A degradação da população portuguesa – 3/3

A missão:

As elites políticas, sociais e económicas portuguesas já degradaram a população e alteraram os padrões do que era considerado ” fazer algo em sentido próprio”; antes negativo, agora legitimado como positivo.

O que pretendem atingir:

Pretendem criar uma percepção colectiva nova em que agentes públicos ou privados possam agir em interesse próprio sem que existam quaisquer limites éticos ou morais e isso seja aceitável numa sociedade e que isso é considerado justiça.

Como o fazem:

O canal privilegiado usado para o fazer são as práticas das empresas privadas que subverteram o Estado. A lenta equiparação de funcionários públicos a funcionários privados. Inexistência de censura social ou profissional a quem aja apenas em interesse próprio, mesmo que prejudique toda a comunidade.

Qual é o conteúdo:

As normas sociais e as regras profissionais são alteradas e as lógicas de funcionamento internas das empresas e do Estado são subvertidas. O sentido e o conteúdo do que é “competência” e “profissionalismo” é  alterado e competente/profissional passa a ser quem obedece e quem fecha os olhos ou quem ” optimiza” recursos.

Quem executa o trabalho sujo:

A promoção desta nova percepção é feita pelos courtiers de serviço. Os beneficiários são os gestores “modernos”.

11 - 07 - 2015 degradacao pop portuguesa - cartaz 3

(1) As quebras de normas sociais e como estas são reclassificadas pelas elites para servirem os seus propósitos.
(2) A falta de profissionalismo generalizada.
(3) A ascensão dos interesses em sentido próprio nas profissões de topo na sociedade portuguesa.

HOJE: A ascensão dos interesses em sentido próprio nas profissões de topo na sociedade portuguesa.

Quer a quebra sistemática e propositada das normas sociais, quer a implementação da estratégia de falta de profissionalismo (afirmadas em dois textos anteriores) geraram efeitos negativos em todos os estratos da sociedade.

Um dos sub produtos dai derivado desenvolveu-se num dos ambientes menos próprios e menos aconselhados para se desenvolver; a gestão de topo.

Toda a gestão de topo em grandes empresas, quer em escala, quer em influência, ou nas empresas médias que influenciam mercados de produtos específicos ou regionais, descobriu que eram inexistentes quaisquer obstáculos de tipo social ou profissional a que se pudesse fazer o  mesmo que tinha começado a ser feito noutros países; a definição da sua própria remuneração sem qualquer restrição nem qualquer correlação com o que acontecia na restante sociedade e conseguiu  impor essa lógica “como poder”.

Uma censura social poderosa definhou, primeiro, e tornou-se inexistente, depois (devido a quebra de normas sociais, que criticavam fortemente estes comportamentos…) ajudando a abrir caminho a que a cultura do profissionalismo passasse a ser considerada indiferente (a sua existência ou não). O resultado passou a ser a atitude de rédea livre dos gestores de topo no seu posicionamento nesta sociedade.

A invocação semi mística de serem possuídos  de “privilégios simbólicos especiais” gerou a promoção da cultura da remuneração apenas em interesse próprio cada vez mais desproporcional em relação aos reais resultados das empresas ou dos interesses colectivos da sociedade. Ou a acrescentarem “fringe benefits” ao pacote remuneratório

Este novo ambiente (durante os últimos 30 anos tem sido isto) de licenciosidade disfarçou-se de mercado livre e de inovação modernista. Verdadeiramente é um golpe de estado social, económico  e profissional sempre baseado em abstrações e mentiras generalizadas. Esta nova “ordem” subverte os princípios da economia de mercado que estes novos deuses em beneficio próprio dizem defender.

A população portuguesa sem ancoras ou pontos de referência assentes nas normas sociais que (antes) a defendiam, falhou em perceber que as novas “regras sem regras” eram apenas maleabilidade indiscriminada disfarçada de modernismo, e aceitou alegremente ou descuidadamente este jogo. Auto corrompeu-se mediante a promessa de que os benefícios materiais dai decorrentes compensariam a falta de ancoras sociais claras e justas.

