De pisistratus a Marcelo Rebelo de Sousa, o populismo expande-se…

Pisistratus (607 A.C – 528 B.C) é considerado pelos politólogos (os actuais demagogos oficializados e legitimados pela academia…) como o maior e primeiro demagogo populista na história Ocidental. (Dizem os rotos ao nú porque não te vestes tu…)

No currículo de  Pisistratus contam-se ter governado como tirano apoiado entusiasticamente pelas massas somente 3 vezes, ter-se tornado o líder do povo das terras altas (os rurais; pobres e excluídos daqueles tempos…), de ter orquestrado um golpe de estado fingindo ter sido atacado, exigindo posteriormente guarda costas, escolhendo-os das fileiras dos membros das terras altas e usando-os para entrar em Atenas e tornar-se tirano.

Após ter criado esta “startup” bélica revolucionária, e após já ter sido deposto também entrou de carruagem em Atenas com uma mulher alta vestida de deusa Athena.

Pisistratus notou que fingir-se um membro do povo e fazer gestos simbólicos e populares de identificação com o povo parecia dar resultado.

Em Portugal, pais prolífico na produção de demagogos, populistas e demais aves de arribação estes surgem em todas as cores e formatos e cheiram todos mal. Há mesmo uma industria local que já pediu certificação comunitária…

Recentemente, tem emergido um chamado Marcelo Rebelo de Sousa. Emergiu embora tenha estado a marinar ao longo de 3 decadas.

É o actual Presidente da República.

Está em funcionamento 24 horas por dia e localmente tem muito sucesso. Os conselheiros desta bateria humana mesclaram um arlequim com um sapo saltitante de nenúfar em nenúfar e adicionaram o software “picareta falante”. O resultado é um boomerang humano viajante incansável que nunca se cala nem debaixo de agua emitindo opiniões sobre tudo.

Retrospectivamente este retórico prolífico descobriu em inicio de carreira que ser filho de um ministro do Estado Novo (“Estado novo” é a expressão em português suave para não dizer a palavra “Ditadura” que era o que aquilo de facto era…) e obter as correspondentes facilidades (saltar o serviço militar obrigatório em tempo de guerra para ir fazer uma licenciatura em direito e posteriormente um mestrado…) não o impediam de se tentar identificar com ” o povo”.

Com estas vantagens e com o conhecimento das ter tornou-se professor de direito numa época em que eles eram rarefeitos e raros (a exclusividade monopolista de uma casta profissional seja ela qual for traz vantagens…) e posteriormente jurisconsulto ou seja, um dos mestres definidores do que é a interpretação da lei a ser seguida e do que não é.

Também tirou um curso em “multitarefas”. Foi jornalista, chefe de partido político, administrador de casas ducais (Irónico: um Presidente da República é adepto da instauração de um regime que é em tudo oposto à Democracia/República…).

Teve ainda tempo para ser amigo de banqueiros posteriormente acusados de corrupção e comentador televisivo de futebol, física quântica, hortofloricultura e mais 300 ou 1000 actividades comentando tudo e nada, sendo especializado em nada e comentando tudo.

200 milhões de euros (a preços actuais) é o preço para manter em funções este boomerang arlequim saltitante durante os próximos 10 anos.

As vozes da situação justificam retoricamente os gastos deste cargo com a frase: “a democracia tem custos”. De facto tem, mas existem custos democráticos justificados e custos democráticos injustificados e a existência deste cargo prova-o.

Esta auto nomeada nova “voz do povo” gasta 20 milhões de euros por ano em beijos ao vivo nas várias festas pelo país. (Velhos,novos,crianças, animais de estimação ninguém escapa impune…)

Gastrônomo e escanção amador oferece comida a sem-abrigo apenas no dia em que lá vai (nos outros dias não se sabe…), deglute ginginhas e bebidas regionais ou degusta bolos típicos e atípicos de uma qualquer terra saloia nas suas peregrinações. Nos intervalos vai  à bola, ao teatro, às greves, às manifestações bombardeando tudo o que se mexe com opiniões e afectos em pacote, por comprimidos, por injecção intravenosa.

