both should suffer. ” Nassim Nicholas Taleb

O primeiro argumento explanado por Sócrates acerca do repagamento de dividas não dever ser feito em todas as circunstancias não é o argumento primário aqui.

Existe um sub argumento baseado numa lógica de micro moralidade – este; e existe um sub argumento de macro moralidade ou macro estrutura da sociedade implícito na analise.

Que é o seguinte: como é que obrigar devedores que estão impossibilitados de repagar más dividas/divida tóxica) afecta toda a sociedade?

Parafraseando a ideia de Sócrates: se um doido tem intenções de cometer assassínio e provocar o caos, devolver-lhe a arma que o possibilita fazer tal irá facilitar o seu cometimento de mais actos injustos e as consequências serão mais sofrimento ou mais mortes nos que forem as suas vitimas.

Significa que de um ponto de vista de justiça, a moralidade de repagar todas as dividas falha em significar que justiça esteja a ser feita, porque as consequências gerais e estruturais para uma dada sociedade tem que ser levadas TODAS em conta e não só aquelas que interessam à micro moralidade do credor….

Uma “analise custo beneficio” tem que ser feita relacionada com o que a sociedade ganha com isto e o que perde.

Oligarcas e mercadores; os que propõem uma forma musculada de fazer as coisas tem feito força – continuadamente – favorecendo as “soluções” que foram aplicadas recentemente aos países europeus com este tipo de problemas de divida e à forma de resolver a recente crise infindável…, enquanto não manufacturam outra nova crise infindável para justificar ainda mais a imposição deste modelo teocrático financeiro de resolução de problemas.

E de imposição de mais injustiça selectiva como forma de condicionamento de partes significativa da sociedade onde isto aconteça.

Utilizam um sub argumento escondido. No óptica oligárquica-mercadora defende-se que deve ser salvo; primeiro,os interesses dos credores ricos – a sua salvação de perdas financeiras, em muitos casos por si mesmos criadas.

Defende-se a primazia que seja (1) a moralidade de que todas as dividas devam ser repagadas vs (2) a economia real e a sociedade estrutural em toda a sua extensão, com os problemas de desemprego, emigração e miséria levando à emigração, piores condições de saúde e de vida para a generalidade da população e menor tempo de vida que resultem da aplicação da forma musculada de fazer as coisas – a prevalecer.

Estas duas lógicas confrontam-se, mas o que está em causa verdadeiramente é o comportamento abusivo, egoísta, criminoso, ganancioso dos credores que criaram uma * narrativa e uma prática que os isenta de responsabilidades, passando-as para os devedores na sua inteira totalidade.

*… by funding only those activities that don’t seriously threaten the continuation of business as usual. …

(continua)

Os jornalistas portugueses são os guardiões da manipulação. É isto que as elites querem; nós devemos recusar

“The masses have never thirsted after truth. They turn aside from evidence that is not to their taste, preferring to deify error, if error seduce them. Whoever can supply them with illusions is easily their master; whoever attempts to destroy their illusions is always their victim.”

~ Gustave Le Bon

No inicio, foi a revolução de 1974. Dai em diante, o trabalho dos jornalistas portugueses deveria ser o acto de fazer jornalismo livre e independente de censuras, quer  privadas, quer de controlos estatais, políticos e económicos, de assegurar o pluralismo da informação; assegurar que todas as opiniões (o maior numero possível…) seria veiculado para todos que quisessem  ou estivessem interessados em as escutar, comprar, adquirir, debater.

Após o inicio, inúmeros entusiastas neófitos a par com os meios de comunicação social já pré existentes e que vinham da ditadura onde existia censura ao que produziam; criaram novos meios de comunicação, especialmente jornais, já libertos de uma censura mantida pela ditadura que vigorou em Portugal até 1974.

Depois do inicio e em força desde 1985, especialmente os jornais, começaram a tornar-se “empresas de jornalismo” e com o licenciamento/abertura de canais privados de televisão e licenciamento de novas rádios, metamorfosearam-se em projectos empresariais que sobrepunham os interesses económicos (o lucro) aos interesses de fazer jornalismo, afastando para o lado todo o pouco pluralismo existente nesta sociedade.