Chegámos a 2015. A população obteve traição económica, perdeu ancoras sociais e tem que suportar a falta de profissionalismo em todos os sectores da sociedade. Para já, os   insiders ganharam um jogo que já tinha sido decidido antecipadamente.

Como exemplo, olhe-se para o Estado. Antes, no sector público, o gestor público geria a empresa estatal e, quer a gerisse bem, quer a gerisse mal, era politicamente “transferido” para outro sector público para continuar a gerir bem ou mal outra empresa, aquando da próxima mudança eleitoral. Esta era a forma de controlo e definição da sua própria remuneração e compensação; isto quando ainda existia sector público.

Actualmente, no sector privado, por detrás do manto da retórica falsa do “mercado” como ajustamento da oferta e da procura e demais banalidades dos gurus da gestão o jogo é um de monopolios privados e de mercados lucrativos apenas acessíveis aos “escolhidos”. Os “escolhidos” gerem genericamente mal, no privado, (há excepções, mas são poucas) mas legitimizaram-se como sendo apenas a única alternativa que dizem ser a que existe.

Resultados? Monopólios e constantes aumentos dos pacotes remuneratórios dos gestores de topo (decididos pelos próprios) para níveis impensáveis há 3 décadas atrás em termos de proporcionalidade entre o empregado da empresa que menos ganhava e o gestor que mais ganhava.

Esta “diferenciação fabricada por golpe de estado económico” é o maior exemplo da desigualdade. O estilo de vida tendencialmente baseado nos reis e plutocratas, é aquilo que se pretende impor para um número reduzido de pessoas. São exemplo, os políticos e membros da administração que se retiram de “funções publicas” e passam depois a exercer cargos em sinecuras privadas corporativas criadas à medida e que, curiosamente, tem actividade nos sectores onde legislaram.

Em empresas privadas o mesmo acontece, mas com outras nuances, tais como a permissão de várias pessoas serem administradoras de inúmeras empresas ao mesmo tempo.

Tudo normal, não se passa nada.

“You wear a mask for so long, you forget who you were beneath it.” ― Alan Moore, V for Vendetta

“You wear a mask for so long, you forget who you were beneath it.”
― Alan Moore, V for Vendetta

Os comportamentos indignos das chamadas classes altas auto espalharam-se para dentro de si e para fora. Todas as outras classes em Portugal  que não tem dinheiro ou posição para viver desta maneira copiam as mesmas quebras de ética, moral, esperando pela mimetização chegar a “sitios” e aceitam  viver debaixo deste mundo onde são os maiores prejudicados.

Este totalitarismo invertido faz com que quem não tem posição ou dinheiro limpo comece a achar que ser corrupto e desonesto é que é ser honesto e sério.

A inversão de valores começa a ser perigosa e definida.

Se um pardieiro decide ser um pardieiro, mas as elites lhe mudam a mensagem e passam a dizer-lhe que deve ser um protectorado bem comportado, o nível de autoestima das pessoas desce para as profundezas e o problema só aumenta.

A tribo da direita política critica as inevitáveis vitimas deste sistema dizendo que a culpa é delas, ou ignora-as prestando-lhe assistencialismo de sobrevivência (compra-lhes o silencio, retira-lhes direitos políticos  e lucra financeiramente no processo). Em paralelo defende que quem ganha com trapaças é um herói e é assim que deve ser.

A tribo da esquerda política aceita a existência de vitimas deste sistema, dizendo-lhes que a culpa delas apenas será remível através de crescimento económico e fé em nada tangível, prometendo a libertação futura da opressão, mas apenas desde que confiem na aristocracia de esquerda e a apoiem ( um quid pro quo incompetente e corrupto, que compra o silencio futuro, retira os direitos políticos do presente e lucra financeiramente no processo). Em paralelo defende que quem ganha com trapaças é um acidente e quando existem acidentes nada se deve fazer, foi uma inevitabilidade.