É fútil tentar escapar.

Pisistratus, o inseminador original do  populismo, fazia campanha como herói triunfante, apesar de apenas ter lutado numa batalha, a conquista de Salamis.

Numa campanha eleitoral, Marcelo Rebelo de Sousa tomou banho no Tejo, e conduziu um táxi por Lisboa – tarefas bastantes mais perigosas que a participação na batalha de Salamis.

Armado com a confiança desses dois feitos, sozinho e desarmado, fala como se tivesse saneado as contas publicas, apagado os incêndios, imposto a democracia no mundo, convencido a Nasa a enviar uma missão a Marte, chacinado a fome em Africa e demais fantasias.

Este é um dos enormes problemas do cargo “Presidente da Republica”, cuja configuração constitucional está errada, é desnecessária, leva a que os ocupantes do cargo se pretendam substituir aos governos eleitos.

Tarefa que não lhes compete, nunca lhes competiu, nem lhes irá competir fazer.

No caso presente temos um ocupante do cargo viciado em se substituir aos governos eleitos.

Todas as gerações de demagogos populistas fingiram demonstrar sentir empatia para com os sofrimentos dos excluídos  da sociedade. Esta empatia falsificada e ensaiada visa obter o voto em eleições, pretende o aplauso canino dos seguidores subservientes, deseja a aclamação por unanimidade.

Estes redentores feitos de plástico colocam-se “ao lado do povo” e pretendem denunciar  os males infligidos pelas classes privilegiadas – sendo eles próprios membros de classe privilegiada.

Um populista apela à condescendência da população para construir uma aura. Onde existem problemas ele surge com a sua capa de super herói e denuncia os males. Com um sorriso, larga um palpite, manda um recado, despeja um pouco de veneno político, condiciona com uma pose, demonstra ser ” diferente” quando quebra o protocolo.

O mediano populista é um narciso que perdeu o espelho para onde olhava apaixonado por si próprio.

O povo simples (e simplista) e a elite corrupta (endogamia) são os campos de batalha decididos pelo demagogo, o tal que fala directamente com o povo – assim ele o julga. Fala nada dizendo.

Preocupado com fantasias de poder, mas inseguro, quer ser o funcionário modelo da empresa Portugal S.A. Sentido-se especial e uma dádiva divina ao país exige admiração de todos, que todos saibam quem é e a suas aparições flash tem como efeito fazer dele o centro das atenções.

Só substancia, nenhuma essência.

Exige admiração dos outros e sente “estar no seu direito” aproveitar-se dos outros para benefício próprio.

A solução é simples.

Não apoiar o populista e não votar nele.

Anúncios

Os jornalistas portugueses são os guardiões da manipulação. É isto que as elites querem; nós devemos recusar

“The masses have never thirsted after truth. They turn aside from evidence that is not to their taste, preferring to deify error, if error seduce them. Whoever can supply them with illusions is easily their master; whoever attempts to destroy their illusions is always their victim.”

~ Gustave Le Bon

No inicio, foi a revolução de 1974. Dai em diante, o trabalho dos jornalistas portugueses deveria ser o acto de fazer jornalismo livre e independente de censuras, quer  privadas, quer de controlos estatais, políticos e económicos, de assegurar o pluralismo da informação; assegurar que todas as opiniões (o maior numero possível…) seria veiculado para todos que quisessem  ou estivessem interessados em as escutar, comprar, adquirir, debater.

Após o inicio, inúmeros entusiastas neófitos a par com os meios de comunicação social já pré existentes e que vinham da ditadura onde existia censura ao que produziam; criaram novos meios de comunicação, especialmente jornais, já libertos de uma censura mantida pela ditadura que vigorou em Portugal até 1974.