Com a maturação de um sistema inicialmente pensado para todos e que gerava conhecimento e jornalismo para todos, passou-se a um sistema corporativo e fechado. Fusões de empresas de comunicação sucederam-se. Gerar empresas cada vez maiores era o objectivo, com mais lucros, mas menos jornalistas e nenhum pluralismo.

O comissário político/económico disfarçado de jornalista sobrepunha-se (sobrepôe-se) ao jornalista propriamente dito.

E chegámos ao “mercado” concentrado, não plural, oligopolizado e cartelizado, de qualidade hiper medíocre, em que os poucos jornalistas dissidentes que queiram mesmo fazer jornalismo são impedidos de o fazer, convidados a sair, colocados na posição de auto censura, ou arrumados numa prateleira para não perderem o emprego. Se o perderem,  estando no lugar ” x”, por dissensão de opinião, apenas existem mais dois ou 3 grupos  de meios de comunicação social onde poderiam trabalhar.

Este protótipo de jornalistas dissidentes acima descritos é ultra minoritário, uma pequena espécie autóctone.

O sistema foi armadilhado e funciona apenas para as elites (“Elites” entendidas no sentido mais depreciativo do temo que seja possível…).

Com os novos donos a ocupar o lugar os actuais bonecos de palha foram encarregados da aplicação das narrativas que beneficiam elites. Essa narrativa é ortodoxa e transformou as criaturas que nos são apresentadas como jornalistas nos  “guardiões da ortodoxia”.

Estes novos cortesãos servem diligentemente e com brio.

Contudo, debaixo de uma capa de sofisticação, são apenas instrumentos rombos, pintores de construção civil que colocam mau estuque manipulativo; aplicadores de camadas de cimento propagandístico que escondem a brutal realidade do neoliberalismo aplicado a esta sociedade, das enormes injustiças nela praticadas, que branqueiam e escondem os danos de um regime podre e decadente e que nenhum aspectos de democracia (tirando a fachada)  tem.

Na numismática exige-se patina às moedas. Neste ecossistema maligno trabalha-se em prol da colocação de uma patina de brilho sobre as figurinhas ridículas da instituições e (acessoriamente) exalta-se sempre que possível as virtudes da tribo da direita política.

(Em Portugal, existe a originalidade de só esta agremiação de cretinos da tribo da direita política ter direito a ser branqueada de forma permanente; já a tribo da esquerda politica é sempre vilipendiada excepto quando interessa branquear facções dentro da mesma. Surge o clássico “dividir para reinar” aplicado sobre a tribo da esquerda política, para a impedir de chegar ou manter o poder. Uns grupos são exaltados em detrimento dos outros e no próximo turno, a outra facção da tribo da esquerda política será branqueada no próximo ciclo politico. (Merecem-se todos uns aos outros…)

(As elites de poder que vivem nas sombras divertem-se a incentivar este jogo.)

As elites políticas, sociais, económicas portuguesas são extremamente limitadas.

A sua programação limitada interna contém apenas uma instrução dividida em duas partes.

(A) Só se deve defender os seus próprios interesses e os dos amigos.

(B) tudo o resto deve ser ignorado.

As consequências deste pensamento pobre e limitado são obvias.

Ignorando tudo o resto, resta-lhes apenas conseguir interagir umas com as outras (endogamia social oblige…). Como as instruções de programação não dão para mais, ficam sempre surpreendidas e espantadas com o nível de ressentimento, revolta e alheamento que a generalidade da população sente.

Escudados por zonas francas de bem estar, físico, psicológico e económico, quer nos locais selectos das periferias das cidades ou nos centros principais das duas maiores cidades, o resto da população só é autorizado a entrar se for lá para trabalhar nas limpezas da porcaria que esta gente produz diariamente ou para servir cafés.

Os seus núncios jornalistas comissários da propaganda tem instruções para ignorar, e/ou ocultar e/ou manipular percepções quer o problema ocorra a 15 km de distancia ou numa aldeia remota. Sucedendo algo,  os seus núncios comunicacionais televisivos regurgitam uma verborreia inchada de teorias peregrinas acerca do que aconteceu – um dia antes nem sequer faziam ideia ou tinham sequer ouvido falar do que aconteceu.