Anúncios

Os cleptocratas portugueses perderam a narrativa e perderam a legitimidade

Existem narrativas oficialmente sancionadas pelos principais atores políticos,sociais e económicos. Estas são as narrativas que dizem aos cidadãos como devem pensar, como devem sentir, como devem estar. Gerações de cultores desta forma de manipulação fazem turnos, revezando-se na distribuição de tarefas socialmente manipuladoras e ocupando os meios de difusão destas com memorandos manipulativos destinados a produzir o maior estado de confusão na população que seja possível produzir.

Essas narrativas oficialmente sancionadas funcionam como alicerces do atual pântano estagnado e corrupto – o status quo.
Esse status quo, também conhecido pela “situação” é aquilo que (por enquanto) mantém intocável todo o conjunto de elites parasitas, lacaios associados e demais seres rastejantes que orbitam esta constelação de traidores e medíocres que assombram e atacam a população portuguesa.

Estas narrativas oficialmente sancionadas funcionam na sociedade portuguesa como “Chaves mestras”. Um corpo doutrinal de frases e ideias profundamente estéreis e anti democráticas criadas com o fim de manter tudo como está.

Estas também são as narrativas oficialmente sancionadas que defendem o neoliberalismo e os arranjos próprios dos monopolios de direito ou de facto socialmente e economicamente corruptos.

São também as narrativas oficialmente sancionadas que afirmam que as alternativas são inexistentes.

São também as narrativas oficialmente sancionadas que produzem um discurso de aceitação e proteção dos monopolios privados e os afastam da competição no mercado, o mesmo mercado ou capitalismo que é vendido, através de um duplo discurso, como sendo a base do sistema social, sob a qual nós todos nos devemos orientar.

São também as narrativas oficialmente sancionadas que visam destruir a cidadania e a democracia e instaurar a tirania e a opressão. A ilegitimidade destes procedimentos é assente na transformação do que está e existe, visando criar consensos artificiais para ir em direção a um sistema político e a um regime abjeto e falho de legitimidade democrática.

Os exércitos de ilegítimos que tem feito todas as tentativas de condicionamento da população, já perderam o fio à meada de uma boa parte destas narrativas e elas caíram. Quando e onde não caíram estão apenas em acentuado estado de erosão.

A legitimidade do status quo, da ” situação”  já foi perdida.

O que ainda (os) ilude é o facto de a carcaça do “regime/sistema neoliberal para todos e monopolista para os insiders” ainda estar colocada no lugar onde foi originalmente depositada e anteriormente vendida como sendo algo inteiramente diferente…
Só os ignorantes, só os lacaios, só os corruptos, só os associados, só os que tem interesses investidos neste sistema, defende ou acredita que esta comunidade é e está a ser gerida como um sistema justo onde existe meritocracia na sociedade portuguesa.

A erosão destas narrativas “chave -mestra” é iniludível.

Entre estes protótipos corruptos de avençados acima mencionados temos as castas que administram o sistema de justiça, os lacaios dos meios de comunicação social, salvo algumas muito raras exceções, os lacaios menores das forças de segurança, as universidades de produção de saber inutilizado e ideologicamente orientado e as grandes corporações que monopolizam 5 ou 6 sectores económicos essenciais à vida dos cidadãos.

Estes são os principais inimigos dos cidadãos. E o que está a ser erodido são as narrativas que emanam dos títeres que promovem estas entidades.

Uma delas é a seguinte: a narrativa principal é a de que ninguém está acima da lei. Aparentemente, segundo esta narrativa , todos são tratados por igual e os abusos de poder, públicos ou privados são punidos ou limitados.

FALSO

Na realidade não existe qualquer responsabilização verdadeira pelos abusos de poder em todas as suas formas,nem há tratamento jurídico) igual para todos.

O cidadão foi transformado num ser desprotegido e está sempre colocado em pé de desigualdade quando tem que contactar ou é forçado a fazê-lo, o Estado, via forças policiais, a administração fiscal, via finanças ou qualquer órgão político eleito, via juntas de freguesia e câmaras municipais, só para dar alguns exemplos.

E, neste ultimo caso, ainda recebe o bónus de gosto duvidoso de ter que contactar com alguns dos mais cretinos representantes azeiteiros da cidadania que se pode ter o intenso desprazer de contactar, tal a estupidez e ignorância que demonstram e o absoluto desconhecimento da ideia de sentido de missão publica.

