A elite de poder mundial corrompe, a elite de poder portuguesa corrompe absolutamente…

As linhas de batalha estão traçadas.

“Plunderers of the world, when nothing remains on the lands to which they have laid waste by wanton thievery, they search out across the seas.  The wealth of another region excites their greed; and if it is weak, their lust for power as well.  Nothing from the rising to the setting of the sun is enough for them. Among all others only they are compelled to attack the poor as well as the rich. Robbery, rape, and slaughter they falsely call empire; and where they make a desert, they call it peace.”

Tacitus

Qualquer grupo de  primatas sociais, dispõe de um núcleo duro BANSKY - REUNIAO DA ELITE DE PODERde membros.Esse núcleo possui mais poder e recursos que os restantes membros da sociedade. Consequentemente, tem mais capacidade para influenciar terceiros ou para impedir ou permitir a entrada de terceiros nesse núcleo duro.

Manter indivíduos “aceitáveis” dentro do núcleo duro pode obedecer a várias estratégias diferenciadas, consoante se trate de um grupo de gorilas na selva ou de um conjunto de senhoras na Igreja.

Os gorilas fazem demonstrações de força bruta e intimidação para decidir quem está dentro do núcleo duro e quem não está. Intimidação, violência coberta ou disfarçada, subversão social e a pratica do ostracismo sobre os membros considerados inviáveis são os seus métodos.

BEATAS - PIERRE MARIVAUXAs senhoras na igreja fazem demonstrações de força utilizando a subtileza discriminatória e as falsas noções de ética e moral.

Através da aplicação do manobrismo social e da manipulação social do seu grupo combinadas com coscuvilhice odiosa e hipocrisia grandiosa condicionam e criam a definição artificial de quem está ” apto” a fazer parte do núcleo duro ou quem é inapto.

Existem duas vias, tal como definidas pela “corrente doutrinal” das senhoras na igreja, para se entrar para um núcleo duro.

A primeira via consiste em nascer dentro de uma família que já pertence ao circulo do núcleo duro e, acaso o rebento descendente não seja uma pessoa problemática será cooptado para entrar futuramente na instituição que interessa que entre, apenas e só porque nasceu dentro daquele núcleo.

SERVILISMO - PÉSA segunda via consiste em nascer fora do núcleo duro, mas poderá ser-se convidado a entrar ” vindo de fora” através  do exercício das inferiores artes da deferência cretina, da subserviência acrítica, dos atos de ser um” bom cortesão”, da ida ao encontro de todas as expectativas por mais absurdas elas sejam, ou dobrar a espinha conformando-se a todas as opiniões contrarias e decisões por mais absurdas elas possam ser.

(Existe uma terceira via, mas é falsa e não será aqui explicada.)

Quer se utilize qualquer uma das duas vias como exercício de auto desvalorização e humilhação subserviente, por vezes durante muitos anos, lá eventualmente os membros da elite sénior aceitarão tratar o candidato como membro da elite juvenil e os membros da elite juvenil trata-lo como um dos iguais (menos).

Use-se qualquer um dos métodos; poucos são os escolhidos para o núcleo duro, e muitos são os excluídos.

Nada nos dois métodos indica princípios de liberdade e de justiça.

As linhas de batalha estão traçadas.

"All media exist to invest our lives with artificial perceptions and arbitrary values."

“All media exist to invest our lives with artificial perceptions and arbitrary values.”

Em grupos de primatas sociais, a repetição temporal deste processo origina uma elite dentro de uma sociedade ou civilização.

Se uma instituição, qualquer ela seja, é relativamente nova, torna-se fácil para os recém entrados com más intenções manipular e intimidar os que já lá estão com o objectivo de pertencer ao núcleo duro e/ou definir quem doravante ai pertencerá.

Se é relativamente antiga e estabilizada torna-se muito mais difícil fazê-lo, porque  os membros que já lá estão usam filtros poderosos para impedir entradas exteriores classificadas como potencialmente subversivas.

E a ordem das coisas fica definida em pedra.