Se e quando existe algum pico de contestação mais sério, acalmam aqueles que consideram e tratam como inferiores (95% da população), recomendam paciência, calma, ponderação e responsabilidade, incentivam a que trabalhem muito e pedem que se demonstre confiança no sistema armadilhado e no regime que temos (um regime subvertido por neoliberais e por elementos da extrema direita que fazem turnos para ver quem faz mais estragos..) prometendo final a cereja no topo do bolo: que as coisas ficarão bem e serão resolvidos problemas.

Esta narrativa tem “tendências” cíclicas. Actualmente a narrativa para acalmar o ressentimento latente baseia-se nos discursos do  “culto do empreendedorismo”, na “ética do pluralismo político”, na “cultura do mérito” , na “ascensão social para todos”, na ” confiança nas instituições”.

Também se baseia em apelos constante à união: temos que nos unir, dizem-nos e chegar a “consensos”. (Consenso, neste contexto, significa  baixar a cabeça e fazer o que as elites de poder querem…)

Um produto inexistente é constantemente promovido através do uso de mantras, de spots publicitários, de repetição constante de falsidades.

A realidade é outra.

As elites portuguesas continuam a oferecer soluções estúpidas.

Como são estúpidas só conseguem isso.

Move along, nothing to see here…

Harmony makes small things grow, lack of it makes great things decay.”
Sallust

Como o sistema português é modelado a partir do sistema americano de corrupção percebe-se que as coisas funcionam como um clube.

Todos os membros do clube, “entram em consenso” acerca da escolha dos candidatos que irão ocupar os lugares institucionais, profissionais, das ” zonas de conforto”.

Todos juntos, todos amigos, todos incompetentes, todos a viver numa redoma. (Observe-se a escolha de todos os candidatos à eleição para a câmara municipal de Lisboa nas recentes eleições autárquicas… competindo todos entre si para correr mais depressa em direcção à mediocridade…)

Incrustada a essa redoma disposta como massa de vidraceiro que colou mal, e está lá dependurada á espera que o tipo das obras venha novamente reparar correctamente o vidro,  estão os jornalistas cortesãos portugueses.

Aconchegados junto dos círculos, triângulos e octógonos de poder ,“Embebidos”, os jornalistas atingem o orgasmo comunicacional que Marshall Mcluhan lhes prometeu quando afirmou que “o meio é a mensagem”.

Por viverem todos no mesmo  “ambiente”, dia após dia, ano após ano, jornalistas e políticos por exemplo tratam-se por tu… e após algum tempo todos adoptam inconscientemente (muitos fazem-no conscientemente que nesta profissão existe um enorme desejo e dedicação à prostituição intelectual…que paga bem… ) os mesmos conjuntos de valores.

Geograficamente, habitam nas mesmas zonas livres de pobres/classe média, próximos dos outros e frequentam os mesmos ambiente suburbanos e as mesmas festas sociais…

Afinal de contas, são todos da mesma “classe”

É a total perversão do que o jornalismo deveria ser. Toda a imprensa deveria posicionar-se “de fora”,  vigiando os de dentro e recusando identificar-se psicologicamente com os “círculos do poder”.

É uma ” experiência partilhada com os “insiders”, assim se auto justificam…para aplacar eventuais remorsos sentidos…

Surge um negócio paralelo narcisista-capitalista. Os novos jornalistas – cortesãos criam personalidades publicas, marketizam-se como celebridades, manufacturam emoções, as próprias e as dos terceiros que estão a promover.

A política e a sociedade são irrelevantes, somente as artes negras da propaganda irão ser usadas para influenciar o comportamento dos cidadãos e em quem votam.

Deixou de ser cidadania e passou a ser uma estratégia comercial. Os subprodutos são óbvios: quando se trabalha num tal ambiente inconscientemente/conscientemente estas pessoas tornam-se facilitadores de qualquer estratégia comercial, oriunda da elite de poder ou associados.

As ideias que podem ser debatidas pela sociedade são cuidadosamente seleccionadas, as que não devem ser questionadas são ocultadas ou remetidas para o esquecimento. Os jornalistas são os “guardiões da ortodoxia”, da nova ortodoxia. Criam um novo tipo de véu de tirania intelectual, social e política semelhante a que foi imposta no passado pelo fascismo e pelo comunismo.