Só cidadãos com bolsos fundos, conseguem combater legalmente os abusos de poder.

Outra das narrativas principais diz-nos para ter confiança nos dados estatísticos oficiais ou privado-oficiais. Segundo estas narrativa, dados estatísticos oficiais são verdadeiros e devemos confiar no que nos dizem.

FALSO

Existe manipulação de dados oficiais quer via institutos geridos pelo Estado, quer via privados, ou através da falsificação deliberada de estatísticas ou pela omissão de dados. Mascara-se a realidade e a realidade é que a economia e a sociedade portuguesa estão organizadas para beneficiar poucos às custas de muitos.

Taxas de desemprego falsamente adulteradas para dar números baixos, (falsa) formação profissional falsamente listada como preparação para arranjar emprego, classificações de atividades absurdas como sendo empregos, estágios profissionais pagos a zero como sendo emprego, trabalhos parciais, quer em horas, quer em dias, listados como empregos a tempo inteiro…a lista de iniquidades e falsidades é criativa..

O capitalismo português é de amigos para amigos, de compadres para compadres, de políticos comprados, adquiridos e pagos para quem compra políticos comprados adquiridos e pagos, de legislação fabricada para amigos com dinheiro comprada a deputados e partidos políticos que querem ser amigos de quem quer legislação fabricada para amigos com dinheiro.

Interesses ilegítimos, anti democráticos e baseados na traição feita à população, são  mantidos com o objetivo de controlar o espectro político para conseguirem manter ou expandir o seu rendimento e o seu poder, poder esse que é reciclado para de novo ser usado para condicionar cada vez mais os cidadãos.

Os resultados podem ser vistos no declínio ou estagnação para a maioria dos cidadãos dos seus ordenados ou nos seus despedimentos dos empregos que tinham e na diminuição do seu poder enquanto indivíduos, porque a sua dependência aumenta.

“A classe media é o suporte da sociedade, temos que ter uma classe media forte”.

FALSO

Todos os princípios éticos, morais, políticos, económicos, sociais que norteavam a defesa da existência da classe media, como suporte e centro da sociedade foram destruídos. Até o mapa ” pequeno-corrupto do português cidadão médio” para se obter segurança financeira e “subir na vida”, que em Portugal passava pelos cidadãos se encostarem a poderosos que os iriam defender em tempos de vacas magras, assentava numa educação superior (ser um doutor) e em trabalhar numa grande empresa (o desígnio ultimo de “ estar bem” ); esse mapa foi quebrado.

A antiga cultura de estabilidade e lealdade à empresa – a tal grande empresa a que se queria chegar e lá ficar foi obliterada de forma violenta e apenas existe uma cultura de ” transição entre empregos” alicerçada em relações publicas de fachada, consubstanciadas nos anúncios (promovidos pelas corporações monopolistas…)  de  “empresa “X” é considerada a melhor para trabalhar” . Isto serve como capa que mascara a cultura de insegurança na sociedade e dentro das empresas cujos principais e primeiros responsáveis são quem a cultiva, a gestão empresarial corrupta defendendo através de atos no dia a dia, precisamente o contrario.

“Através da formação e da educação iremos subir na vida”

FALSO

Um licenciatura universitária vale zero para quem a obteu, numa economia e numa sociedade que está organizada para defender monopolios privados e não para se desenvolver e criar empregos. Qualquer análise custo-beneficio mostra que “obter educação” tem valor próximo do zero na economia do futuro, onde os lugares são menos e os licenciados mais.

Com a recente crise, vendida como sendo estrutural e eterna, nem isso se obtém, dado que inúmeras pessoas nem rendimentos tem para estudar e obter um curso superior ou até abaixo disso e muitas das que o obtém, são convidadas a sair de Portugal.

A elite política, económica e social portuguesa desvia o dinheiro de formação de portugueses e transfere-o para as economias de outros países que assim obtém gratuitamente licenciados, não licenciados e ensino médio a custo zero.