Depois do inicio e em força desde 1985, especialmente os jornais, começaram a tornar-se “empresas de jornalismo” e com o licenciamento/abertura de canais privados de televisão e licenciamento de novas rádios, metamorfosearam-se em projectos empresariais que sobrepunham os interesses económicos (o lucro) aos interesses de fazer jornalismo, afastando para o lado todo o pouco pluralismo existente nesta sociedade.

Com a maturação de um sistema inicialmente pensado para todos e que gerava conhecimento e jornalismo para todos, passou-se a um sistema corporativo e fechado. Fusões de empresas de comunicação sucederam-se. Gerar empresas cada vez maiores era o objectivo, com mais lucros, mas menos jornalistas e nenhum pluralismo.

O comissário político/económico disfarçado de jornalista sobrepunha-se (sobrepôe-se) ao jornalista propriamente dito.

E chegámos ao “mercado” concentrado, não plural, oligopolizado e cartelizado, de qualidade hiper medíocre, em que os poucos jornalistas dissidentes que queiram mesmo fazer jornalismo são impedidos de o fazer, convidados a sair, colocados na posição de auto censura, ou arrumados numa prateleira para não perderem o emprego. Se o perderem,  estando no lugar ” x”, por dissensão de opinião, apenas existem mais dois ou 3 grupos  de meios de comunicação social onde poderiam trabalhar.

Este protótipo de jornalistas dissidentes acima descritos é ultra minoritário, uma pequena espécie autóctone.

O sistema foi armadilhado e funciona apenas para as elites (“Elites” entendidas no sentido mais depreciativo do temo que seja possível…).

Com os novos donos a ocupar o lugar os actuais bonecos de palha foram encarregados da aplicação das narrativas que beneficiam elites. Essa narrativa é ortodoxa e transformou as criaturas que nos são apresentadas como jornalistas nos  “guardiões da ortodoxia”.

Estes novos cortesãos servem diligentemente e com brio.

Contudo, debaixo de uma capa de sofisticação, são apenas instrumentos rombos, pintores de construção civil que colocam mau estuque manipulativo; aplicadores de camadas de cimento propagandístico que escondem a brutal realidade do neoliberalismo aplicado a esta sociedade, das enormes injustiças nela praticadas, que branqueiam e escondem os danos de um regime podre e decadente e que nenhum aspectos de democracia (tirando a fachada)  tem.

Na numismática exige-se patina às moedas. Neste ecossistema maligno trabalha-se em prol da colocação de uma patina de brilho sobre as figurinhas ridículas da instituições e (acessoriamente) exalta-se sempre que possível as virtudes da tribo da direita política.

(Em Portugal, existe a originalidade de só esta agremiação de cretinos da tribo da direita política ter direito a ser branqueada de forma permanente; já a tribo da esquerda politica é sempre vilipendiada excepto quando interessa branquear facções dentro da mesma. Surge o clássico “dividir para reinar” aplicado sobre a tribo da esquerda política, para a impedir de chegar ou manter o poder. Uns grupos são exaltados em detrimento dos outros e no próximo turno, a outra facção da tribo da esquerda política será branqueada no próximo ciclo politico. (Merecem-se todos uns aos outros…)

(As elites de poder que vivem nas sombras divertem-se a incentivar este jogo.)

As elites políticas, sociais, económicas portuguesas são extremamente limitadas.

A sua programação limitada interna contém apenas uma instrução dividida em duas partes.

(A) Só se deve defender os seus próprios interesses e os dos amigos.

(B) tudo o resto deve ser ignorado.

As consequências deste pensamento pobre e limitado são obvias.

Ignorando tudo o resto, resta-lhes apenas conseguir interagir umas com as outras (endogamia social oblige…). Como as instruções de programação não dão para mais, ficam sempre surpreendidas e espantadas com o nível de ressentimento, revolta e alheamento que a generalidade da população sente.