As linhas de batalha estão traçadas.

ampulhetaContudo, com a passagem do tempo, verifica-se que na instituição relativamente antiga e estabilizada, a palavra estável começa a mudar o sentido que antes lhe era atribuído, perde o significado original e o que antes era ” estável” torna-se agora um conjunto de outras coisas.

Numa definição de ” ética” algo livre parece poder afirmar-se que “ética” será a capacidade de distinguir o bem do mal.

Mas, na instituição relativamente estável, o decurso do tempo traz cortes fundos com as intenções benignas iniciais. A passagem dos anos ou séculos traz mais e mais quebras  éticas dos membros da instituição relativamente estável.

O comportamento destrutivo destes começa a tornar-se visível, a fachada moral começa a ser hipócrita e defensiva, e acima de tudo, falsa e perigosa,. decadente, arcaica, proteccionista, corrupta, com índices de maldade e opressão cada vez maiores.

Um conjunto de saltos éticos para baixo ocorreu com o laxismo e o fechar de olhos – primeiro – e com a conivência e aceitação – depois – e a passagem para um certo lado da trevas faz o seu aparecimento.

Os membros da instituição (anteriormente) estável começam, primeiro a tornar-se corruptos moralmente,fechando os olhos às próprias regras de entrada na instituição (já de si injustas e arbitrárias…), que antes defendiam. Agora vigora a total falta de princípios e a recusa das próprias regras pactuadas combinadas com o arcaísmo decadente e o proteccionismo do grupo podre dominante.

CORRUPÇÃO POLÍTICA EM GERALE levanta a sua feia cabeça o pior do pior: o ataque para com  os demais membros da sociedade e com índices de maldade e opressão cada vez maiores.

A  ética pessoal e institucional começa a quebrar-se, os valores sejam quais tenham sido tornam-se turvos e opacos, injustiças em grau pequeno depois progressivamente maior, ocorrem.

A norma é a corrupção de comportamentos.

Tudo para eles, nada para os restantes.

Este é o processo decalcado a uma micro escala do que numa situação mais à escala mundial, nações mais poderosas fazem .

Nos estados unidos, o actual pináculo desta forma corrupta de se fazerem as coisas, as universidades são o topo desta ultima forma de promoção da corrupção social e do enviesamento da pirâmide social, política e económica.

Os rebentos mimados, agressivos e que julgam que o mundo começou no dia em que nasceram, oriundos dos ricos e poderosos aparecem saltitantes nas respectivas para cumprirem 4 anos de um mero pró-forma, um ritual de mérito encenado.

Só se forem extremamente imbecis é que irão falhar, o que, dado o facto de estas classes sociais terem tendência a casar entre si – endogámicas – não é uma possibilidade a excluir de todo.

Mas, endogamia controlada com comprimidos aparte, na maior parte das vezes, para evitar que falhem lá surge um rico e generoso cheque do paizinho ou da família, que paga a renovação, ou a construção de uma nova ala da Universidade, ou um auditório ou um novo parque desportivo, o que faz com que os competentes professores da dita Universidade fechem os olhos aos retardados preguiçosos filhos de ricos e aceitem passar as amibas com classificações  suficientemente elevadas para dar a impressão que são competentes e podem assim chegar aos conselhos de administração das grandes empresas americanas…ou das do papá que assinou o cheque da doação.

As linhas de batalha estão traçadas.

O objectivo deles: promover  " isto" e a instabilidade pessoal e profissional que decorre da promoção "disto".

O objectivo deles: promover ” isto” e a instabilidade pessoal e profissional que decorre da promoção “disto”.

E em Portugal?

Estamos a chegar lá.

Os retardados filhos de milionários ou aspirantes a chegar ao núcleo duro de membros da sociedade com capacidade para corromper mais e pior já tem o seu ninho em pré funcionamento.

Bens públicos são passados para segundo plano para permitir aos empreendedores da corrupção um novo brinquedo académico para apenas e só alguns.

A promoção da ideologia de cascais é apresentada como investimento na educação.

Em Portugal, um merceeiro mecenas oportunista e anti democrático faz o papel de paizinho académico de novas gerações de subservientes que aspiram a ser reconhecidos ilegitimamente (quer os da via um acima descrita, quer os da via dois).

