Dividas e o seu pagamento – 2

“For a country, everything will be lost when the jobs of an economist and a banker become highly respected professions”.

Charles de Secondat, Barão de Montesquieu.

⊕⊕

Em 380 A.C, Platão descreve no livro VIII da sua obra “A República”, um diálogo de Sócrates com Glaucon. Aponta-se aí a negligencia, a ganancia e o encorajamento da irresponsabilidade; (o que nos dias de hoje se chama narcisismo, indiferença social e sociopatia) das oligarquias atenienses.

Explica Sócrates que esta cultura de ganancia funciona como a picada de um insecto parasítico e o veneno que resulta da picada é o dinheiro injectado no que ainda restar imaculado na sociedade.

Afirma Sócrates:

“Ora esses usurários de cabeça baixa, sem parecer vê-los, ferem com o seu dinheiro, injectando-lhe, quem se lhes submeter dentre os restantes, e, multiplicando vezes sem conta os filhos nascidos desse pai, fazem pulular os zangãos e os mendigos na cidade”…
(…)
Seja como for – disse eu – , não estão dispostos a extinguir esta espécie de maldade, quando começa a querer ficar em chamas, por aquele processo de impedir que se disponha dos bens como se quiser, ou por este, de resolver esta situação por meio de uma outra lei.

– Por qual?

– Por uma que fosse a melhor alternativa da primeira, e que forçasse os cidadãos a preocupar-se com a virtude. Efectivamente, se se estabelecesse que os contratos voluntários, na maior parte dos casos, se fizessem à conta do próprio, os cidadãos transaccionariam com menos falta de vergonha, e haveria entre eles um numero menor daqueles males de que há momentos falamos”…

Os efeitos práticos descritos nestes fragmentos do dialogo criaram dívida impagável para muitos atenienses. As consequências foram as esperadas.

Perda de terras e casas, destituição de quaisquer bens que possuíssem, pobreza extrema e mendicidade. A aplicação cega e absoluta das regras em favor dos credores cria um pequeno exército de pobres e ociosos que doravante viverão suportados pelo Estado Ateniense.

Desequilibrando a sociedade desta maneira; pelo aumento da injustiça e dos deserdados da terra, o fermento da alternativa surge na população. As pessoas, quer queiram, quer não queiram, quer gostem quer não gostem começam a conspirar (e justamente) contra os adquirentes de fortuna, os credores, os legatários e herdeiros, os que tem poder. A  vontade de revolução fica a uma ténue linha de distancia.

Sugere Sócrates, que a maneira de evitar este desastre potencial (a usura associada à especulação…mais a posse dos bens do devedor…), consiste em fazer aprovar uma lei proibindo um homem de fazer o que quer com o que é seu ou à sua maneira irrestrita e uma segunda lei que limita esses abusos.

Esta ideia atribui uma “obrigação“ de os credores partilharem também, o risco de não pagamento e cumprimento de contratos (quando é manifesto que não se podem pagar)  que é o que verdadeiramente estava em causa à 2400 anos e actualmente.

2400 anos depois, a situação repetiu-se sob a forma de tragédia amplificada. O correctivo que deveria ser aplicado aos bancos comerciais e demais entidades que tivessem concedido empréstimos claramente para lá da capacidade do devedor de os repagar e claramente  com clausulas nos mesmos que só podem ser classificadas como fraudulentas; não foi aplicado e esta mesma lógica manteve-se.

Continua por aplicar o correctivo, até à próxima crise.

“Debt is a mistake between lender and borrower, and both should suffer. “
Nassim Nicholas Taleb

Duas “morais” confrontam-se numa batalha mortal.

São exemplificadas pelas citações abaixo transcritas.

A primeira baseia-se em  solidariedade e cooperação social. Um conceito de sociedade decente.

“Man is born in society, and there he remains.” To survive, people need to cooperate in a system of mutual aid. “Man is, by nature, the member of a community; and when considered in this capacity, the individual appears to be no longer made for himself. He must forego his happiness and his freedom, where these interfere with the good of society.”

Charles de Secondat, Bãrao de Montesquieu, O Espírito das Leis.

A segunda baseia-se em egoísmo, narcisismo, e egocentrismo, numa atitude de “salve-se quem puder” baseada na negação da existência da comunidade.

“Greed, for lack of a better word, is good. Greed is right. Greed works. Greed clarifies and cuts through to the essence of the evolutionary spirit.”