Escudados por zonas francas de bem estar, físico, psicológico e económico, quer nos locais selectos das periferias das cidades ou nos centros principais das duas maiores cidades, o resto da população só é autorizado a entrar se for lá para trabalhar nas limpezas da porcaria que esta gente produz diariamente ou para servir cafés.

Os seus núncios jornalistas comissários da propaganda tem instruções para ignorar, e/ou ocultar e/ou manipular percepções quer o problema ocorra a 15 km de distancia ou numa aldeia remota. Sucedendo algo,  os seus núncios comunicacionais televisivos regurgitam uma verborreia inchada de teorias peregrinas acerca do que aconteceu – um dia antes nem sequer faziam ideia ou tinham sequer ouvido falar do que aconteceu.

Se e quando existe algum pico de contestação mais sério, acalmam aqueles que consideram e tratam como inferiores (95% da população), recomendam paciência, calma, ponderação e responsabilidade, incentivam a que trabalhem muito e pedem que se demonstre confiança no sistema armadilhado e no regime que temos (um regime subvertido por neoliberais e por elementos da extrema direita que fazem turnos para ver quem faz mais estragos..) prometendo final a cereja no topo do bolo: que as coisas ficarão bem e serão resolvidos problemas.

Esta narrativa tem “tendências” cíclicas. Actualmente a narrativa para acalmar o ressentimento latente baseia-se nos discursos do  “culto do empreendedorismo”, na “ética do pluralismo político”, na “cultura do mérito” , na “ascensão social para todos”, na ” confiança nas instituições”.

Também se baseia em apelos constante à união: temos que nos unir, dizem-nos e chegar a “consensos”. (Consenso, neste contexto, significa  baixar a cabeça e fazer o que as elites de poder querem…)

Um produto inexistente é constantemente promovido através do uso de mantras, de spots publicitários, de repetição constante de falsidades.

A realidade é outra.

As elites portuguesas continuam a oferecer soluções estúpidas.

Como são estúpidas só conseguem isso.

Move along, nothing to see here…

Harmony makes small things grow, lack of it makes great things decay.”
Sallust

Como o sistema português é modelado a partir do sistema americano de corrupção percebe-se que as coisas funcionam como um clube.

Todos os membros do clube, “entram em consenso” acerca da escolha dos candidatos que irão ocupar os lugares institucionais, profissionais, das ” zonas de conforto”.

Todos juntos, todos amigos, todos incompetentes, todos a viver numa redoma. (Observe-se a escolha de todos os candidatos à eleição para a câmara municipal de Lisboa nas recentes eleições autárquicas… competindo todos entre si para correr mais depressa em direcção à mediocridade…)

Incrustada a essa redoma disposta como massa de vidraceiro que colou mal, e está lá dependurada á espera que o tipo das obras venha novamente reparar correctamente o vidro,  estão os jornalistas cortesãos portugueses.

Aconchegados junto dos círculos, triângulos e octógonos de poder ,“Embebidos”, os jornalistas atingem o orgasmo comunicacional que Marshall Mcluhan lhes prometeu quando afirmou que “o meio é a mensagem”.

Por viverem todos no mesmo  “ambiente”, dia após dia, ano após ano, jornalistas e políticos por exemplo tratam-se por tu… e após algum tempo todos adoptam inconscientemente (muitos fazem-no conscientemente que nesta profissão existe um enorme desejo e dedicação à prostituição intelectual…que paga bem… ) os mesmos conjuntos de valores.

Geograficamente, habitam nas mesmas zonas livres de pobres/classe média, próximos dos outros e frequentam os mesmos ambiente suburbanos e as mesmas festas sociais…

Afinal de contas, são todos da mesma “classe”

É a total perversão do que o jornalismo deveria ser. Toda a imprensa deveria posicionar-se “de fora”,  vigiando os de dentro e recusando identificar-se psicologicamente com os “círculos do poder”.