É isto que as elites querem; nós devemos recusar.

Do desastre da contemplação e das eleições autárquicas

Quando as estruturas de poder duma sociedade decidem implementar mecanismos de controlo sobre a população uma das estratégias usadas consiste em apelidar essa nova forma de controlo de ” moderna ou de modernidade”.

Esta estratégia quer envergonhar, atrofiar e amesquinhar psicologicamente os cidadãos tentando criar-lhes complexos de inferioridade  caso recusem aceitar ou simpatizar com estas novas formas de controlo que surgem com roupas novas chamadas ” modernidade” ou “modernas”.

Uma destas estratégias de “modernidade” é a criação da contemplação como realidade.

Existe um trabalho de décadas visando acelerar o ritmo das pessoas quer na sua vida pessoal, quer nos seus locais de trabalho. Tudo deve ser acelerado, as pessoas tem que se mover depressa, quase ao ritmo ou mesmo para lá do ritmo das máquinas com as quais trabalham.

O objectivo é forçar o esgotamento das pessoas, transformá-las em pequenos depósitos de stress. O resultado é o esmagamento de qualquer tipo de análise pessoal, introspecção, espiritualidade, interesse pela cidadania, proximidade com qualquer ideia de ética pessoal; tudo é feito para gerar o total desinteresse,  gerar o alheamento de tudo que não seja o pequeno ambiente familiar, pessoal ou do sitio onde se vive.

A dimensão social e humana dos cidadãos é reduzida à contemplação. E a micro espasmos episódicos, paroquiais, ao nível do bairro que por vezes irrompem e se manifestam de quando em vez em micro sublevações – regra geral sempre direccionadas contra os outros cidadãos que navegam no mesmo barco pequeno e micro; nunca contra os verdadeiros poderes estabelecidos.

Este ritmo acelerado faz as pessoas agir  e reagir. E pouco pensar. Conduz a uma intensa aversão à introspecção pessoal. “Reflectir  sozinho” e em silencio é, na nossa sociedade, considerado quase como um crime horrendo.  Algo de estranho e a evitar. Criam-se todas as condições para quase obrigar as pessoas a andarem em grupos de outras pessoas apenas para não estarem sozinhos, não vá dar-se o caso  de incorrem no enorme pecado que é a introspecção pessoal, a solidão e o silencio para acalmar a mente e melhor olhar para a realidade que os rodeia. E assim sair da contemplação como realidade.

A contemplação como realidade é apresentada como sendo moderna ou a modernidade. Segundo esta lógica perversa, são “arcaicos e anti progresso” os que a recusam.

Caspar David Friedrich - Wanderer above the sea of fog

“Each of us assumes everyone else knows what HE is doing. They all assume we know what WE are doing. We don’t…Nothing is going on and nobody knows what it is. Nobody is concealing anything except the fact that he does not understand anything anymore and wishes he could go home.” – Philip K. Dick

Um efeito imediato sobre a população é que uma nova realidade passa a existir. Chama-se contemplação mas é derivada da inexistência de introspecção. O que antes poderia existir e era introspecção, praticada pela generalidade das pessoas, passou a ser  contemplação. Do “pensar a nível interior” para a contemplação (o olhar contemplativo)  de paisagens geridas e criadas pelas elites, paisagens essas que são todas artificiais, falsas e prejudiciais à população se ficar a olhar fixamente para elas.

As palavras são diferentes, os significados que ambas tem são totalmente diferentes;  mas a introspecção passou a ser contemplação e a ideia verdadeira  do que era contemplação foi enterrada num local desértico e escuro para tentar fazer-se ser esquecida para todo o sempre e agora todos contemplam a realidade, mas não agem sobre ela.

A Irmandade de Némesis não esquece.

Esta nova “modernidade” origina a auto desresponsabilização e cria bodes expiatórios. Como se está a contemplar (de forma moderna…), tudo o que de mal acontece é projectado em terceiros, reais ou imaginários,  que são responsabilizados (mesmo que estejam a anos luz de distancia), e nada tenham efectivamente a ver com o assunto ou tendo a ver, estivessem originariamente impedidos de fazer mais do que o que fizeram.