Quanto ao cidadão… esse está a ser manipulado e ridicularizado por tais tácticas e continuará nesta posição até ter a honestidade de admitir a si mesmo qual a sua realidade pessoal e ganhar a coragem para fazer algo.”

A separação da podridão deve ser cultivada pela população de forma intensa.

Eles estão podres e estão a sujar o chão. Recusamos que nos sujem o chão.

O Enclave diz não.

A Irmandade de Némesis diz não.

As linhas de batalha estão traçadas.

Anúncios

A elite de poder como cancro que promove a corrupção ética

A elite de poder portuguesa criou e organizou um sistema político, social, económico e psicológico aberrante.

Séculos desta aberração caótica tem sido enfiados pelas gargantas dos portugueses, usando para isso os mais variados regimes políticos e sociais.

Todos tem falhado.

Clamorosamente e com estrondo.

Ao longo desta linha temporal civilizacional aberrante existem, pelo menos, duas coisas aberrantes e constantes.

Uma, as falhas sistemáticas e repetitivas de todos os modelos que tem sido experimentados, com os constantes ressaltos em termos de humilhação e degradação (custos psicológicos e monetários destas falhas que são sempre enviados para a população pagar), sendo as falhas constantes destes modelos devidamente e corruptamente apoiadas pelos atores económicos e sociais presentes no terreno.(a culpa própria destes é sempre desvalorizada ou convenientemente esquecida)

Outra, a omnipresença dentro do sistema social, económico, político e psicológico português de uma ” elite de poder”, parasita, decadente, maldosa, arrogante, incapaz,  perigosa para si própria e para a população e que criou um sistema em que se auto transforma em inimputável perante terceiros (a população).

CORRUPÇÃO POLÍTICA EM GERAL

Este sistema, apesar de profundamente corrompido e absurdo, tem objectivos.

Um dos principais consiste em fazer jorrar de forma ininterrupta, para os membros da elite de poder, e respectivos associados e famílias, beneficios ilegítimos e amorais e amplificar a partir dessa base, o enorme poder que já possuem.

Contudo, nos tempos actuais, entre as duas ultimas décadas do século 20 e o principio do século 21, a ” elite de poder” entrou em depressão psicológica. Sentia-se profundamente oprimida e injustiçada com o grau de beneficios ilegítimos e amorais de que se apropriou indevidamente e amoralmente.

Acha pouco.

Decidiu aperfeiçoar o processo.

elite de poder em confabulação

Simpósio cultural do século passado onde foi decidido pela elite de poder concessionar aos serventuários a tarefa de corromper mais ainda a população – imagens inclusivas Enclave

Chocada e profundamente emocionada por descobrir que ” as massas” estão a agitar-se e recusam perceber qual a razão de ser que justifique serem atribuídos beneficios ilegítimos e amorais à “elite de poder”, decidiu mostrar de forma mais abrangente a sua reacção ao problema.

Passaria a ser considerado necessário que as massas ignaras e mal agradecidas “olhassem” para a realidade com as mesmas lentes que a ” elite de poder”.

Para executar de forma plena, esta javardice social, económica, política e moral; concessiona à pequena legião de serventuários corruptos e amorais que a servem, uma missão a cumprir.

Subverter.

Os pulhas contratados deveriam, por todas a formas possíveis, procurar induzir na restante população, ignara e mal agradecida, os próprios vícios que a ” elite de poder” tem ( para as massas passará a ser vendida corrupção Low-Tech… e em ambientes controlados…)

Os serventuários rastejantes e degradados, procurando agradar aos amos e senhores, (para serem pagos em corrupção de média qualidade, futuramente…) tem trabalhado com denodo e afinco.

SERVILISMO - PÉS

As cortinas tem sido abertas e entra a corrupção ética, moral, pessoal, entra o suborno social e pessoal, a omissão, a mentira, o logro, a decepção, entra o cinismo e a hipocrisia, a crueldade social, a destruição da capacidade critica, a destruição da dignidade, a humilhação como forma de comportamento das pessoas umas para com as outras, a hierarquização artificial de comportamentos na sociedade e no mundo do trabalho, entre muitas outras características detestáveis que a elite de poder mandou impor.