É uma ” experiência partilhada com os “insiders”, assim se auto justificam…para aplacar eventuais remorsos sentidos…

Surge um negócio paralelo narcisista-capitalista. Os novos jornalistas – cortesãos criam personalidades publicas, marketizam-se como celebridades, manufacturam emoções, as próprias e as dos terceiros que estão a promover.

A política e a sociedade são irrelevantes, somente as artes negras da propaganda irão ser usadas para influenciar o comportamento dos cidadãos e em quem votam.

Deixou de ser cidadania e passou a ser uma estratégia comercial. Os subprodutos são óbvios: quando se trabalha num tal ambiente inconscientemente/conscientemente estas pessoas tornam-se facilitadores de qualquer estratégia comercial, oriunda da elite de poder ou associados.

As ideias que podem ser debatidas pela sociedade são cuidadosamente seleccionadas, as que não devem ser questionadas são ocultadas ou remetidas para o esquecimento. Os jornalistas são os “guardiões da ortodoxia”, da nova ortodoxia. Criam um novo tipo de véu de tirania intelectual, social e política semelhante a que foi imposta no passado pelo fascismo e pelo comunismo.

É isto que as elites querem; nós devemos recusar.

Proposta de abolição constitucional

Resumindo a situação:

– Não existência de maioria parlamentar para reformar ou abolir a constituição.

– A não existência de um poder legislativo independente – verdade que não é culpa deles, já que os poderes executivos e legislativos derivam da mesma eleição.

Não existência de vontade popular no sentido de apoiar em votos a reforma ou abolição da constituição.

Proposta do PSD:

– A não existência de constituição. Que desapareça a figura do documento rígido, não sujeito de ser adaptado aos desejos de governos estrangeiros e os seus respectivos gabinetes de gestão de ocupação.

– A não existência, óbvia, de um órgão fiscalizador do documento constitucional já que dada a sua total flexibilidade não faria sentido nenhum, quando alguém diz para alterar, altera-se. Tão simples como isso.

– Em caso de dificuldade recorrer à figura do chefe de estado para ganhar alguma legitimidade para o que ser fazer.

E neste último ponto é que está a chave meus caros. Os portugueses pedem muito a intervenção do Presidente da Republica mas como, quase, sempre não sabem muito o que querem dizer com isso. O presidente é o sustentáculo moral deste governo. Foi o criador deste governo através de uma crise que ajudou a magnificar quando tal lhe foi conveniente. Foi o primeiro a propor que se abolisse ou reformasse profundamente a constituição de forma a transformá-la mais num memorando de trabalho ministerial que numa carta de direitos e garantias básicas da população portuguesa. Em última análise é o único que, fora um acordo largo no parlamento, que tem poder para significativamente alterar a aplicação da constituição. Nomeadamente através da sua suspensão se faltar qualquer outro acordo e ele, a título pessoal, o julgar necessário. Sim é verdade que estarão previstas legalmente situações muito específicas para as garantias constitucionais serem suspensas mas, como o regime já nos provou, quando algo não agrada é substituído e as regras são de aplicação inconstante. Além das razões óbvias, sem um tribunal constitucional activo (ou fragilizado por medidas governamentais e presidenciais), a existência uma maioria parlamentar fanatizada e um Conselho de Estado na sua maioria cúmplice, quem irá pedir uma análise dessa suspensão constitucional ou de forma mais interessante quem a iria executar? Portanto Portugal que grite pela intervenção do chefe de estado, que clame nas ruas para este sair da sua inacção mas depois não se esqueçam de quem ele é, do que criou e dos seus desejos de longo prazo há muito expressos.

"No freeman shall be taken, imprisoned, or in any other way destroyed, except by the lawful judgement of his peers."

“No freeman shall be taken, imprisoned, or in any other way destroyed, except by the lawful judgement of his peers.”