“A política é a condução dos negócios públicos para proveito dos particulares.”

Ambrose Pierce

Eleitoralmente tivemos oportunidade de observar isso recentemente. No dia 1 de Outubro de 2017 a população portuguesa, em grande parte corrompida pelo contacto que tem com as elites e por culpa própria também, na sua grande parte destituída de ética pessoal, princípios, pouco civismo e  nenhuma convicção acerca do que é a verdadeira cidadania decidiu atribuir um cartão de monopólio com os dizeres “Sairá da cadeia sem cumprir pena” à generalidade dos eleitos das recentes eleições autárquicas.

Assumindo plenamente o papel de “contempladores profissionais”  (porque é moderno) em vez de agir (porque é arcaico) os portugueses decidiram votar na generalidade dos casos de acordo com as propostas de mediocridade na continuidade salpicadas pela corrupção ética dos candidatos e salteadas com a estupidez muito própria de quem julga que está a perceber imenso do que se passa e que está a proceder de acordo com  a aquisição de “vantagens especiais” para si , para a sua família e para os seus.

A nível autárquico a cobardia cívica, o desligamento da situação em prol de vantagens especificas pessoais, também conhecidas como “migalhas” que são oferecidas, foi a norma, o suborno barato.

O sistema político social e económico é um jogo corrompido, onde os vencedores já estão definidos antes do jogo começar.

2017-10-07 queremos mentiras novas

O  comentariado político, que recebeu instruções e recebe instruções para debitar mensagens gastas também vive na contemplação como realidade e promove essa mesma contemplação.

Em laboratórios especialmente credenciados para tal dezenas de teorias saem das linhas de montagem e explicam quem são os vencedores, os vencidos, os que foram á casa de banho , os que saíram e entraram e demais futilidades.

Mas alguém lhes encomendou a missa?

A mentalidade do comentariado político é a da contemplação: só os seus interesses e de quem lhes paga contam e as missas que regurgitam cheiram mal.

Nenhum dos membros do comentariado tem capacidade para entender o que se passa – são eles próprios todos membros das mesmas classes sociais e profissionais, todos vivem nos mesmos condomínios fechados sítios e não contactam com a população; logo funcionam em circuito fechado onde apenas os ecos das suas próprias vozes se ouvem, nada de verdadeiramente “novo”, “original” e “verdadeiro” pode sair destes palradores militantes e pagos.

Apenas debitam propaganda e verdades feitas mencionadas em conversas uns com os outros.

2015-11-25 - rob riemen- 2012

A contemplação como realidade contamina a população para a lassidão e embrulha-a na corrupção.

Durante décadas ambos os lados do espectro político incentivaram, quer por omissão, quer por acção a corrupção ética,  o abandono da cidadania, fecharam os olhos ao esmagamento dos direitos legítimos do cidadãos.

O campo para tal é fértil.

Os portugueses desde pequenos são habituados e educados a conviverem bem com “cunhas e favores”, a simpatizarem e darem por adquirido que ter um patrono (um padrinho…) é uma condição essencial para singrar na vida e educam sempre a sua prole nessa lógica. Encontrar um emprego, fazer um jeitinho, obter um favor são considerados como sendo normais e factos da vida semelhantes a comprar uma embalagem de arroz no supermercado.

Os próprios sentem no seu intimo que tal é errado, mas desvalorizam. A auto justificação vem a seguir: “se os outros fazem eu também faço”.

Com o aumento exponencial destas atitudes entramos no caos. Para onde quer que se olhe vêem-se os pagamentos em géneros ou dinheiro em que toda a gente usa toda a gente para fazer a venda da cobrança de mais favores e respectiva classificação final.

O resultado já chegou há várias décadas e há um preço enquanto sociedade a pagar.

Esta forma peculiar de viver também faz com que o seguidismo seja a norma, e se procure estar sempre com quem aparenta estar a ganhar. Quem aparenta estar a ganhar faz com que uma parte da população se junte e vote – contemplativamente de acordo com isso. (Independentemente de qual seja o partido conjunturalmente a ganhar…)

Trata-se do “voto útil” contemplativo no vencedor. É a demissão cívica total e o risco zero enquanto cidadãos.