Os estragos observam-se, quer na forma material, quer simbolicamente.

O axioma é simples: se a “elite de poder” é profundamente corrupta, em todas as dimensões, então as massas ignaras devem se-lo tambem.

servilismo - TerencioPara a “elite de poder” o seu próprio comportamento é que é o ” comportamento brilhante e civilizado”. A porcaria que emana da ” elite de poder” é sempre considerada estrume de alta qualidade e baixo cheiro.

A arrogância e o orgulho desproporcional desta ” elite de poder” faz o resto: é necessário despejar para cima da população o seu próprio comportamento devidamente publicitado e vendido como ” modelo a seguir”

Se a população recusar ou não perceber, ou se aceitar, mas for incompetente a mimetizar o comportamento da elite de poder, há que aumentar o condicionamento para a fazer aceitar, quer queira quer não queira.

É o momento “marxista igualitário” da “elite de poder”.

Disseminar em todos os estratos da sociedade a corrupção ética (entre outras formas) mas, nas classes consideradas mais baixas a corrupção será sempre mais nivelada por baixo e tenderá sempre a servir os propósitos totalitários e os esquemas mentais da “elite de poder”.(para as classes mais altas em termos financeiros, fica guardada a corrupção de idêntico baixo nível ético, mas altos proveitos financeiros e maximização de poder…)

A elite de poder gosta do Facebook. Muitos dos serventuários (Minions) corrompem aqui.

A elite de poder gosta do Facebook. Muitos dos serventuários (Minions) corrompem aqui.

Os sequazes ao serviço da elite de poder, regra geral começam pela incitação social, coberta ou declarada, … das novas ” boas novas a serem seguidas…

Após incitamento conseguido, promove-se activamente condições subjectivas e objectivas para que estes segmentos de população (a maioria das pessoas) produza e viva (dentro de…) corrupção ética de baixa qualidade especificamente criada e incentivada para ser disseminada por esse tipo de população.

Estas técnicas subversivas e destrutivas de recursos físicos, materiais e éticos foram intensificadas e atacam a população, a sua dignidade e os seus princípios.

Incentivam a que a população ignore ou seja insensível á existência e propagação de maldade social. Que isto passe a ser um “adquirido” da comunidade tal como os frigoríficos ou os telefones. Que tudo seja a mesma coisa…

Da aceitação da maldade social e económica, como um bem a preservar, a defender, a usar por todos.

Esta indução de degradação nas classes sociais consideradas “mais baixas” visa assegurar à “elite de poder” totais beneficios para si própria e para os associados, família e serventuários, bem como promove a não existência de revoltas éticas na população.

As classes consideradas ” baixas ” estão ocupadas, demasiado ocupadas a serem convencidas a auto corromperem-se e a lutarem dentro de si, por nada.

Corrompem para manchar a população e pré condiciona-la. ( Verdade seja dita, que muita da população também se presta a esta figura ou nem percebe..)

CORRUPÇÃO - LADISLAU DOWBORO logro é obvio.

Se “somos todos corruptos”, a legitimidade de quem não o quer ser ou não o procura ser é minada.

A legitimidade de quem não o quer ser ou não o procura ser, mas é-o em pequeno grau (por coacção social, politica, económica, legal contra si exercida.. por incapacidade de lutar contra ) surge assim manchada.

Assim se procedeu a uma politica de institucionalização ” extra oficial” da corrupção, da quebra ética, do ataque a princípios democráticos e humanistas.

Qual é mesmo o preço que estamos dispostos a pagar, enquanto comunidade, por deixarmos as coisas estarem como estão ou eventualmente piorarem?

Estamos mesmo na disposição de viver dentro de medo constante, por causa dos movimentos hostis e parasitas de uma elite de poder como esta?

Toleramos estas aberrações que nos foram enviadas e se fazem passar por uma elite de poder que nada mais fazem que destruir recursos?

O Enclave diz não.

A Irmandade de Némesis diz não.