Mesmo em caso de “mera” substituição da constituição por outro documento o governo sabe não ter o mínimo de popularidade ou credibilidade para conseguir aprovar tal documento por via parlamentar ou por via de um plebiscito. Logo a única alternativa seria uma suspensão alargada (até a “crise” ser resolvida – lembram-me de há uns anos Manuela Ferreira leite ter falado no mesmo? Isto prova que existe uma corrente de pensamento muito presente influente dentro do partido) tendo como único “entrave” a vontade do chefe de estado. A última vez que tivemos um modelo parecido foi em 1906 pelas mãos de João Franco, outro político que fez escola nos partidos caciquistas e rotativistas da monarquia liberal mas se dizia “independente” e “reformista” e o monarca era Carlos I – que pela sua atitude de indiferença para com o país e prepotência governamental foi morto em praça pública num dos poucos regicídios da nossa história. O sistema tinha um nome, governo por decreto. O ditador (e era esse o cargo de João Franco – era uma altura que ainda se chamavam as coisas pelo nome) propunha legislação ou medidas punitivas conforme o seu gabinete achava desejável e estas eram postas sob o “rigoroso escrutínio” de um rei mais interessado na caça e na sua vida sexual que no país. No século XX a ditadura administrativa de João Franco não chegou a durar 2 anos completos mas só acabou devido à morte do homem que sustentava o regime, Carlos I. O seu filho, por medo ou manobra política, optou pelo caminho da tentativa de absorção e castração política dos movimentos dissidentes. Falhou porque claramente o abismo que separava o país católico e monárquico do país republicano e liberal já era intransponível.

Presos políticos por ordem de João Franco - mas claro, apenas até a situação estar normalizada. Mais depressa caiu a sua ditadura que ele conseguiu "normalizar" qualquer situação política, económica ou social.

Presos políticos por ordem de João Franco – mas claro, apenas até a situação estar normalizada. Mais depressa caiu a sua ditadura que ele conseguiu “normalizar” qualquer situação política, económica ou social.

Num regime como o nosso, que talvez ja tenha conseguido igualar a monarquia liberal na sua ineficiência nas relações internas (estado) e externas (estado e privados) e que talvez possua o edifício legal mais bizantino que já tivemos torna-se complicado saber onde este caminho nos poderia levar. Um governo sem qualquer documento fundador ou guia? Sustentado apenas pela sua própria vontade de poder, inépcia governativa, regado com eleições presidenciais de 5 em 5 anos e mantido o resto do tempo pela pressão constante dos “credores” que funcionariam como uma espécie de Conselho de Regência? Talvez seja este o resultado de nunca se ter feito uma verdadeira reforma política em Portugal há mais de um século. Os monárquicos “transformaram-se” em republicanos, que por sua vez se “transformaram” em Salazaristas que finalmente se “transformaram” em democratas. Todos são tudo e ninguém é verdadeiramente nada. Talvez seja isto que um país carcomido por elites monárquicas no armário se pareça. Aproximações constantes a um período idealizado sem qualquer atenção ao momento histórico, à população ou à própria decência política.

Uma dor de cabeça artística

Apesar de todas as tentativas de a comercializar, banalizar e, acima de tudo, neutralizar toda e qualquer obra de conteúdo artístico parece que ainda é possível que a arte sirva para a)Criar uma impressão estética genuína e b)Fazer uma afirmação sobre o mundo onde vivemos. Foi o que aconteceu na Rússia quando o artista Konstantin Altunin revelou recentemente a sua obra, “Travesti”. Um quadro que retrata Vladimir Putin e o primeiro-ministro Dmitri Medvedev em lingerie. O Golpe é duplamente brilhante porque por um lado cria uma obra que claramente tem uma tonalidade homoerótica num país que persegue e usa a sua comunidade LGBT como bode expiatório. Na Rússia trata-se de um rótulo de perigo (ou de ainda mais perigo que o normal) a julgar pelos séculos de pogroms e exílios para campos de concentração – ou nas versões menos públicas os encerramentos compulsivos, sem ordem médica ou judicial credível e independente, em instituições psiquiátricas até que um infelizmente incidente ponha termo à vida do dissidente. Por outro lado morde ironicamente contra toda a propaganda do que é um regime totalitário e imagem híper máscula que Putin construiu para si – passeios a cavalo em tronco nu, actividades ao ar livre rotineiramente “noticiadas”, enfim um verdadeiro Rambo moscovita.