Estamos em teoria dos jogos e é um jogo de soma zero.Tudo para uns, zero para a população.

“Existe ” administração aberta” e todos os todos os níveis de governo em todos os seus níveis administrativos respondem a quaisquer duvidas e pedidos de esclarecimento dos cidadãos ou questionamentos do porquê de os serviços estatais agirem como estão a agir”.

FALSO

Lidar com o Estado/Governo ou com os interesses das empresas privadas em relação ao cidadão é estar em constante luta. Uma crescente violência coberta – normalmente via fiscal – e ameaças de intromissão na vida privada dos cidadãos, são constantes. Constroem-se bloqueios para a resolução de problemas, ou através da recusa de informar e esclarecer ou fazendo o oposto, que é deixar o cidadão afogado em informação altamente complexa que sozinho não pode descodificar. Promove-se a perda de tempo mas para o cidadão. Se tal não chegar utiliza-se a promoção da violência ” legalizada” via sistema oficial de justiça visando impedir as  legitimas questões que o cidadão coloca ao seu Estado/Governo sejam efetivadas. Dizer a um cidadão ” vá a tribunal” é, no contexto atual, bloquear o cidadão. Os órgãos e os amigos que emanam das estruturas deste Estado  ou pelos privados que estão em conluio com esta forma de fazer as coisas são realidades objetivas.

“Em Portugal, não existe abuso de poder”. Somos uma democracia consolidada”

FALSO

O abuso de poder é a norma. Somos uma fachada corrupta consolidada.

Recusa-se resolver assuntos que o cidadão exige que sejam resolvidos em tempo útil e promove-se a hostilidade social contra os cidadãos através das tentativas de isolamento dos cidadãos uns em relação aos outros.

A imposição de autoridade é feita sem responsabilização nem verificação dos atos dos responsáveis políticos e administrativos e das suas estranhas e ilegítimas ligações a interesses privados, tudo isto misturado com o recurso a abusos de poder na relação com os cidadãos ou ao exercício de poder sem quaisquer limites. Duas táticas são usadas.

“Não há verba”.

“A sua insistência neste assunto demonstra que é conflituoso”.

Mas os sinais são claros.

As narrativas chave foram quebradas. A legitimidade foi perdida.
O regime está sem legitimidade. E está a ser usado como uma oligarquia privada.

Mas os pés são de barro.

As oligarquias caiem.

O adversário estratégico é a patologia dos ricos, das elites de poder e dos lacaios associados

“The strategic adversary is fascism… the fascism in us all, in our heads and in our everyday behavior, the fascism that causes us to love power, to desire the very thing that dominates and exploits us.” –  Michel Foucault

SERVILISMO - PÉSUm dos problemas da população consiste na recusa em entender que as pessoas que são ricas, que são poderosas, as elites de poder, os seus lacaios e demais invertebrados que as servem estão contaminadas com uma patologia perigosa e que não se resolve com os tratamentos habituais.

A população recusa entender que existem patologias nestas “sub-espécies”  de pessoas por várias razões.

Uma consiste no facto de, regra geral, o cidadão comum agir de boa fé e nunca apreende o mundo em toda a plenitude da maldade que nele existe. O mundo, para o cidadão, é inerentemente bom e justo.

Quando se lida com as patologias da elite de poder isto é uma desvantagem estratégica e táctica absolutamente letal para quem falha em reconhecer isto, precisamente porque olha para estas pessoas como se elas fossem justas e sérias.

Condescende-se.

Outra consiste na saturação que é promovida através dos meios de comunicação social, elevando ao semi estatuto de deuses, figuras imbecis da elite de poder, milionários e demais aproximações que gravitam à volta dela.

Glorifica-se a quantidade de dinheiro que alguém tem, visando intensificar a suposta “autoridade moral” que essa pessoa ou pessoas terá para mandar na sociedade.

A quantidade de dinheiro deve ser recusada como benchmark do contrato social.

Existem terapias e soluções para obviar a esta saturação imbecil, mas por si só não chegam para conseguir apagar de forma imediata um legado de décadas de bombardeamento de imagens culturais destinadas a amenizar e adocicar a imagem dos muito ricos e poderosos e dos crimes que estes cometem e que incitam outros a cometer.