 Gordon Gekko (Michael Douglas) Wall Street 1987

ou :

“There is no such thing as a society”

Margaret tatcher

Merchants have no country. The mere spot they stand on does not constitute so strong an attachment as that from which they draw their gains.
Thomas Jefferson

Onde antes a economia era definida como uma “filosofia moral”, depois foi sabotada e subvertida para ser operada a transformação em individualismo extremo.

As tentativas constantes das elites neoliberais e das remoras  que com eles viajam de apagar o passado ou omiti-lo visam fazer esquecer dois mil anos de filosofia e moral, que insistiram em comportamentos de auto controlo, generosidade, tratar dos fracos e dos pobres. Filósofos, movimentos religiosos, igrejas, regimes políticos, dinastias instituíram regras que limitavam a indiferença luxuosa emanada das elites.

Actualmente pretendem estas elites apagar o passado para que este seja excluído do espaço público e da conversa social e se desconheça qual o legado civilizacional.

O objectivo é a sua substituição por uma nova filosofia de teor revolucionário chamada neoliberalismo.

Promover a inversão da atitude moral de repulsa pelas atitudes descontroladas e sem limites que os credores e quem tem poder (muitas vezes um destes estados confunde-se com outro e são ambos o mesmo…) , é o objectivo e é um objectivo contra o resto da sociedade.

Isto fundamenta a luta que as modernas elites financeiras fazem contra as restrições feitas por governos democráticos que lhes pretendam limitar a sua obtenção de riqueza. As elites financeiras recusam a taxação progressiva e forçam “flat taxes”, recusam perdões de divida e tentam retirar o controlo democrático dos governos eleitos que ainda existe sobre as velhas elites rurais recicladas em capitalistas financeiros ou industriais ou os grandes hub´s bancários com as adjacências offshore.

São pequenos em numero estes grupos de interesses investidos na aquisição de mais poder e maior lucro, mas detém muito poder e escondem-se nas sombras.

Declinam sempre exercer o poder directamente, mas exigem receber os frutos derivados da influencia que exercem por detrás dos bastidores. Não tendo legitimidade nem autoridade formal, nem apoio visível na população pela sombra movem-se subvertendo.

O tempo presente tem que ser – para estas correntes de erradicação da história – extremamente censurado. O passado tem que ser reescrito, com a nova história que elas próprias criaram e que é falsa.

Irão falhar.

Anúncios

Morte aos moderados portugueses

Em Portugal somos abençoados com a moderação. Ao andar nas ruas, em viagem pelos transportes públicos, entrando em centros comerciais ou olhando com atenção  ao nosso redor estamos rodeados de moderados.

Saímos dos espaços comerciais, das ruas e dos transportes públicos e os moderados tem a sua vida. Conduzem os seus carros em direcção a lado nenhum, sempre com moderação e começamos a pensar se serão seres humanos vivos ou apenas seres moderados. Tal impressão faz-nos pensar se nós próprios não seremos moderados.

Quando os moderados querem deixar de se sentirem moderados fazem loucuras.

Saem à noite e bebem meia garrafa de vinho, exactamente. Vêem televisão por cabo e acham que a série ou o filme absolutamente banal, repetitivo e nada original é afinal brilhante e tomam uma posição moderadamente moderada sobre o assunto.

Moderation

Quando se tornam filosoficamente mais profundos, os moderados emitem uma opinião.

A completa loucura e insanidade em que se tornou a vida moderna ou pós moderna (os moderados tem uma opinião moderada acerca desta diferença doutrinal); a fome generalizada em alguns continentes e em partes de cidades e vilas dos continentes ricos; os refugiados que chegam à Europa trazidos a pontapé por objectivos geoestratégicos; ou a alienação sufocante que rodeia, asfixia e corroí a sociedade portuguesa é moderadamente sentida e comentada pelos moderados.

Moderadamente, o moderado português, declara com “gravitas” na voz que,  “as coisas não são perfeitas, mas se fizermos alguns ajustes ali e acolá, deveremos estar bem”.

Se nos posicionarmos no centro (definir o que é o centro é algo que o moderado faz, de forma moderada…) aumentarmos os impostos sobre os mais ricos e sobre os restantes, legalizarmos as drogas leves, apoiarmos as causas fracturantes (o moderado é a favor de tudo isto quer as causas fracturantes sejam originárias da tribo da esquerda política ou quer sejam originárias da tribo da direita política…), se apoiarmos as causas que não são fracturantes, e mais alguns ajustes ali e acolá tudo estará bem.

Ocasionalmente de forma sistemática os moderados farão uma pequena loucura com moderação. Sextas feiras casuais no escritório com calças de ganga serão implementadas, e quando chegarem à Internet para consultarem sites pornográficos moderados ou facebooks inteligentes de pessoas moderadas; os moderados exigirão que a polícia prenda os trolls que afirmam coisas contrárias às opiniões moderadas dos moderados.