Mas, a maior parte dos portugueses não se considera ou percebe de facto que é um cidadão. Conhece a palavra, mas não o que ela significa.

Apenas se resignam a uma vida espiritual interior débil ou inexistente e a uma cidadania quase invisível, que é trocada pelo movimento em direcção a onde julgam ver aparecer benefícios ou dinheiro, esquemas ou empregozinhos.  (Nunca aparecem; estão reservados para as elites medíocres e corruptas.)

 

Hell is empty and all the devils are here.
The Tempest – William Shakespeare

 

Resignam-se eles.

A irmandade de Némesis não se resigna.

Como o terrorismo serve para atacar noções de privacidade

“… And where once you had the freedom to object, to think and speak as you saw fit, you now have censors and systems of surveillance coercing your conformity and soliciting your submission. How did this happen? Who’s to blame? Well certainly there are those more responsible than others, and they will be held accountable, but again truth be told, if you’re looking for the guilty, you need only look into a mirror. I know why you did it. I know you were afraid. Who wouldn’t be? War, terror, disease. There were a myriad of problems which conspired to corrupt your reason and rob you of your common sense. Fear got the best of you, and in your panic you turned to the now high chancellor, Adam Sutler. He promised you order, he promised you peace, and all he demanded in return was your silent, obedient consent. …”

Personagem “V” do filme V for vendetta 2005

Após o dia 11 de Setembro de 2001, as forças que detestavam que qualquer pessoa tivesse a liberdade de rejeitar, de pensar e de falar livremente perceberam que tinha sido criada uma oportunidade.

Aproveitaram a onda de choque e terror que se sucedeu e advogaram que seria necessário “alterar” as leis sobre privacidade e segurança para “detectar e apanhar terroristas”.

E foram alteradas.

Até essa data tinha existido um longo e ansiado processo de imposição da limitação da privacidade com pouco sucesso. Dessa data em diante encontrou-se o conveniente motivo para justificar ser feito: “a guerra ao terrorismo”. O processo começou nos EUA e sendo estes seguidos como exemplo, quer por convicção de quem segue, quer por coacção feita a quem não pode discordar, em breve todo o designado mundo ocidental, em maior ou menor grau, seguiu o “líder” e começou a alterar, reduziu ou abdicou das suas próprias leis sobre privacidade e respectiva protecção dos direitos dos cidadãos neste assunto.

Quando este tipo de leis é alterado o argumento (pretexto…) mais comum usado para o justificar e legitimar é o seguinte: “alteramos as leis sobre privacidade para melhor defender os cidadãos”.

O paradoxo é evidente.

Para proteger a liberdade e a privacidade dos cidadãos retira-se a liberdade e a privacidade dos cidadãos. Deixam de existir problemas de protecção da privacidade, dado que as leis que criavam as garantias de imposição de direitos de privacidade foram fortemente restringidas ou desapareceram.

É uma forma de neoliberalismo, mas aplicado à lei.

Transforma-se em legal o que antes era ilegal, e após o fazer afirma-se que  já não existem problemas de privacidade porque – obviamente – as leis que os enunciavam e não permitiam foram eliminadas.

Rédea livre aos Estados e aos interesse privados que os capturaram camuflada com algumas pseudo garantias para disfarçar e fingir que está tudo na mesma como antes.

Liberty: One of Imagination’s most precious possessions.
Ambrose bierce

Para a população tem resultado?

Não.

♦ Do ponto de vista da privacidade e da protecção dos dados dos cidadãos estes ficaram claramente desprotegidos e em estado de inferioridade psicológica no que ao exercício da cidadania diz respeito.

Deve dizer-se que os cidadãos mais por desleixo do que por noções adquiridas de medo real relacionado com este assunto nada entendem disto. Se o entendessem e considerassem como grave, apenas precisariam de se olhar ao espelho e perceberem quem é o verdadeiro culpado. Se não estiverem demasiado ocupados a mandar sms ou a tirar selfies algures.

Outra das consequências da imposição da perda de privacidade foi a imposição das lógicas de teoria dos jogos. Ao ganho total de uma parte corresponde a perda absoluta de outra.

