A migração dos refugiados sírios

Estamos no final de 2015 e o império central alemão decidiu fazer compras.

Adquiriu um aditivo económico para a sua sociedade. O nome do aditivo económico chama-se ” refugiados migrantes sírios”. O aditivo vem embalado em doses de um milhão de pessoas, embora o Império central alemão só deseje usar 80% da embalagem.

Aos 80% da capacidade foi dada a ordem de parar. Tal como um comboio em movimento não pára imediatamente quando são acionados os travões também um aditivo económico sob a forma de migrantes sírios não pára imediatamente de chegar e deverá ultrapassar a estimativa de carga prevista.

E o orçamento de um milhão cumpre-se.

Quem paga os custos de transporte?

Parece ser fácil de acreditar que simples migrantes pobres de um país em guerra reúnam as quantidades de dinheiro necessárias para fazer tão perigosa e longa viagem, mas que importa: o drama é televisionado.Tem sido vendido como um processo orgânico organizado pelos próprios migrantes, uma espécie de empreendedorismo orgânico com raízes populares…

A população alemã tem uma idade média de 46 anos. Pior, só o Japão. O céu é azul, o sol nasce e este admirável milagre surge: um influxo de um milhão de pessoas para aditivar a economia do império central alemão (e ajudar a baixar a média etária da população).

Provérbio alemão : Small saints too work miracles.

Provérbio alemão : Small saints too work miracles.

Qual é a posição dos restantes micro impérios europeus?

Os restantes micro impérios europeus ficaram surpresos com o descaramento económico aditivado dos alemães, especialmente a França e a Inglaterra dado que são uns dos principais criadores e incentivadores da confusão na síria.

Forçados pelas circunstancias decidiram, a contra gosto também receber umas gramas de aditivação económica (depois de, no caso inglês, terem inicialmente recusado…) e organizaram um sistema de quotas para distribuir as sobras do aditivo pelos restantes países que fazem parte do império central europeu.

Qual é a posição dos micro estados vassalos que fazem parte do Império central?

Os restantes micro estados vassalos dividem-se em duas categorias: os que estão em rota geográfica directa para a Alemanha e as republicas oligárquicas das bananas como Portugal.

Os que estão em rota directa ficaram furiosos com tudo isto e tentaram bloquear a passagem dos aditivos sírios por razões óbvias de custos próprios, segurança,diferenças fundamentais religiosas, etc.

A republica oligárquica das bananas vulgo Portugal pôs-se em bicos de pés e exige também capitalizar esta situação mostrando querer a sua parte (seja ela qual for). Que venham, dizem os corajosos portugueses, porque as elites portuguesas (entendidas no sentido mais depreciativo do termo) estão paralisadas de medo com a demografia portuguesa.

Criaram uma sociedade oligárquica e iníqua semelhante à anterior ditadura (as excepções são eleições com candidatos pré definidos e escolhidos pelas oligarquias e pouco mais) e agora admiram-se pelos resultados que criaram. Colocada em situação de incapacidade para conseguir obter rendimentos que lhe permitam encetar projectos de vida decentes, a maior parte da população tem que escolher não ter filhos ou emigrar.

Esta é a solução das elites oligárquicas que é a solução dos traidores abjectos: “importar activos”, prometer condições e postos de trabalho que não são oferecidos a quem cá está  e promover activamente a discriminação.

Porque é que esta ideia é imbecil?

A imbecilidade desta ideia é simples: integrar muçulmanos é algo de impossível.

Como se engana as populações com a ideia da importação de aditivos económicos humanos?

Por um lado afastam a contestação da população europeia a eles mesmos, tornando-se “úteis”. Importa-se um potencial perigo e a população europeia convence-se que precisa dos actuais políticos e dos actuais regimes sociais para os defender do perigo – estes migrantes.

Cria-se um problema artificial e depois oferece-se a “solução para o problema que se criou. O “problema económico interno” derivado de uma economia que não cresce será “resolvido“ chamando” migrantes e autorizando-os a virem.

Quais são as posições oficiais das tribos da esquerda política e da direita política?

Patéticas, demagógicas e oportunistas.

A tribo da esquerda política faz a sua demagogia costumeira afirmando que todos os que queiram vir devem vir e serem sustentados, hipocritamente sabendo bem que isso é impossível, mas assim colocam no “tribunal da opinião pública” preocupações táticas e estratégicas na outra tribo.

A tribo da direita política faz a sua demagogia costumeira manifestando-se compreensiva com a situação e prometendo aceitar emigrantes desde que com quotas estabelecidas e sendo despachados para todos os lados da Europa.Secretamente deseja imigração porque isso permite esmagar ordenados, e assim agradar à oligarquia empresarial que faz de proxeneta privilegiada da tribo da direita política e de protectora e ofertante de futuros lugares em “sítios”.

fertility rates - europe

https://rwer.wordpress.com/2015/09/07/european-fertility-the-real-population-problem/

A imagem mostra um dos verdadeiros problemas e o que está por detrás das ideias do império central alemão.Taxas de fertilidade em declínio desde os anos 60 na Alemanha.

A republica oligárquica das bananas vulgo Portugal está bem classificada. Considerando que temos sido assolados pela mais desastrosa oligarquia que alguma vez existiu e o trabalho de destruição da mesma tem séculos, não décadas, temos bons resultados demográficos. Ainda existimos.

Mas, mais uma vez, as soluções das elites são estas: em vez de se criar empregos, que ajudem a fomentar crescimento populacional, criam-se migrantes muçulmanos para virem para a Europa…

Quais são os resultados económicos e sociais desta política?

No Império central alemão o influxo de um milhão de aditivos irá baixar os seus próprios custos salariais e meter mais pressão sobre os seus cidadãos que agora terão tendência a sentirem-se distraídos pela migração e pela concorrência laboral que está traz e começarem a contestar a presença de migrantes deixando assim o governo alemão em paz provisória, noutros assuntos.

Na república oligárquica das bananas vulgo Portugal a linha é a mesma: baixar custos salariais, meter pressão sobre quem já trabalha levando as pessoas a aceitarem trabalhar por menos. (Isto num país com 30% de desemprego real é obra…)  No caso das aldeolas no interior do país que querem desesperadamente receber migrantes o objectivo é evitar que os caciques locais percam o rendimento ilegítimo que obtém devido a “falta de massa critica” para se continuar a sustentar certos locais deste país e certas formas de fazer as coisas.

Desemprego real 2015 Portugal

Quem são os migrantes demograficamente?

Segundo as estatísticas europeias, 2/3 são jovens solteiros entre os 18-36 anos.

Quando existe um problema de dívida e uma economia em declínio , eleva-se o numero e o valor dos bens em circulação( Pump up the assets). Pessoas jovens e saudáveis cujos governos de origem não tiveram tempo, disposição ou inclinação para as educar melhor, irão servir para reparar uma economia e uma sociedade em declínio.

Perverso? Nojento? Asqueroso? Lesivo da dignidade humana e da ética?

Claro que sim, mas este é o preço que pagamos por deixarmos as oligarquias movimentarem-se com relativo à vontade.

Anúncios

One thought on “A migração dos refugiados sírios

  1. Pingback: Morte aos moderados portugueses | Enclave

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s