Numa nação que se sentiu orfã começamos a entender Freud: "I cannot think of any need in childhood as strong as the need for a father's protection"

Numa nação que se sentiu orfã começamos a entender Freud: “I cannot think of any need in childhood as strong as the need for a father’s protection”

De um ponto de vista de consequências é claro que a obra já foi confiscada pela polícia por ser “imoral”, segundo uma classificação da “isenta” Igreja Ortodoxa Russa (que está extasiada por voltar a ser  o segundo poder do estado e poder policiar a vida interior de todos), e que alguém no ocidente terá que dar asilo ao artista porque de desaparecer uns meses nas mãos do FSB provavelmente não se livraria – no mínimo uns interrogatórios “pesados”. E, dado o culto de personalidade que se criou junto à figura de Putin, provavelmente bem mais que isso. É que Altunin atacou a única vaca sagrada do regime. A fonte de toda a autoridade dos líderes políticos, locais, policiais, jornalísticos, comerciais, etc. O Presidente Putin. Qualquer outro poderia ser perdoado ou talvez afastado ou ligeiramente metido no background até o riso parar. Neste caso isto não é uma opção. Em linguagem política absolutista isto é um crime lesa-majestade e não tem perdão pois neste esquema político a imagem do monarca possui uma sacralidade inviolável confundida com a da própria nação – que haja uma legião de servos públicos e privados cuja posição depende da manutenção desta sacralidade ajuda imenso a perseguir qualquer dissidência por mais ligeira que seja – especialmente neste caso, em que foi feita com humor e inteligência, atacando satiricamente os pilares em que a imagem do líder foi fundada. Haveria algo a dizer sobre o sobrecompensação e o culto da hipermasculinidade mas penso ficará para outra ocasião, quando conseguir parar de rir e apreciar esta obra de arte.

"Beauty is a form of Genius--is higher, indeed, than Genius, as it needs no explanation. It is one of the great facts of the world, like sunlight, or springtime, or the reflection in the dark waters of that silver shell we call the moon. It cannot be questioned. It has divine right of sovereignty. It makes princes of those who have it"

“Beauty is a form of Genius–is higher, indeed, than Genius, as it needs no explanation. It is one of the great facts of the world, like sunlight, or springtime, or the reflection in the dark waters of that silver shell we call the moon. It cannot be questioned. It has divine right of sovereignty. It makes princes of those who have it”

Para os mais desatentos esta polémica que a o partido de Putin arrasta contra parte da sua própria população já tinha dado que falar aquando da organização dos Jogos Olímpicos de Inverno tendo sido discutido por muitas nações o boicote ao evento como protesto formal contra uma descriminação injusta sobre pessoas que não têm nem defesas nem a quem recorrer. Convém não esquecer que a Rússia será o país com leis mais draconianas no que toca a ONGs, especialmente aquelas que não servem de frente a organizações nacionalistas apoiadas pelo Kremlin. As acusações multiplicam-se: espionagem, lavagem de dinheiro, corrupção, tentativa de terrorismo cultural (seja lá o que isso for). Apanhando a linguagem dos comunicados de segurança dos EUA o governo russo aprendeu as palavras-chave que deve usar quando quer denegrir qualquer pessoa ou grupo e a primeira de todas é: “extremista”. Usando uma simples obra de arte libertadora da opressão monolítica do regime para insinuar algo vagamente insidioso que poderia atentar contra a segurança dos cidadãos russos.