Se a cidadania perdeu, as grandes empresas privadas e os Estados ganharam e passaram a fazer colecta de dados – metadata – sobre os gostos e o que pensam os cidadãos e a nível mundial.

Para estas empresas privadas trata-se de um negócio onde a devassa comercial  da vida privada e a subsequente venda de dados a terceiros são um negócio extremamente lucrativo.

Parasitam os seus consumidores.  Estes julgando estarem a ser tratados de forma comercialmente justa, são apenas parasitados para extracção.

Se um campo agrícola é alvo de uma colheita dos frutos ou legumes que nele foram cultivados também os cidadãos são alvo de uma colheita dos seus dados.

Tudo em nome da sua “segurança comercial” e do “saber mais” sobre os clientes para “melhor os servir”. (ou melhor comercialmente condicionados após colheita de informações…)

Corporation: An ingenious device for obtaining profit without individual responsibility.
 Ambrose bierce

♦ Para os Estados é semelhante. Para protegerem os cidadãos, afirmam os responsáveis da segurança e da privacidade, é necessário saber mais sobre os cidadãos.

Para melhor proteger, câmaras de cctv colocam-se em vários locais, controlos são feitos, quer aos indivíduos que podem ter apetência para serem terroristas quer não.  De caminho dissidentes verdadeiros do pensamento são referenciados e coagidos desta forma, mas apenas quando interessa escolher quais os indivíduos a coagir, onde e quando.

Alguém se sente mais seguro?

Não.

If we want things to stay as they are, things will have to change.
Ggiuseppe tomasi di lampedusa

Dentro dos aparelhos burocráticos administrativos que impõem a lei e “combatem os terroristas”, também  surge a gula económica e burocrática.

Os pequenos tiranetes das administrações salivam por mais poder e pelo enriquecimento psicológico e simbólico derivado de serem considerados administrativamente mais importantes do que antes. Passar a falar mais vezes com o ministro ou o chefe de estado sobre assuntos de segurança é um penacho na lapela que não convém menosprezar, bem como os olhares invejosos dos vizinhos e amigos todos eles ” sentindo-se cheios de segurança, só por dizerem bom dia ou boa tarde ou serem das relações próximas destes cripto fascistas zelotas anti privacidade.

Ou aparecer na televisão com o rotulo de ” especialista”…em terrorismo.

Por todas estas razões mesquinhas e pelas próprias dinâmicas da burocracia se existiu a criação de uma lógica muito própria para “o combate ao terrorismo”, a tal correspondeu uma exigência publica(da opinião publicada…) em busca da mitológica “segurança”.

A alimentação do medo e da ansiedade feita pelos meios de comunicação social gera respostas destas por parte dos pequenos tiranetes. Muito espectáculo, mas resultados práticos diminutos e muita coacção subliminar sobre a vida das pessoas.

Dai os “mais meios para combater o terrorismo”, classificados como… “as novas e recentes ameaças”.

E mais meios foram dados, mais controlos foram feitos e mais meios continuam a ser dados e mais controlos a ser feitos

Estamos a chegar aos ponto do paradoxo total.

Publicamente existem dois discursos.

(1) Um deles afirma que estamos mais seguros, uma afirmação plenamente gratuita e que ao é verificável pelos cidadãos pela própria natureza da afirmação apresentadas. Quando surgem criticas exagera-se os êxitos obtidos falando em ” inúmeros atentados evitados” que não são nunca mencionados ao publico – aos cidadãos – para não causar ” alarme social”

(2) Após a ocorrência de um atentado terrorista ( estamos a 4 de Junho de 2017, e ontem em Londres ocorreu um atentado em que morreram 7 pessoas…) surge imediatamente um discurso totalmente contraditório com o anterior que exige novos meios e mais restrições às liberdades.

O estado da arte da segurança burocrática – administrativa é este.

Trocar o consentimento silencioso e obediente pela coacção subliminar a resvalar para a coerção declarada é um mau negócio de cidadania.

Irmãos de Némesis: se sentem a opressão a formar-se nos céus como uma tempestade que chega, então sabem que lutaremos contra ela.

O terrorismo é um assunto demasiado sério para ser usado como arma de criação de uma sociedade totalitária usando-o como pretexto para o fazer.