O moderado quer construir um mundo que é sempre o mesmo, só que mais agradável.

Por essa razão (ou outra qualquer mais ou menos moderada), o moderado tem dificuldades extremas em entender as pessoas que sofrem de auto destruição compulsiva, ou dores nas costas, ou sentimentos de culpa induzidos pelo cristianismo latente e opressivo, ou pessoas que recordam sub conscientemente todas as asneiras ou erros que já fizeram. Os moderados não são abrangidos por estas reacções normais: os moderados só fazem moderadamente erros.

Os de nós que reagem com normalidade e de forma perfeitamente saudável ao capitalismo tardio em que parece que vivemos; os de nós que se indignam com esta subversão em que esta sociedade está transformada olham para os moderados como enviados directos do nono circulo do Inferno.

Perante a gritante palete de problemas sociais, políticos e económicos em que estamos colocados, a solução dos moderados é a felicidade revoltante ou a alienação imbecil como resposta a esses mesmos problemas.

the-real-hopeless-victims-of-mental-illness-are-to-be-found-among-those-who-aldous-huxley

Na televisão (e demais pseudo meios de comunicação social) os anúncios comerciais promovem produtos ridículos e dispendiosos de relativa utilidade, mostrando pessoas moderadas e felizes, todas sempre jovens (mesmo quando tem meia idade ou andam agarradas a andarilhos com algálias colocadas…) todas elas felizes e satisfeitas. Moderadamente.

Nos anúncios de produtos médicos a moderação é pior. Todos os medicamentos promovidos descrevem pessoas miraculosamente salvas de uma qualquer dor cronica, o que leva quase a desejar, por parte dos de nós que não são moderados, que as pessoas que fazem o anuncio obtenham uma morte instantânea ou uma qualquer disfunção eréctil os atinja. De forma moderada.

Todos os fundamentos da vida social, biológica, política e económica ameaçam colapsar. E contudo, os moderados andam a pé, de carro ou de bicicleta num prado verde cheio de sol, com um lago com patinhos, satisfeitos por já não terem dores de costas ou artrites.

Os moderados na sociedade portuguesa estão completamente loucos. Baseiam-se num ideal transcendente imaginário alicerçado em Ego, narcisismo e escapismo em que a vida é auto controlada de forma bio política.

Imagine-se o que seria se os moderados, estivessem armados com armas verdadeiras, em vez de sorrisos condescendentes e moderação psicotropica?

Mas porque existem os moderados?

Porque não permitem perturbar os interesses do lucro. Do poder. Da ilegitimidade.

Ou seja, a indiferença social política e económica cheia de alegria e niilismo.
Se “dermos uns toques” “ isto irá tudo funcionar.

Na pratica este exército de moderados é uma arma violenta dentro desta sociedade.

A sua moderação tem permitido que os mais variados corruptos oriundos das elites e das oligarquias obtenham poder e riqueza ilegítima, porque ”se dermos uns toques” isto irá tudo funcionar e eventualmente ajudar a reparar os estragos causados pelas elites e pelas oligarquias.

Mas continua sem funcionar.

O moderado gosta de motas e conduz scoters, bebe Pepsi ou Coca cola ou descafeinado ou chá ou meio copo de vinho, é adepto de novas tecnologias e gadjets, descobre que existem problemas de privacidade pessoal depois das Cctv´s já terem sido instaladas e ouviu na sua adolescência, prog metal, ou Justin bieber, se for um moderado internacional. Se for português ouvirá os acima citados mais José Cid e Tony carreira, ou a cultura genérica de pop rock lisboeta copiada$ das contra partes americanas e inglesas.

Esta forma de disciplina de massas – de parte das massas, dado que Portugal é anárquicamente moderado – é a moderação violenta que terá tendência a sair da periferia indo em direcção ao centro.
Em Portugal, que já é periferia em relação ao centro mundial, já cá chegou mas é difusa e moderadamente cretina e ineficaz.

Se alguma vez a marca especial de moderados de marca lusitana tomar armas – e durante o quadriénio de 2011-2015 andaram a servir de lacaios aos radicais que foram parar ao poder político (e foram votados na sua esmagadora maioria pelo exército de moderadas cá do sítio…) deveremos preparar-nos para um longo exercício de terror imposto pela moderação destas pessoas.

A moderação, via proxy da austeridade, é a invocação de uma guerra de classe usando o terror para o fazer.