Numa última nota mais linguística… há uns anos atrás perdemos outra palavra importante do nosso léxico: liberdade. De tanto sobre uso que foi feito (especialmente por pessoas que estavam interessadas em tudo menos nela) que mais ninguém a coloca em nenhum escrito seu se quiser preservar alguma credibilidade. Perdeu significação junto das pessoas. Gera apenas uma certa apatia emocional normal do discurso demagógico pré-fabricado. Agora é a vez de “extremista” e “terrorista”. A este ritmo corremos o risco de ter que abandonar a linguagem como meio de comunicar eficazmente já que poucas palavras parecem estar autorizadas a conversar o seu sentido original.

Realidades Democráticas IV

Como tenho vindo a afirmar o número crescente de excluídos em Portugal está completamente sozinho na sua “luta”. Os media são perfeitamente indiferentes quando não hostis (e quando vemos quem são os seus proprietários não é complicado perceber porquê), os políticos vivem noutra realidade económica e social (da esquerda à direita , de cima a baixo) e os seus concidadãos mais afortunados gostam do sentimento de superioridade que obtém do infortúnio alheio (um caso de “schadenfreude” colectiva?). No entanto a negação por parte dos mais afectados continua. É perfeitamente compreensível, ainda que não racional. É uma realidade dura de engolir. Aceitar que quase tudo o que tinham como certo sobre a sua sociedade e a própria natureza humana (responsabilidade, solidariedade e outras ficções mais ou menos simpáticas que tornam a sua vida mais suportável) estava errado. Encarar esta realidade de frente envolveria aceitar, em primeiro lugar, um erro colossal em termos individuais que a nossa cultura não permite – as pessoas são treinadas a negar responsabilidades e erros sem aprenderem nada – e que de qualquer forma é inaceitável para o ego da maior parte. Como tal recusam-se a aceitar que, além de terem sido usados pelos seus superiores sociais e económicos, quiseram enganar-se a eles mesmos.

Fábrica da grande empresa IG Farben perto de Auschwitz (1941). A esfera económica tem sem dúvida um grande historial de integridade.

Fábrica da grande empresa IG Farben perto de Auschwitz (1941). A esfera económica tem sem dúvida um grande historial de integridade.

Prova IV: Os “grandes” empresários portugueses (que não acidentalmente também controlam os meios de comunicação privados) não só estão a favor da destruição económica, social e política que tem caracterizado os últimos governos (em ritmo crescente nos últimos dois anos…) como acham que não se foi longe o suficiente. Alguns dos menos subtis deste grupo usam mesmo a ameaça aberta para com o país que governam em tudo menos nome: ou aceitam o que se passa e se submetem ao poder económico ou serão castigados. Uma visão quase-aristocrática da realidade portuguesa sem as qualidades que deveriam caracterizar qualquer elite merecedora da sua posição.

Moral da prova IV: Dada a apatia da modernidade é pouco provável que haja qualquer indignação digna desse nome contra qualquer grupo económico. Isso seria levar as coisas demasiado a sério. Os portugueses não estão em hábito de derrubar poderes estabelecidos – por muito frágeis que estes sejam. Vai contra a sua idolatria do status social. Preferem de longe que alguém faça o trabalho sujo por eles, exigindo apenas a sua comparência para confirmar um “fait acompli“, legitimando qualquer nova ordem que saia do caos. Claro que isto abre a porta para toda a espécie de regimes curiosos mais ou menos patrocinados por elites que temem pela manutenção da sua posição. Para não magoar quem afirma o carácter extraordinário do povo português podemos, a título de exemplo ilustrativo, referir o caso da Hungria que parece seguir a mesma linha de acção e instaura lentamente um regime autoritário com aprovação plena dos próprios oprimidos. Afinal não somos os únicos.