São poderosas terapias, com resultados práticos visíveis, mas demoram tempo.

O Enclave é eterno.

A população, por auto convicções próprias derivadas do seu desconhecimento interiorizado de que a elite de poder é reles e suja, e porque tem aceite como boa a informação passada pelos lacaios da comunicação social  de que “aquelas pessoas” são de confiança, tem-se traído a si mesma, tem-se auto corrompido, tem destruído a sua própria integridade e sentido de si e dos seus descendentes.

Como interiormente, na psique colectiva, a generalidade da população não apreende ou recusa apreender que os ricos, os poderosos, a elite de poder é uma sub espécie  organizada de forma oligárquica, moralmente corrupta, sem quaisquer princípios éticos ou de honra torna-se necessário tomar medidas para forçar o reconhecimento colectivo de que estas pessoas são mesmo assim e que estamos todos em grande perigo se fecharmos os olhos.

“There are plenty of ugly things about wealth and its possessors in the present age, and I suppose there have been in all ages. There are many rich people who so utterly lack patriotism, or show such sordid and selfish traits of character, or lead such mean and vacuous lives, that all right-minded men must look upon them with angry contempt… ~Theodore Roosevelt

“There are plenty of ugly things about wealth and its possessors in the present age, and I suppose there have been in all ages. There are many rich people who so utterly lack patriotism, or show such sordid and selfish traits of character, or lead such mean and vacuous lives, that all right-minded men must look upon them with angry contempt…
~Theodore Roosevelt

Evitando fechar os olhos deve-se trabalhar para rebentar a ilusão que é vendida como verdade. E a ilusão consiste em afirmar que se um pobre/classe media/media-alta  trabalhar muito e portar-se bem irá ficar rico como os ricos e pertencer à elite de poder.

Estudar muito, e ” ascender socialmente” via esforço individual é – na época actual – a maior patranha que os ricos, a elite de poder e os seus apaniguados promovem como sendo a solução para o pobre ou quem não pertence à elite de poder chegar a ” lugares”.

Uma falsa cultura de mérito é vendida como boa e como exemplo.

Isto é feito num sistema já pré armadilhado para fazer perder quem joga este jogo.

Acaso se aceite jogar este jogo ou acaso se desconheçam os contornos do que se passa, mal se chega ao final do jogo ser-se-á imediatamente alvo de propostas de corrupção visando aceitar-se ficar dentro do sistema mas apenas e só sendo corrupto, embora os resultados concretos para quem aceita isto deixem sempre muito a desejar.

O Enclave recusa jogar este jogo viciado.

Isto não é (e nunca foi) um problema de educação de elite ou de massas feita para as elites ou para as massas, isto é um problema de ganancia e poder.

Os “ricos”, supostamente as pessoas mais bem preparadas da sociedade portuguesa, tem sido aquelas que tem destruído mais valor social e económico nos últimos anos e antes dos últimos anos.

Pertencem todas à elite de poder.

São as mais bem preparadas em destruir.

TURN THE TABLEJá a geração mais nova, apelidada de “a geração mais bem preparada de sempre” tem sido a que mais falha, mais desiste, mais emigra, mais é expulsa ou se auto expulsa do sistema e do pais, do mercado de trabalho, da sociedade, precisamente porque falha em reconhecer que “não é a mais bem preparada de sempre”.

É a mais bem preparada de sempre para falhar.

A elite de poder contaminou-a com Hubris.

Num jogo viciado, os que não pertencem à elite de poder, deveriam voltar o tabuleiro de jogo.

Em vez disso, como patetas condescendentes que são, percebem ou sentem que estão a ser manipulados mas continuam a aceitar jogar um jogo viciado que no final lhes trará zero de resultados e um definhamento pessoal, social e económico lento.

São opções.

O enclave e a Irmandade de Némesis recusam essas opções.

Recusamos um jogo social corrupto com vencedores pré programados.

ANUNCIO DE EMPREGO - GERACAO MAIS BEM PREPARADA 2014-11-21

Enquanto os membros da “geração mais bem preparada de sempre” são preparados para serem os membros da “geração mais bem prejudicada de sempre”, * a  elite de poder subsidia de forma marxista-socialista-comunista os seus rebentos imbecis, que são medíocres, e promove-os constantemente dentro de um sistema já pré viciado e com resultados já pré definidos. Este combate de boxe social e económico já tem vencedores  pré anunciados e pré programados.

(isto dura até aos próximos membros da próxima geração passarem a ter esse titulo de honra e gosto duvidoso. As maquinas de moer carne humana e destruir gerações de portugueses estão sempre em funcionamento…nelas o desemprego é inexistente…)

Nas escolas de elite, os tipos ricos e milionários que as frequentam, tem excelente educação e aprendem anos a fio a arte de governar e como mandar socialmente.

Isto é uma forma habilidosa de criar acção afirmativa para os ricos e poderosos, de criar quotas para géneros, de fazer discriminação em favor de quem já está numa posição em que por si só já tem dinheiro e poder para se conseguir discriminar sozinho sem ajudas exteriores.

Esta discriminação a favor dos interesses dos rebentos endogâmicos da elite de poder e da salvaguarda do seu direito à mediocridade sem serem punidos socialmente ou profissionalmente por isso, visa criar separação social entre ” eles” e o resto da população.

Mas, e mais importante visa promover dentro das fileiras da elite de poder, a generalidade dos atrasados mentais que delas emergem, dos medíocres,  da estupidez selecta das boas famílias, que poderia estar assim salvaguardada de aparecer a chatear o resto da população, mas que, através deste expediente, é impingida ao resto da população.

A maior parte destas pessoas depois de ter sido levada ao colo ilegitimamente, vai-se dedicar aos “negócios”, mas como são medíocres e estúpidos apenas sabem destruir valor e queimar recursos e impedir terceiros oriundos das fileiras mais baixas da sociedade de ascenderem (esses sim) por mérito.

Nesta sociedade nada tem a ver com inteligência ou mérito.

ANUNCIO DE EMPREGO - ECONOMISTA MALABARISTA 2014-11-21

O jogo social é viciado da seguinte maneira.

Se fores pobre só tens uma chance (algumas vezes, não todas).

Se fores rico, pertenceres à elite de poder ou estiveres interessado em ser um lacaio  subserviente tens inúmeras chances e és sistematicamente salvo das asneiras que fazes, da mediocridade que exibes, por vezes ao longo de decénios e após isso, se necessário, mais ainda até ao infinito.

Esta forma de subverter o jogo social é particularmente sinistra e tenebrosa.

Os ricos perpetuam-se a si mesmos e perpetuam a mediocridade à custa do resto da população e com o dinheiro e o poder que adquiriram ilegitimamente armadilham o sistema e vivem à custa de toda a restante população.

Parasitas.

Esta mesma elite de poder recheada de oligarcas e kakistocratas possui e controla os meios de comunicação social e assim garantem que nenhuma critica que lhes seja feita passe para fora do circuito.

Nas escolas para elites, os membros da mesma vivem num ecossistema em que as crianças dos membros da elite de poder são educadas de forma a pensar que todos os outros as servem.

Isto é “educar” para se ter uma concepção do mundo que só irá gerar problemas e conflitos com a demais população.

Esta mentalidade faz a afirmação plena que os membros da elites de poder são diferentes porque tem muito dinheiro, logo os restantes são produtos e são dispensáveis.

Há uma indiferença gélida e uma hostilidade brutal em relação a todos os outros membros da sociedade porque o resto da população é vista como um produto.

O único contacto que esta gente tem com pessoas comuns é com aquelas pessoas que trabalham para eles.

Os jardineiros ou motoristas.

Politicamente, como estão fora de contacto com a população, podem retirar-se para santuários  onde julgam que não serão atingidos.

E o processo de autismo destas pessoas mais aumenta, precisamente por julgarem que, por fazerem retiradas a seu belo prazer e poderem voltar no futuro isso significa que não tem quaisquer tipo de restrições.

Dai à revolução violenta há uma ténue linha.